terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Exercícios de História sobre a América portuguesa - com gabarito

Questão 01 - UNICAMP 2019 - 1ª fase Tanto que se viu a abundância do ouro que se tirava e a largueza com que se pagava tudo o que lá ia, logo se fizeram estalagens e logo começaram os mercadores a mandar às Minas Gerais o melhor que chega nos navios do Reino e de outras partes. De todas as partes do Brasil, se começou a enviar tudo o que dá a terra, com lucro não somente grande, mas excessivo. Daqui se seguiu, mandarem-se às Minas Gerais as boiadas de Paranaguá, e às do rio das Velhas, as boiadas dos campos da Bahia, e tudo o mais que os moradores imaginaram poderia apetecer-se de qualquer gênero de cousas naturais e industriais, adventícias e próprias.
(Adaptado de André Antonil, Cultura e Opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia-Edusp, 1982, p. 169-171.)
Sobre os efeitos da descoberta das grandes jazidas de metais e pedras preciosas no interior da América portuguesa na formação histórica do centro-sul do Brasil, é correto afirmar que:
a) A demanda do mercado consumidor criado na zona mineradora permitiu a conexão entre diferentes partes da Colônia que até então eram pouco integradas. 
b) A partir da criação de rotas de comércio entre os campos do sul da Colônia e a região mineradora, Sorocaba e suas feiras perderam a relevância econômica adquirida no século XVII.
c) O desenvolvimento socioeconômico da região das minas e do centro-sul levou a Coroa a deslocar a capital da Colônia de Salvador para Ouro Preto em 1763.
d) Como o solo da região mineradora era infértil, durante todo o século XVIII sua população importava os produtos alimentares de Portugal ou de outras capitanias.

Questão 02 - IFS 2013.2 - Subsequente - Leia o texto a seguir: “O Brasil, para ser e existir precisava ainda se muito para acontecer: duras lutas, algumas guerras, aqui e ali uma traição; derrotas; epopeias e façanhas; invenção, criatividade e trabalho, muito trabalho. Nada disso estava lá, em abril de 1500” (Francisco Carlos Teixeira da Silva, In: História Geral do Brasil.Maria Yedda Linhares (org.)9ªed. SP: 1990 – p.33-34 )
Sobre a formação da América Portuguesa e o Brasil no Período Colonial analise as proposições:
I. Portugal buscava explorar o território recém-conquistado com o objetivo maior de colonizar e transferir a estrutura administrativa para o Brasil.
II. O regime de trabalho compulsório implantado pelos portugueses no Brasil estava inserido no projeto econômico do Mercantilismo Lusitano.
III. Os Jesuítas foram responsáveis apenas pelo contato religioso com os índios e os negros, para conquistar mais fiéis para o Cristianismo.
IV. Colonialismo, Balança Comercial Favorável, Metalismo e Monopólios Comerciais foram algumas das práticas mercantilistas que Portugal utilizou e se beneficiou do Brasil.
a) apenas I e IV estão corretas
b) apenas II e III estão corretas
c) apenas III e IV estão corretas 
d) apenas II e IV estão corretas
e) apenas a IV está correta

Questão 03 - FUVEST 2015 - Transferência – Na história da ocupação territorial da América portuguesa encontramͲse alguns fatores responsáveis pela atual configuração do território nacional brasileiro. Dentre tais fatores, pode-se mencionar, corretamente,
a) a fundação de São Paulo de Piratininga no século XVI, que logo se tornaria o principal foco de povoamento da América portuguesa.
b) a presença de franceses e holandeses em diversos pontos do sertão, onde administraram capitanias e fundaram cidades que até hoje existem.
c) a fundação do Quilombo de Palmares, que, no século XVIII, alavancou a ocupação da atual região Nordeste.
d) a expulsão das ordens religiosas do Nordeste e da Amazônia, à qual se seguiu uma colonização estável e uma política amigável de fronteiras com a Espanha.
e) a descoberta de ouro nas Minas Gerais em finais do século XVII e a sua subsequente integração comercial estabelecida com outras partes da colônia.

Questão 04 - UFPR 2016 - Na América portuguesa, as irmandades eram espaços de:
a) assistência aos negros que fugiam de seus senhores, providenciando alojamento e laços de solidariedade para arrecadar fundos para sua alforria, através da realização de festas de devoção aos seus santos padroeiros.
b) congregação de negros, indígenas e brancos pobres, constituindo sociedades de auxílio mútuo para garantir um enterro digno aos seus membros e familiares, além de proteger seus membros das visitações da Inquisição.
c) resistência ao catolicismo do regime de padroado, permitindo que os negros mantivessem seus cultos originais africanos após conquistarem sua alforria, proibindo a entrada de membros brancos e indígenas.
d) auxílio mútuo, em caso de doença, enterro e assistência a órfãos e viúvas, e de arrecadação de recursos para alforria, servindo também para manter traços das culturas africanas, como forma de resistência à sociedade escravocrata. 
e) sociabilidade dos negros escravizados e libertos, compreendendo debates políticos de resistência à escravização, por meio da preservação das culturas e devoções africanas, o que gerou o primeiro ideário abolicionista.

Questão 05 - UFPR 2015 “(...) a aldeia é um espaço escolhido e organizado pelo próprio índio, e ‘o aldeamento é resultado de uma política feita por vontade dos europeus para concentrar comunidades indígenas’." (Aldeias que não estão no mapa. Entrevista com a Profa. Dra. Nanci Vieira de Oliveira por Maria Alice Cruz. Jornal da Unicamp. 197, novembro de 2002, p.5.). A afirmação acima refere-se aos aldeamentos missionários e às transformações que eles trouxeram à vida dos indígenas no período colonial da América portuguesa.
Os objetivos das missões jesuíticas eram
a) a catequese e a escravidão dos indígenas como mão-de-obra para a monocultura, o que implicou para os índios a mestiçagem com os escravos negros e a modificação de sistema de trabalho e organização social.
b) a aculturação, a conversão religiosa e a escravização dos indígenas para extração do pau-brasil, o que implicou para os índios a mestiçagem com os brancos europeus e a modificação da sua organização social.
c) a catequese, o isolamento político e cultural dos jesuítas e o controle das áreas de fronteiras com as colônias espanholas, o que implicou para os índios uma grande mortalidade por conta dos confrontos com os espanhóis.
d) a aculturação e a proteção dos indígenas perante os bandeirantes, o que implicou para os índios a conversão religiosa e a formação de clérigos e de noviças para a Companhia de Jesus.
e) a catequese, a proteção dos indígenas e a assimilação dos nativos ao sistema colonial, o que implicou para os índios a modificação de hábitos, crenças religiosas, sistema de trabalho e organização habitacional. 

Questão 06 - IFS 2013.2 - Subsequente - Sobre o trabalho na America Portuguesa e suas consequências para o Brasil Atual, leia o texto a seguir e em seguida assinale a alternativa incorreta. Os africanos que vieram escravizados para o Brasil, entre os séculos XVI e XIX, não trabalhavam somente nos engenhos de cana-de-açúcar. [...] muitos escravos trabalhavam (principalmente no Rio de Janeiro, Pernambuco e em outras cidades litorâneas) como estivadores, barqueiros, vendedores, aprendizes, mestres em artesanato e serviços domésticos. [...] A partir dos séculos XVIII e XIX, com a ascensão da mineração em Minas Gerais e Goiás, milhares de escravos foram trabalhar nas minas e demais atividades (como a agropecuária) que movimentavam a economia nas regiões auríferas. Nas cidades, as formas de trabalho escravo variavam bastante. Existiam os escravos prestadores de serviço, isto é, os escravos de ganho, carpinteiros, barbeiros, sapateiros, alfaiates, ferreiros, marceneiros, entre outros. As mulheres também exerciam o trabalho escravo: geralmente elas trabalhavam como amas de leite, doceiras e vendedoras ambulantes.[...] Leandro Carvalho. Mestre em História (adaptado de: www.brasilescola.com)
a) a escravidão deixou marcas de desigualdade social no Brasil, que até hoje ainda não foram reparadas para os afrodescendentes, que ainda sofrem com injustiças sociais. 
b) segundo o texto pode-se inferir que os escravos que viviam na cidade tenham uma vida muito melhor que os do campo, porque não sofriam castigos físicos.
c) independente da tipologia de trabalho exercida pelo escravo, o seu dono sempre era o que lhe exercia alem do domínio da liberdade, a apropriação total ou parcial do produto de seu trabalho.
d) segundo o texto, podemos inferir que poderia haver uma divisão da natureza do trabalho baseado no gênero.
e) com diferenças históricas, étnicas e sociais; infelizmente ainda persistem formas de trabalho escravo na atualidade brasileira.

Questão 07 - FUVEST 2017 - Transferência – Ao longo do século XVII, verificou-se uma série de tensões e conflitos envolvendo jesuítas e bandeirantes na América portuguesa. Tais embates ocorreram devido
a) a problemas políticos referentes à dinastia de Bragança, instaurada em Portugal em 1640.
b) a disputas políticas internas envolvendo a nomeação dos bispos e párocos no território colonial.
c) ao controle sobre os povos indígenas e à regulamentação da escravidão dos nativos nos domínios portugueses. 
d) à perseguição a judeus e cristãos-novos refugiados em Pernambuco e em São Paulo.
e) à campanha dos jesuítas pelo fim da escravidão dos africanos na América portuguesa.

Questão 08 - UFT 2016 - Vestibular Educação do Campo - Para transformar a América Portuguesa em império do Brasil não bastava manter a unidade do território e a sua ordem. Era necessário, também, construir um(a):
(A) Estado Imperial.
(B) Estado de Direito.
(C) Identidade Nacional. 
(D) Democracia Imperial.
(E) Identidade Luso-brasileira.

Questão 09 - UFPR 2010 - A partir do século XVI, o catolicismo constituiu um dos pilares fundamentais da colonização portuguesa no Brasil. Sobre a difusão da religião católica na América portuguesa, é correto afirmar que ela:
1. contou com a instituição do padroado régio, conforme o qual cabia aos monarcas portugueses propagar a fé católica nas terras conquistadas.
2. pôde contar com intensa atividade dos religiosos jesuítas já nos primeiros processos de povoamento ocorridos sob a égide das capitanias hereditárias.
3. foi apoiada pelo Santo Ofício, que enviou visitações para a Bahia e para Pernambuco.
4. teve que enfrentar expressões religiosas que mesclavam aspectos do imaginário religioso tupi com traços das hierarquias, títulos e rituais católicos.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
b) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.

Questão 10 - UniCesumar 2017 - “Obedecei em tudo a vossos senhores, não os servindo somente aos olhos, e quando eles vos veem, como quem serve a homens; mas muito de coração, e quando não sois vistos como quem serve a Deus. Tudo o que fizerdes, não seja por força, senão por vontade: advertindo outra vez, que servis a Deus. Não servis como cativos, senão como livres; porque Deus vos há de pagar o vosso trabalho, e não obedeceis como escravos, senão como filhos; porque Deus, com que vos conformais nessa fortuna, que ele vos deu, vos há de fazer seus herdeiros.” Antônio Vieira. Sermões. Porto: Lello & Irmão, 1959. Adaptado.
O texto, escrito no século XVII, pode ser associado à
(A) defesa e à justificativa, realizada por um representante da Igreja católica, da escravização de africanos na América portuguesa.
(B) valorização do trabalho como uma conquista pessoal, que permite a todos os homens alcançar o reino de Deus.
(C) percepção do trabalho como um direito de todos, que deve ser assegurado por todos os líderes religiosos e políticos.
(D) caracterização do trabalho escravo, feita por um calvinista, como uma forma adequada de administração dos bens de Deus na Terra.
(E) crítica e à rejeição, desenvolvidas por um representante da Coroa portuguesa no Brasil, às tentativas de escravização de indígenas.

Questão 11 - UFPR 2013 - Assinale a alternativa correta sobre o papel social e econômico das cidades no período colonial da América Portuguesa. 
a) As cidades nunca tiveram um papel significativo na economia colonial, pois toda a riqueza que interessava ao comércio português era de origem agrária. Dessa forma, as cidades eram núcleos administrativos sem qualquer povoamento significativo, que só se tornaram alvo de investimentos após a vinda da Família Real portuguesa. 
b) As cidades passaram a ter um papel econômico primordial na colônia a partir da fundação de São Paulo, que se tornou um grande entreposto comercial. Posteriormente, com o ciclo do ouro, as cidades de Minas Gerais tornaram-se um centro irradiador de progresso econômico, superando a importância das áreas rurais na economia colonial. Isso impulsionou um maior desenvolvimento urbano, trazendo progresso material e cultural a toda a sociedade. 
c) Mesmo com papel econômico secundário, a partir dos séculos XVII e XVIII, algumas cidades foram valorizadas com o aumento da participação da colônia no comércio ultramarino, em especial após as políticas pombalinas de incentivo às Companhias de Comércio. Além de possuírem órgãos administrativos e políticos, as cidades agregaram boa parte dos elementos sociais da colônia, definindo em seus espaços as diferenças de gênero, raça e status social. 
d) Além de serem centros administrativos, as cidades formaram pequenos centros educacionais de catequese dos indígenas e de evangelização dos colonos, agregando uma população majoritariamente masculina. Por serem muito pobres, as cidades eram vilas incipientes, o que gerava uma concentração populacional e econômica nas áreas rurais. 
e) As cidades foram centros administrativos importantes para o desenvolvimento econômico e social da colônia, por concentrarem escolas, jardins botânicos e assistência médica e jurídica à população. Escravos frequentemente fugiam para tentar uma vida melhor nas cidades, o que gerava uma rivalidade entre os centros urbanos e as áreas rurais.

Questão 12 - FUVEST 2002 - Transferência – Durante o século XVIII, o sucesso da atividade mineradora em Minas Gerais provocou uma grande mudança na organização econômica da América portuguesa porque
a) relegou a agricultura de subsistência a um papel secundário;
b) trouxe consigo o surgimento de uma classe média manufatureira;
c) fortaleceu o papel das ordens religiosas na administração da mão de obra escrava;
d) provocou o surgimento de um mercado interno de proporções até então desconhecidas;
e) estimulou a modernização do sistema financeiro da Colônia.

Questão 13 - FUVEST 2005 - 1ª fase - A exploração dos metais preciosos encontrados na América Portuguesa, no final do século XVII, trouxe importantes conseqüências tanto para a colônia quanto para a metrópole. Entre elas,
a) o intervencionismo regulador metropolitano na região das Minas, o desaparecimento da produção açucareira do nordeste e a instalação do Tribunal da Inquisição na capitania.
b) a solução temporária de problemas financeiros em Portugal, alguma articulação entre áreas distantes da Colônia e o deslocamento de seu eixo administrativo para o centro-sul.
c) a separação e autonomia da capitania das Minas Gerais, a concessão do monopólio da extração dos metais aos paulistas e a proliferação da profissão de ourives.
d) a proibição do ingresso de ordens religiosas em Minas Gerais, o enriquecimento generalizado da população e o êxito no controle do contrabando.
e) o incentivo da Coroa à produção das artes, o afrouxamento do sistema de arrecadação de impostos e a importação dos produtos para a subsistência diretamente da metrópole.

Questão 14 - FUVEST 2007 - Transferência - A crise da agroindústria açucareira, enfrentada pela América portuguesa na 2ª metade do século XVII, estava relacionada
a) ao crescimento da produção de açúcar na colônia espanhola de Cuba.
b) à descoberta de ouro e diamantes na região de Minas Gerais.
c) ao início da produção de açúcar nas colônias inglesas e francesas.
d) à conquista de Angola pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais.
e) à resistência escrava no quilombo de Palmares.

Questão 15 - FUVEST 2007 - Transferência - Sobre a ocupação do interior da América Portuguesa, na 1ª metade do século XVIII, é correto afirmar que a
a) caça de escravos índios, pelos bandeirantes, constituiu o principal fator de exploração do território.
b) pecuária no vale do Rio São Francisco buscou atender, em especial, os engenhos de açúcar da Bahia e de Pernambuco.
c) exploração econômica do vale do Rio Amazonas baseou-se na extração da borracha por meio de trabalho indígena.
d) descoberta de ouro em Minas Gerais provocou crise econômica no Rio de Janeiro, então especializado em açúcar.
e) descoberta das minas de Goiás foi resultado da busca de alternativas, por parte dos paulistas, derrotados na Guerra dos Emboabas.

Questão 16 - FUVEST 2012 - 1ª Fase - Os indígenas foram também utilizados em determinados momentos, e sobretudo na fase inicial [da colonização do Brasil]; nem se podia colocar problema nenhum de maior ou melhor “aptidão” ao trabalho escravo (...). O que talvez tenha importado é a rarefação demográfica dos aborígines, e as dificuldades de seu apresamento, transporte, etc. Mas na “preferência” pelo africano revela-se, mais uma vez, a engrenagem do sistema mercantilista de colonização; esta se processa num sistema de relações tendentes a promover a acumulação primitiva de capitais na metrópole; ora, o tráfico negreiro, isto é, o abastecimento das colônias com escravos, abria um novo e importante setor do comércio colonial, enquanto o apresamento dos indígenas era um negócio interno da colônia. Assim, os ganhos comerciais resultantes da preação dos aborígines mantinham-se na colônia, com os colonos empenhados nesse “gênero de vida”; a acumulação gerada no comércio de africanos, entretanto, fluía para a metrópole; realizavam-na os mercadores metropolitanos, engajados no abastecimento dessa “mercadoria”. Esse talvez seja o segredo da melhor “adaptação” do negro à lavoura ... escravista. Paradoxalmente, é a partir do tráfico negreiro que se pode entender a escravidão africana colonial, e não o contrário. Fernando A. Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. São Paulo: Hucitec, 1979, p. 105. Adaptado.
Nesse trecho, o autor afirma que, na América portuguesa,
a) os escravos indígenas eram de mais fácil obtenção do que os de origem africana, e por isso a metrópole optou pelo uso dos primeiros, já que eram mais produtivos e mais rentáveis.
b) os escravos africanos aceitavam melhor o trabalho duro dos canaviais do que os indígenas, o que justificava o empenho de comerciantes metropolitanos em gastar mais para a obtenção, na África, daqueles trabalhadores.
c) o comércio negreiro só pôde prosperar porque alguns mercadores metropolitanos preocupavam-se com as condições de vida dos trabalhadores africanos, enquanto que outros os consideravam uma “mercadoria”.
d) a rentabilidade propiciada pelo emprego da mão de obra indígena contribuiu decisivamente para que, a partir de certo momento, também escravos africanos fossem empregados na lavoura, o que resultou em um lucrativo comércio de pessoas.
e) o principal motivo da adoção da mão de obra de origem africana era o fato de que esta precisava ser transportada de outro continente, o que implicava a abertura de um rentável comércio para a metrópole, que se articulava perfeitamente às estruturas do sistema de colonização.

Questão 17 - UDESC 2009/1 - Manhã - Sobre os movimentos que questionaram a dominação colonial na América portuguesa, assinale (V) para as afirmativas verdadeiras e (F) paras as afirmativas falsas.
( ) A Inconfidência ou Conjuração Mineira (1789) reunia intelectuais, clérigos, advogados, mineradores, proprietários, militares, etc.; dentre outros objetivos, pretendia proclamar uma república em Minas Gerais.
( ) Os sentimentos de liberdade e independência dos inconfidentes de Minas Gerais foram alimentados pelos ideais iluministas e influenciados pela Independência dos EUA (1776). Mas nem chegaram a decretar a revolução, pois foram delatados por um dos seus companheiros.
( ) O movimento baiano (1798), também influenciado pelas idéias de liberdade, igualdade e fraternidade da Revolução Francesa (1789), teve um caráter popular e contou com a participação de pequenos comerciantes, soldados, artesãos, alfaiates, negros libertos, mulatos e escravos.
( ) Os movimentos mineiro e baiano foram duramente reprimidos pelas autoridades portuguesas. Alguns conspiradores, sobretudo os mais poderosos, conseguiram se livrar das acusações ou receberam penas mais leves.
( ) No movimento mineiro, o único condenado à morte foi Tiradentes; e no movimento baiano, apenas os negros e os mulatos foram punidos com rigor, com quatro integrantes condenados à morte, executados e esquartejados, a exemplo de Tiradentes.
Assinale a alternativa que contém a seqüência correta, de cima para baixo.
a) V F V V F
b) V V F V V
c) F F V V F
d) F V F V V
e) V V V V V

Questão 18 - PUC-Rio 2019 - Movimentos sociais e políticos de caracteres distintos marcaram o final do século XVIII na América portuguesa. Comparando a Inconfidência Mineira de 1789 com a Conjuração Baiana de 1798, assinale a afirmação INCORRETA:
(A) Na Inconfidência Mineira prevaleceram propostas mais anticoloniais do que sociais. A Inconfidência Baiana, além de anticolonial, foi mais voltada para reformas sociais, defendendo melhores condições de vida para os menos favorecidos.
(B) Tanto a Inconfidência Mineira quanto a Conjuração Baiana tinham como objetivos criar uma República e pôr fim ao tráfico de escravos e à escravidão no Brasil
(C) A Inconfidência Mineira configurou-se como um movimento da elite mineira, enquanto a Conjuração Baiana contava também com a participação de pessoas de origem humilde, como alfaiates, soldados e escravos.
(D) A Inconfidência Mineira foi mais influenciada pelo movimento separatista da América Inglesa, enquanto os insurgentes baianos foram mais influenciados pelos ideais igualitários da Revolução Francesa.
(E) A insatisfação com o sistema tributário metropolitano desempenhou um papel importante em ambos os movimentos.

Questão 19 - FGV-SP 2012 - Economia - 1ª fase - A presença da Companhia das Índias Ocidentais no nordeste da América portuguesa, especialmente durante a administração de Maurício de Nassau (1637-1644), caracterizou-se pelo
a) oferecimento de privilégios aos pernambucanos que se convertessem ao judaísmo, como a isenção tributária e a possibilidade de obter empréstimos bancários.
b) incentivo à utilização do trabalho livre, considerado pelos holandeses mais produtivo, em detrimento do trabalho compulsório dos africanos.
c) favorecimento à participação dos proprietários luso - brasileiros nas instâncias de poder no Brasil holandês, como na Câmara dos Escabinos.
d) confisco das propriedades dos cristãos-novos pernambucanos que lutaram contra a presença holandesa, assim como de todos os bens da Igreja Católica.
e) processo de reorganização das atividades econômicas em Pernambuco, sobretudo com a troca da produção de algodão pela de manufatura.

Questão 20 - FUVEST 2018 - Transferência – 1ª Fase - A respeito do processo de ocupação do território da América portuguesa, considere as quatro seguintes afirmações e o mapa:
I. Foi caracterizado pela ocupação das áreas limítrofes entre os impérios coloniais ibéricos, o que provocou uma série de conflitos entre portugueses e espanhóis.
II. Foi marcado pela montagem de um mercado interno entre as possessões portuguesas e espanholas, que permitiu o escoamento da produção colonial.
III. Ocorreu a partir das regiões litorâneas articuladas ao volumoso comércio marítimo que se desenvolveu entre os séculos XVI e XVIII.
IV. Foi estimulado pelas atividades econômicas ali desenvolvidas, como a mineração, a pecuária e o extrativismo. Está correto apenas o que se afirma e
 a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV

Questão 21 - FGV - 2016 - SME - SP -

Com base no mapa, sobre a evolução territorial da América portuguesa, assinale a afirmativa correta.
(A) A demarcação estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas se inseriu na disputa pelo controle das rotas que garantiam o acesso às Índias: o périplo africano para Castela e a passagem pelo Cabo da Boa Esperança para Portugal.
(B) O Tratado de Madri revogou o de Tordesilhas e utilizou um novo conceito de fronteira, com base na posse efetiva da terra e nos acidentes geográficos e naturais, incluindo parcelas do território que as bandeiras haviam desbravado.
(C) A consequência do Tratado de 1750 foi a renúncia, pela Espanha, à Colônia do Sacramento, fundada no Rio da Prata e próxima a Montevidéu, em troca da definição do rio Uruguai como fronteira oeste do Brasil com a Argentina.
(D) Os Tratados de Madri e Santo Ildefonso tiveram como foco a ocupação da região amazônica e o controle do contrabando de ouro e da população indígena nesse território.
(E) O Tratado de Santo Ildefonso ampliou as possessões lusas na América, em conformidade com os territórios que haviam sido efetivamente ocupados pela Coroa portuguesa na bacia platina.

GABARITO
01 - A
02 - C
03 - E
04 - D
05 - E
06 - A
07 - C
08 - C
09 - C
10 - A
11 - C
12 - D
13 - B
14 - C
15 - E
16 - E
17 - E
18 - B
19 - C
20 - E
21 - B

Nenhum comentário: