PETS

domingo, 30 de setembro de 2012

XV SBGFA - Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada - 2013

Uso e ocupação da terra e as mudanças das paisagens
De 8 a 12 de julho de 2013 emVitória, Espírito Santo - ES, acontece o XV SBGFA - Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Para saber mais informações acesse a página oficial do evento http://www.xvsbgfa2013.com.br/
"Não basta saber, é preciso também aplicar; não basta querer, é preciso também fazer." (Johann Göethe)

VIII Colóquio de Cartografia para Crianças e Escolares - 2013

Para quem e para que a Cartografia Escolar: experiências e campos de saberes
De 24 a 27 de Setembro de 2013, na Universidade Federal de São João Del Rei- UFSJ, acontece o VIII Colóquio de Cartografia para Crianças e Escolares. O VIII Colóquio, como espaço de conversação se propõe a continuar cevando a procura expressiva, intuitiva e racional das potencias educativas da imaginação geográfica e da sua capacidade de agenciar inovações no campo da Cartografia Escolar. Para mais informações siga o link aqui!
VIII Colóquio de Cartografia para Crianças e Escolares - O mundo é o que pensamos...

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Plano de Aula de Geografia sobre o Rural e o Urbano - 4° e 5° ano do Ensino Fundamental

"Nesse plano de aulas o objetivo é propor atividades que contribuam para essas distinções, mas também que já avancem para uma percepção um pouco mais sofisticada, aquela que relaciona movimentos sociais e diferentes realidades geográficas, no caso voltado para a distinção entre urbano e rural". Esta atividade sobre o rural e o urbano é recomendada para os alunos do 4º e 5º ano do Ensno Fundamental.
É o que você vai conferir em "Rural e urbano: diferentes na paisagem, mas cada vez mais misturados" que está disponível online no site da revista Nova Escola. Para acessar siga o link aqui!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Erosão eólica - Geografia - Imagem

Double Arch. Parque Nacional dos Arcos. Utah, EUA.

Essa é uma formação geológica causada pela erosão eólica, que esculpiu o "Double Arch" durante milhares de anos pela ação eólica em rochas sedimentares.

Mapa "Terra Brasilis" - Lopo Homem

O mapa "Terra Brasilis" foi um dos primeiros com as representações das terras brasileiras que os navegadores portugueses haviam encontrado. Ele mostra asinformações e as impressões que os exploradores tiveram das terras brasileiras.

Lopo Homem. Terra Brasilis., 1515-1519.
Manuscrito iluminado sobre pergaminho, 41 x 59 cm

A regionalização do Brasil - Regiões do IBGE e Complexos Regionais

A regionalização é um fator importantante para entender o Brasil. Isso porque o nosso país apresenta grande diversidade natural, social e econômica. A regionalização facilita o estudo dessa diversidade. O IBGE divide o Brasil em cinco grandes regiões: Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro Oeste. Por meio da regionalização em complexos regionais ou complexos geoeconômicos o Brasil apresenta três regiôes: Amazônia, Nordeste e Centro-Sul. Para saber mais baixe a apresentação uma aula em slides sobre "A regionalização do Espaço Brasileiro" no link aqui!
Regionalização do IBGE X Regiões Geoeconômicas ou Complexos Regionais

domingo, 16 de setembro de 2012

Resumo de Geografia

Confira diversas fichas resumos preparadas pelo Guia do Estudante. São temas de Geografia Geral e Geografia do Brasil. Podem ser utilizados para os anos finais do Ensino Fundamental e para todas as turmas do Ensino Médio. São recomendadas para treinamento para as provas de vestibulares e do Enem.
  • Regiões climáticas - resumo e questão comentada Aqui!
  • América Latina (política, economia, aspectos geográficos) - resumo, dicas e questão comentada Aqui!
  • América Anglo-Saxônica (política, economia, aspectos geográficos) - resumo, dicas e questão comentada Aqui!
  • Europa (política, economia, aspectos geográficos) - resumo, dicas e questões comentadas Aqui!
  • Ásia (principais países) - resumo, dicas e questões comentadas Aqui!
  • Oriente Médio (política, economia e aspectos geográficos) - dicas e questões de vestibulares Aqui!
  • África (política, economia e aspectos geográficos) - dicas e questões comentadas de vestibular Aqui!
  • Cartografia - resumo, dicas e questão comentada Aqui!
  • Brasil (geografia física e aspectos político-econômicos e sociais) - resumo, dicas e questões comentadas Aqui!
  • Regiões brasileiras - resumo, dicas e questões comentadas Aqui!
  • Oceania (Austrália, economia e aspectos geográficos) - questão de vestibular Aqui!
  • Problemas Ambientais - resumo, dicas e questões de vestibular Aqui!
  • Resumo de geografia - Expansão islâmica na África Aqui!
  • Resumo de geografia - Biomas brasileiros: Floresta Amazônica, Cerrado e Mata Atlântica Aqui!
  • Resumo de geografia: O Vale do São Francisco – agricultura e características climáticas Aqui!
  • Resumo de geografia: Fontes energéticas e suas relações econômicas Aqui!
  • Resumo de geografia: Mundos Unipolar, Tripolar e Policêntrico e seus desdobramentos políticos Aqui!
  • Resumo de geografia: Projeções cartográficas Aqui!
  • Resumo de geografia: Tipos climáticos Aqui!
  • Resumo de geografia: Bacia do Prata e a integração territorial no Mercosul Aqui!
  • Resumo de geografia: Desertificação Aqui!
  • Resumo de geografia: Períodos geológicos e extinções em massa Aqui!
  • Síria (história, política e economia) - resumo Aqui!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Meios de Comunicação - Atividade de Geografia - 2º e 3º ano do Ensino Fundamental

Banco de palavras. Escrevendo palavras. Troque o desenho pela palavra correta.
Telefone, Computador, Rádio Carta e Televisão. Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do 2º e 3º ano do Ensino Fundamental.
Meios de Comunicação - Atividade de Geografia - 2º e 3º ano do Ensino Fundamental

Meio Ambiente - Jogral Ecológico - Atividade de Geografia para o 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Vamos recitar esse jogral ecológico?
Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental. Os alunos vão conhecer alguns nomes de árvores como canela, ipê, jequitibá, pinheiro, arariva.
Jogral Ecológico - Atividade de Geografia sobre Meio Ambiente

Frases sobre meios de transporte - Geografia - 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Barro, vazio, sertão, atleta e foto. Complete as frases com a rima correta para cada meio de transporte. Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental.

Meio de transporte - Geografia - 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental.

Meios de Transporte - Geografia - 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Avião, bicicleta, navio, ônibus, carro e trem.
Ligue-Ligue. Usando apenas vogais, complete as palavras e depois ligue o nome às figuras. Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do 3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental.
Meios de Transporte - Geografia -  3º, 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Trânsito - Atividade de Geografia - 4º e 5º ano do Ensino Fundamental.

 Trânsito é o movimento de veículos e pessoas nas ruas. Devemos respeitar o guarda de trânsito e obedecer-lhe. Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental.

Trânsito - Atividade de Geografia
Leia também:


Acesse a página oficial do Suburbano Digital no Facebook
Clicando em CURTIR você acompanha as mais recentes novidades sobre Educação e variedades. 
Participe com a gente. Compartilhe!

Pontos Cardeais e Pontos Colaterais - Atividades de Geografia para o 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Pontos cardeais: Norte, Sul, Leste e Oeste. Pontos colaterais: Nordeste, Noroeste, Sudeste, Sudoeste.
Esta atividade de Geografia é recomendada aos alunos do  4º e 5º ano do Ensino Fundamental.
Pontos Cardeais

Cruzadinha Estados Brasileiros - 4º e 5º ano do Ensino Fundamental

Acre, Alagoas, Amazonas, Rondônia, Roraima, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso doSul, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Pará. São Paulo e Espírito Santo. Observe as siglas e encaixe os nomes dos estados brasileiros no diagrama. Esta atividade é recomendada aos alunos do  4º e 5º ano do Ensino Fundamental.
Cruzada Brasil

Sem criatividade para fazer uma aula interessante? Use a internet a seu favor

Adriana Franzin - Portal do Professor 
(Foto:Valter Campanato/ABr)
Olhinhos grudados na tarefa, fome de aprender. Todo professor quer incentivar esse sentimento nos alunos. Mas haja criatividade para proporcionar, dentro da rotina escolar, aulas realmente atrativas para todos os alunos. Tornar a aprendizagem divertida é um desafio nessa época em que as crianças têm acesso a tantas fontes de entretenimento.
A internet pode ser uma grande aliada nessas horas. Na rede, há vários canais para partilhar experiências de outros professores, ter acesso a sugestões pedagógicas, conseguir conteúdo multimídia.
Conheça algumas as ferramentas de vídeo, áudio, mapas e redes sociais disponíveis na internet, sugeridas pelo Ministério da Educação no Portal do Professor:
Vídeo
Mogulos - http://www.mogulus.com/ Ambiente possibilita a criação de canais de televisão on-line de forma colaborativa.
UStreamTV - http://www.ustream.tv/ Programa permite a transmissão de canal de televisão via internet.
You Tube - http://www.youtube.com/ Site disponibiliza vídeos na internet.
Jumpcut - http://www.jumpcut.com/ Site permite a publicação, edição e remixagem de vídeos online.
Dotsub.com - http://audacity.sourceforge.net Ambiente virtual permite acrescentar legendas em vídeos. Pode ser utilizado em aulas de idiomas.
Áudio
Audacity - http://audacity.sourceforge.net Programa de edição de áudio que deve ser baixado para o computador.
Podcast1.com - http://www.podcast1.com.br Ambiente virtual de hospedagem e edição de podcasts (programas de rádio que podem ser escutados ou baixados pela internet).
Podmatic - http://podomatic.com/ Site oferece hospedagem e edição de podcasts na internet.
Louddblog - http://loudblog.com/ Site oferece hospedagem e edição de podcasts na internet
Mapa
MindMeister.com - http://www.mindmeister.com/ Ambiente virtual possibilita a criação de mapas conceituais on-line.
CMAP Tools - http://cmap.ihmc.us/ Ambiente virtual possibilita a criação de mapas conceituais on-line.
Produção Colaborativa
Wiki - pt.wikipedia.org/ Site permite a produção de textos de forma colaborativa.
Wikimapia - http://wikimapia.org/ Site utiliza o Google Maps e permite a localização de endereços de forma colaborativa.
Vyew.com - http://vyew.com Site permite criar webconferência gratuita.

No Portal do Professor, lançado pelo Ministério da Educação em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, também é possível produzir e compartilhar sugestões de aulas, acessar vídeos, animações, áudios e outros arquivos selecionados pelo MEC, ter informações sobre cursos, programas de capacitação do ministério e de outras instituições, materiais de estudos, partilhar experiências com outros professores, acessar links divididos por temas de pesquisa. Todo o material é de acesso público. O endereço é portaldoprofessor.mec.gov.br .
Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Questão de Geografia - Guerra ao Terror

Resposta: B
Comentário: O primeiro texto fala sobre a Doutrina Bush, que valoriza ações unilaterais e preventivas. O segundo texto fala sobre a "política de extensão de fronteiras".

(UERJ) A nova doutrina de segurança norte-americana altera drasticamente o ordenamento político iniciado com o fim da Segunda Guerra Mundial e define (...) um estilo de exercício hegemônico fronteiriço à coerção (...). Com a disposição de usar a força de forma unilateral e preventiva, os Estados Unidos tentam transformar sua soberania em valor absoluto, marginalizando os países com quem dividiam - ainda que formalmente - as responsabilidades pela regulação sistêmica mundial.
(DUPAS, G. A nova doutrina de segurança internacional dos Estados Unidos e os impasses na governabilidade global. In: SANTOS, T. et alii. (org.) Os impasses da globalização - hegemonia e contra-hegemonia. São Paulo: Loyola, 2003.)
Brasil vai gastar mais em portos para garantir segurança dos EUA
Washigton - O Brasil terá de gastar milhões de dólares para garantir a segurança dos americanos nos EUA. A campanha antiterrorismo do presidente George W. Bush vai obrigar o governo brasileiro a equipar seus dois principais portos - o de Santos e o do Rio - com aparelhos capazes de detectar se cargas destinadas ao Tio Sam estão contaminadas com produtos químicos ou biológicos ou, se em meio a elas, foram também empacotadas armas de destruição em massa. Todo o trabalho será monitorado por agentes americanos que passariam a residir no país. (...) Trata- se da chamada "política de extensão de fronteiras", com a qual o presidente Bush passou a considerar que os pontos de saída de
outros países passaram a fazer parte limítrofe do território americano. (Adaptado de PASSOS, J. M. O Globo, 08/09/2003.)
A correlação entre estes textos evidencia que o novo papel assumido pelos Estados Unidos na ordem mundial de poder é expresso, principalmente, por:
a) ampliação da importância dos blocos econômicos sob a sua hegemonia
b) subordinação territorial das demais nações às suas decisões estratégicas
c) imposição aos países aliados de gastos elevados com reforma administrativa
d) combate ao terrorismo globalizado com a formação de pactos entre países amigos

Questão de Geografia - Tratados buscam preservar o planeta

Resposta: E
Comentário: A almejada sustentabilidade planetária está em xeque não por causa do aumento do consumo das camadas mais pobres da população e sim pelo uso desenfreado dos recursos naturais por parte das sociedades mais desenvolvidas.

(Pucsp 2003) "Relatórios internacionais, entre eles o do Programa das NaçõesUnidas para o Meio Ambiente... afirmam que já foi ultrapassado o limite da sustentabilidade planetária em matéria de recursos naturais, de energia, de ocupação de solos e exploração do mar, etc... já estamos mais de 20% além da capacidade de reposição da biosfera, com o déficit aumentando ano a ano...". (NOVAES, Washington. "Uma nova estratégia." no site http://www.riomaisdez.gov.br).
Assinale a afirmativa INCORRETA sobre a questão da sustentabilidade do planeta.

a) Se a maioria dos habitantes da Terra passar a consumir como boa parte dos norteamericanos,
aumentará o risco para a sustentabilidade, já que o consumo per capita das populações dos países pobres é muito inferior.
b) Estima-se que, até meados do século XXI, mais 2,5 bilhões de pessoas se somarão aos atuais 6,1 bilhões de habitantes e espera-se que com qualidade de vida aceitável, o que pode implicar maior sobrecarga sobre a biosfera.
c) A resistência dos EUA em ratificar o compromisso de diminuição da emissão de "gases estufa" (Protocolo de Kyoto) pode vir a agravar as possibilidades de reprodução da Biosfera.
d) O resultado da Rio + 10 (Cúpula Mundial de Desenvolvimento Sustentável) não é animador, pois metas de longo prazo não foram atingidas e os compromissos assumidos na Rio 92 ficaram longe de ser cumpridos a contento.
e) O risco da sustentabilidade do planeta vem crescendo com a diminuição acelerada do número de pessoas que vivem com menos de U$2 por dia (avaliados atualmente em 800 milhões), o que está implicando aumento de consumo.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Viagem do Conhecimento 2012 / 2013

A 5ª edição da maior Olimpíada de Geografia.Aberta  a escolas de todo o Brasil.
Viagem do Conhecimento 2012/2013 - Desafio National Geographic
Podem participar alunos que cursam os dois últimos anos do Fundamental II e primeiro ano do Ensino Médio.
Prêmios: Viagens para alunos, pais e professores. Inscrições abertas até 09/11/2012.
Para saber mais acesse o link aqui!

Questão de Geografia - Conflitos no Oriente Médio

(Unb - DF) O Oriente Médio é uma das regiões mais antigas do mundo. Ao longo de tantos milênios, recebeu povos de diferentes procedências, que por lá passaram ou se fixaram, tornando a região um mosaico de etnias, línguas e religiões. No mundo de hoje, a região é conhecida como palco de violência, guerras internas e externas, conflitos, golpes de Estado, invasões, atos terroristas, assassinatos e massacres. A respeito dessa região, julgue os itens subseqüentes.
(1) Na região, predomina a paisagem de deserto, que avança sobre as áreas férteis, onde a exploração abusiva expõe a superfície à perda de umidade, degrada o solo e provoca a desertificação.
(2) As regiões de maior umidade são poucas, situadas próximas ao litoral e nos vales, onde se concentra a população.
(3) Encontra-se nessa região a Planície da Mesopotâmia, conhecida por seu papel histórico, localizada entre os rios Nilo e Eufrates, com sua maior parte situada no atual Egito.
(4) Atualmente, para reduzir o sério problema de escassez de água que a região enfrenta, vem sendo aplicada a técnica de dessalinização da água do mar para o consumo humano.
1.V 2.V 3.F 4. V

Questão de Geografia - Conflitos Religiosos

(UFMG) As questões religiosas ainda afloram em várias regiões do Globo, agravando situações de instabilidade e de conflitos, associadas a outros fatores sociais, econômicos e políticos.
Na Ásia, atualmente, vários países e regiões enfrentam tensões reais ou potenciais, em que o componente religioso está presente.
Considerando-se esses países e essas questões, é INCORRETO afirmar que
a) a Índia, país de origem e de convívio de várias grandes religiões, enfrenta tanto choques entre muçulmanos e hinduístas, quanto ressentimentos contra as minorias cristãs.
b) a Indonésia, hoje o mais populoso país muçulmano, além de conflitos étnicos, ressente-se de animosidade entre o grupo religioso predominante e as minorias cristãs.
c) as Filipinas, país de maioria católica, no que constitui uma exceção no Sudeste Asiático, têm enfrentado conflitos com a minoria muçulmana, de tendência separatista.
d) os países árabes - Síria, Jordânia e Iraque -, que assistiram à expansão do Cristianismo nos seus primórdios, têm nos conflitos entre cristãos, hoje em minoria, e muçulmanos mais um grave fator de instabilidade política.

Questão de Geografia - Destruição da camada de ozônio

As geladeiras de uso doméstico contem um gás constituído por compostos representados pela sigla CFC( compostos cloro-fluor-carbono). Quando há vazamento desse gás, ocorre uma perturbação ambiental responsável pelo agravamento do problema:
a) Da inversão térmica.
b) Da chuva ácida.
c) Da destruição da camada de ozônio.
d) Da seca.

Questão de Geografia - A sociedade global

ENEM (1998) Você está fazendo uma pesquisa sobre a globalização e lê a seguinte passagem, em um livro:

A SOCIEDADE GLOBAL
As pessoas se alimentam, se vestem, moram, se comunicam, se divertem, por meio de bens e serviços mundiais, utilizando mercadorias produzidas pelo capitalismo mundial, globalizado. Suponhamos que você vá com seus amigos comer Big Mac e tomar Coca-Cola no Mc Donald’s. Em seguida, assiste a um filme de Steven Spielberg e volta para casa num ônibus de marca Mercedes. Ao chegar em casa, liga seu aparelho de TV Philips para ver o videoclip de Michael Jackson e, em seguida, deve ouvir um CD do grupo Simply Red, gravado pela BMG Ariola Discos em seu equipamento AIWA. Veja quantas empresas transnacionais estiveram presentes nesse seu curto programa de algumas horas. Adap. Praxedes et alli, 1997. O MERCOSUL. SP, Ed. Ática, 1997.

Com base no texto e em seus conhecimentos de Geografia e História, marque a resposta correta.
(A) O capitalismo globalizado está eliminando as particularidades culturais dos povos da terra.
(B) A cultura, transmitida por empresas transnacionais, tornou-se um fenômeno criador das novas nações.
(C) A globalização do capitalismo neutralizou o surgimento de movimentos nacionalistas de forte cunho cultural e divisionista.
(D) O capitalismo globalizado atinge apenas a Europa e a América do Norte.
(E) Empresas transnacionais pertencem a países de uma mesma cultura.

Questão de Geografia - Elevação do nível dos oceanos

(Unicamp-SP) Tuvalu [no Oceano Pacífico] é o primeiro país forçado a evacuar sua população devido à elevação do nível do mar, porém, certamente, não será o último. Eles estão procurando casa para 11.000 pessoas. Mas, o que dizer sobre as 311.000 pessoas que poderão deixar as Maldivas? Quem as aceitará? Ou os outros milhões que vivem em países baixos e que em breve poderão se juntar à fileira dos refugiados do clima? Será que as Nações Unidas serão forçadas a estabelecer um sistema de quotas para imigrantes climáticos, alocando os refugiados entre os países de acordo com o tamanho de sua população? Ou a alocação obedecerá a proporcionalidade da contribuição de países individuais à mudança climática que provocou a
evacuação? (Adaptado de Lester Brow. Elevação do nível do mar força evacuação de
ilha-nação. http://www.iuma.org.br).
a) Qual fenômeno tem sido apresentado como o responsável pela mudança do clima do planeta?
b) Qual a principal atividade humana responsável pela geração deste fenômeno?
c) O texto diz que a mudança do clima está afetando o nível dos oceanos. De que modo isso
ocorre?
Resposta:
a)  O aquecimento global.
b)  A atividade industrial.
c) O aquecimento global é responsável pelo derretimento das calotas polares. Esse derretimento aumenta o nível dos oceanos, podendo até mesmo submergir ilhas e áreas litorâneas mais baixas. 
Para saber mais leia o texto "Elevação do Nível do Mar Força Evacuação de Ilha-Nação" aqui!

Quadrinhos - Conhecendo a Bolsa de Valores - Geografia


Quadrinhos - Conhecendo a Bolsa de Valores - Geografia
Luisa passeando pela pracinha encontra Pedrinho e Nicolas sentados no chão contando o dinheirinho que eles têm guardado em um cofrinho em forma de porquinho. Luisa então senta ao lado de seus amigos e pergunta: — Como é que vocês conseguiram todo esse dinheiro? Pedrinho responde: — A gente está poupando para comprar camisas de futebol para nosso time. Já juntamos um montão! Luisa pergunta: — E vocês estão guardando neste cofrinho? Por que vocês não investem esse dinheiro? Pedrinho segurando o porquinho responde: — Eu não! Gosto do meu dinheiro perto de mim. De preferência no meu bolso! Nicolas diz: — Além do mais esse negócio de investir é muito complicado. Luisa diz: — Que nada! Investir é mais fácil que você pensa.

Para acessar a História em Quadrinhos completa siga o link aqui!
Lá você encontra a opção de ler a história online ou fazer o download.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Plano de Aula - Conflitos mundiais - Geografia

O Comitê Gestor da Viagem do Conhecimento (Desafio National Geographic Brasil) divulga mais um Plano de Aula. O assunto desta vez são os conflitos mundiais.

Este Plano de Aula tem o objetivo de propor aos estudantes um debate sobre a natureza e a ocorrência dos conflitos regionais e tensões sociais no mundo contemporâneo. Por meio de textos, mapas, gráficos e atividades, pretende também oferecer ideias e ferramentas para que as turmas de Ensino Fundamental II e Ensino Médio avaliem perspectivas de atenuação ou resolução desses conflitos, colaborando para a paz, a estabilidade política, o desenvolvimento econômico-social e a cooperação entre povos e países.

Para acessar esse plano de aula especialmente pelos professores que compõem o Comitê Pedagógico da Viagem do Conhecimento siga o link Conflitos Mundiais

domingo, 9 de setembro de 2012

O que é a camada de ozônio?

 "A Geografia é para os fortes". Blog de Geografia
 
Em volta da Terra há uma frágil camada de um gás chamado ozônio (O3), que protege animais, plantas e seres humanos dos raios ultravioleta emitidos pelo Sol. Na superfície terrestre, o ozônio contribui para agravar a poluição do ar das cidades e a chuva ácida. Mas, nas alturas da estratosfera (entre 25 e 30 km acima da superfície), é um filtro a favor da vida. Sem ele, os raios ultravioleta poderiam aniquilar todas as formas de vida no planeta.
Na atmosfera, a presença da radiação ultravioleta desencadeia um processo natural que leva à contínua formação e fragmentação do ozônio, como na imagem abaixo:
 
O que está acontecendo com a camada de ozônio?

Há evidências científicas de que substâncias fabricadas pelo homem estão destruindo a camada de ozônio. Em 1977, cientistas britânicos detectaram pela primeira vez a existência de um buraco na camada de ozônio sobre a Antártida. Desde então, têm se acumulado registros de que a camada está se tornando mais fina em várias partes do mundo, especialmente nas regiões próximas do Pólo Sul e, recentemente, do Pólo Norte.

Diversas substâncias químicas acabam destruindo o ozônio quando reagem com ele. Tais substâncias contribuem também para o aquecimento do planeta, conhecido como efeito estufa. A lista negra dos produtos danosos à camada de ozônio inclui os óxidos nítricos e nitrosos expelidos pelos exaustores dos veículos e o CO2 produzido pela queima de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. Mas, em termos de efeitos destrutivos sobre a camada de ozônio, nada se compara ao grupo de gases chamado clorofluorcarbonos, os CFCs.

Como os CFCs destroem a camada de ozônio?

Depois de liberados no ar, os CFCs (usados como propelentes em aerossóis, como isolantes em equipamentos de refrigeração e para produzir materiais plásticos) levam cerca de oito anos para chegar à estratosfera onde, atingidos pela radiação ultravioleta, se desintegram e liberam cloro. Por sua vez, o cloro reage com o ozônio que, conseqüentemente, é transformado em oxigênio (O2). O problema é que o oxigênio não é capaz de proteger o planeta dos raios ultravioleta. Uma única molécula de CFC pode destruir 100 mil moléculas de ozônio.

A quebra dos gases CFCs é danosa ao processo natural de formação do ozônio. Quando um desses gases (CFCl3) se fragmenta, um átomo de cloro é liberado e reage com o ozônio. O resultado é a formação de uma molécula de oxigênio e de uma molécula de monóxido de cloro. Mais tarde, depois de uma série de reações, um outro átomo de cloro será liberado e voltará a novamente desencadear a destruição do ozônio.

Quais os problemas causados pelos raios ultravioleta?

Apesar de a camada de ozônio absorver a maior parte da radiação ultravioleta, uma pequena porção atinge a superfície da Terra. É essa radiação que acaba provocando o câncer de pele, que mata milhares de pessoas por ano em todo o mundo. A radiação ultravioleta afeta também o sistema imunológico, minando a resistência humana a doenças como herpes.

Os seres humanos não são os únicos atingidos pelos raios ultravioleta. Todos as formas de vida, inclusive plantas, podem ser debilitadas. Acredita-se que níveis mais altos da radiação podem diminuir a produção agrícola, o que reduziria a oferta de alimentos. A vida marinha também está seriamente ameaçada, especialmente o plâncton (plantas e animais microscópicos) que vive na superfície do mar. Esses organismos minúsculos estão na base da cadeia alimentar marinha e absorvem mais da metade das emissões de dióxido de carbono (CO2) do planeta.

O que é exatamente o buraco na camada de ozônio?

Uma série de fatores climáticos faz da estratosfera sobre a Antártida uma região especialmente suscetível à destruição do ozônio. Toda primavera, no Hemisfério Sul, aparece um buraco na camada de ozônio sobre o continente. Os cientistas observaram que o buraco vem crescendo e que seus efeitos têm se tornado mais evidentes. Médicos da região têm relatado uma ocorrência anormal de pessoas com alergias e problemas de pele e visão.

O Hemisfério Norte também é atingido: os Estados Unidos, a maior parte da Europa, o norte da China e o Japão já perderam 6% da proteção de ozônio. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) calcula que cada 1% de perda da camada de ozônio cause 50 mil novos casos de câncer de pele e 100 mil novos casos de cegueira, causados por catarata, em todo o mundo.

Ciclo do Nitrogênio

 Ciclo do Nitrogênio
O que é?
O nitrogênio é um dos principais elementos constituintes dos organismos vivos daí a sua importância em compreender a sua reciclagem no meio ambiente. O ciclo do nitrogênio é o caminho que esse elemento faz na natureza.

A ação do homem
As ações do homem no último século provocaram intensas mudanças no ciclo do nitrogênio. Por exemplo, houve o aumento de mais de 100% na fixação do nitrogênio atmosférico para produção de fertilizantes agrícolas, os adubos.

Outra alteração significativa é o aumento na emissão de gases de nitrogênio provenientes da queima de biomassa,  combustíveis fósseis e certas práticas agropecuárias como a criação de gado que produz grande quantidade de excrementos.

Como não se tem observado mudanças na concentração de N2 na atmosfera, pode-se supor que o ciclo de nitrogênio continua em equilíbrio, a pesar do excesso de fixação.

Como funciona?
Mesmo que nitrogênio esteja presente em grandes quantidades na atmosfera na forma de N2 apenas alguns tipos de bactérias conseguem assimilá-lo nesta forma. Essas bactérias, chamadas fixadoras, vivem associadas às raízes de algumas plantas fornecendo-lhes o nitrogênio e recebendo em troca abrigo e alguns nutrientes.

Quando os microorganismos fixadores morrem, liberam nitrogênio no solo sob a forma de amônia (NH3). A ação de bactérias transforma a amônia (NH3) em nitritos (NO2) e nitratos (NO3), sendo este último a fonte de nitrogênio mais aproveitada pelas plantas e conseqüentemente pelos animais.

A devolução do nitrogênio para a atmosfera é feita pela ação de microorganismos chamados de bactérias denitrificantes. Elas transformam os nitratos presentes no solo novamente em gás nitrogênio (N2), que volta à atmosfera, fechando o ciclo natural do nitrogênio. Obviamente que nessas transformações de uma molécula para outra, todos esses microorganismos extraem energia para si.
Vídeo: Ciclo do Nitrogênio 

Ciclo do Carbono


O que é?
O Carbono é o elemento da tabela periódica mais importante para a estrutura dos seres vivos.

O ciclo do carbono são as diversas transformações que o carbono sofre ao longo do tempo. É o motor químico que fornece energia e massa à maior parte dos seres vivos, além de estar intimamente relacionado com a regulação da atmosfera global e conseqüentemente com o clima.

Até antes da revolução industrial o ciclo de carbono estava equilibrado, ou seja, o que era absorvido pelo solo e pelo oceano era igual ao que era emitido pela atmosfera. Com a industrialização e a intensificação da queima de combustíveis fósseis pelas atividades humanas, a emissão de gás carbônico para a atmosfera tornou-se maior que a capacidade natural de absorção.

Ou seja, o carbono que estava armazenado no solo e nos oceanos durante milênios passa a ser jogado pelas atividades humanas de volta para atmosfera em um espaço de tempo muito curto, impossibilitando que o ciclo natural o traga de volta para os reservatórios.

O ciclo de carbono pode ser dividido em duas partes: a) o ciclo terrestre e b) o ciclo marinho.

O ciclo Terrestre
No ciclo terrestre as plantas removem gás carbônico da atmosfera através da fotossíntese. Parte desse carbono é utilizado pela planta para a sua manutenção e que posteriormente resulta na liberação de gás carbônico para a atmosfera. Os 50% restantes irão fazer parte do corpo da planta (folhas, galhos, troncos e raízes).

Quando as plantas são comidas por animais herbívoros ou morrem e apodrecem o carbono passa para os microorganismos ou animais que as ingeriram como fonte de energia para a construção e manutenção dos seus corpos e que também liberam gás carbônico  para a atmosfera através da respiração.

Parte do carbono que flui através dos ecossistemas terrestres vai parar no solo, na forma de restos de plantas, animais e cinzas de incêndios, todos resistentes à decomposição. Embora a entrada de carbono no solo seja bastante pequena, a saída também é, o que faz com que o solo seja o maior reservatório de carbono nos continentes.


O ciclo Marinho
O ciclo marinho de carbono se dá basicamente pelas trocas de gás carbônico entre a atmosfera e os oceanos através de um processo químico denominado “difusão”. Através desse processo, quando a temperatura do oceano é baixa ocorre a captura de gás carbônico da atmosfera para o oceano. Quando a temperatura é alta ocorre a liberação do gás carbônico do oceano para a atmosfera.

Essa característica é contrária com o ciclo terrestre do carbono no qual as maiores taxas de captura de gás carbônico atmosférico estão nas florestas das regiões tropicais enquanto que nos oceanos as maiores taxas de captura se concentram nos mares frios das regiões temperadas.

Uma vez no oceano, o carbono capturado na superfície pode ser lentamente transportado por gravidade e pelas correntes para as camadas mais profundas. Pode ainda ser absorvido pelo fitoplâncton através da fotossíntese. Posteriormente o carbono do fitoplâncton se desloca para as profundezas quando o fitoplâncton morre ou é consumido por outro animal que posteriormente também irá morrer. No oceano o tempo de residência do carbono varia de décadas a milênios, o que faz dele o maior reservatório de carbono do planeta.


Vídeo - Ciclo do Carbono

Efeito Estufa

Material do http://videoseducacionais.cptec.inpe.br/

O que é?
O efeito estufa é um fenômeno natural que faz com que a temperatura da Terra seja maior do que a que seria na ausência de atmosfera permitindo assim que ocorra a vida da forma como a conhecemos.

Se não houvesse o efeito estufa a temperatura média da Terra seria -18ºC ao invés dos 15ºC que temos hoje, ou seja, 33ºC menor.

Para entender como funciona, pense em um ônibus parado, com os vidros fechados e sob a luz do Sol. Os raios que chegam do Sol na forma de radiação ultravioleta passam pelos vidros e, ao atingirem a superfície do ônibus, se transformam em calor na forma de radiação infravermelha.A radiação infravermelha tem dificuldade de atravessar os vidros do ônibus, e com isso, a parte que fica presa no interior do veículo, causa o aquecimento do ônibus.

O mesmo ocorre com a atmosfera da Terra onde alguns gases funcionam como o vidro do ônibus, deixando passar a radiação ultravioleta que chega do Sol, mas impedindo a radiação que é convertida em infravermelho na superfície e devolvida para a atmosfera na forma de calor. Essa radiação refletida na forma de calor tem dificuldade de retornar para o espaço pois é capturada pelos gases estufa que se aquecem, aumentando assim a temperatura do ar. Os principais gases estufa são o vapor da água e gás carbônico.


O balanço de energia
Da forma como está composto atualmente, o sistema Terra-atmosfera está em equilíbrio pois toda energia que entra é igual a que sai.

De toda radiação solar que atinge a Terra, 30% é refletida antes de atingir o solo. 70% é absorvida e convertida em calor. Para que o equilíbrio energético seja mantido, toda essa radiação deverá ser emitida de volta para o espaço.

Mas, se houver um aumento da concentração do gás carbônico poderá ocorrer um aumento do efeito estufa e, portanto sairá menos radiação do que entra. Essa diferença causará o aquecimento da baixa atmosfera, aumentando a temperatura média ta Terra e causando possíveis desequilíbrios ambientais.

Mesmo que o dióxido de carbono esteja em baixas concentrações na atmosfera a sua importância para o efeito estufa é fundamental.
<
Vídeo: Efeito Estufa

Geografia - Ecossistemas Brasileiros

IBGE 7 a 12

Um ecossistema é um conjunto de regiões com características naturais semelhantes. O Brasil possui sete ecossistemas diferentes: Floresta Amazônica, Caatinga, Pantanal, Cerrado, Costeiros, Mata Atlântica e Campos Sulinos.

Amazônia
A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do planeta e possui características de vários ecossistemas: além da floresta úmida de terra firme, apresenta diferentes tipos de matas, campos abertos e cerrado. Por ser um conjunto de ecossistemas, ela é considerada um bioma.

Com tantos tipos de solo e relevo, é fácil entender sua importância. A Floresta Amazônica abriga uma infinidade de espécies vegetais e animais: são 1,5 milhão de espécies vegetais catalogadas, por exemplo. Entre os animais, a maior parte é de insetos, mesmo não sendo tão famosos quanto os coloridos papagaios, símbolos da nossa floresta tropical.

A Floresta Amazônica também é muito especial por abrigar grande variedade de macacos e aves. Em seu trecho alagado, são comuns os mamíferos aquáticos como o peixe-boi, a lontra e os botos, e répteis como os jacarés, tartarugas e a conhecida jibóia amazônica. Essa grande variedade de espécies vivas se chama biodiversidade.

Como se não bastasse, a Amazônia também é fundamental para o equilíbrio da Terra, pois seus rios representam cerca de 20% das reservas de água doce do planeta. No Brasil, a Floresta Amazônica abrange os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e ainda uma pequena área do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

Caatinga
A Caatinga é o ecossistema predominante no nordeste do Brasil. Sua vegetação típica é seca e espinhosa, por causa da falta de chuvas durante grande parte do ano. Porém, quando chega o período de chuvas, as folhagens voltam a brotar e a paisagem fica mais verde. Alguns animais que fazem parte da caatinga são os lagartos (como o teiú), serpentes (como a cascavel e a jararaca) e aves como a siriema, pomba-de-bando, quenquém e juriti.

A Caatinga vem sofrendo diversas agressões ambientais: substituição de espécies vegetais nativas por cultivos e pastagens, desmatamento e queimadas. A falta de preservação prejudica a sobrevivência da fauna silvestre, a qualidade da água e o equilíbrio do clima e do solo.

Pantanal
O Pantanal é a ligação entre o Cerrado (no Brasil Central), o Chaco (na Bolívia) e a região amazônica (ao Norte do país). Como é uma área de transição, a região é formada por uma variedade de ecossistemas que são periodicamente inundados, apresentando, por isso, uma fauna densa e diversificada. A presença de ouro e diamantes na baixada cuiabana e nas nascentes dos rios Paraguai e São Lourenço vem atraindo milhares de garimpeiros, cuja atividade causa o assoreamento e compromete a produtividade biológica de córregos e rios, além de contaminá-los com mercúrio.

Cerrado
O Cerrado localiza-se principalmente no Planalto Central Brasileiro e é um ecossistema similar às Savanas da África e da Austrália. É constituído por árvores relativamente baixas (até vinte metros), distribuídas entre arbustos e gramíneas. A vegetação típica do Cerrado possui troncos e ramos retorcidos, cascas espessas e folhas grossas.

O Cerrado brasileiro é reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade: a flora tem 4.400 espécies exclusivas; a fauna apresenta 837 espécies de aves, 67 gêneros de mamíferos, 150 espécies de anfíbios e 120 de répteis. A partir da década de 90, o governo e diversos setores da sociedade começaram a se preocupar com a conservação do que restou do Cerrado devido, principalmente, à ocupação desordenada e aos sucessivos incêndios.

Biomas Costeiros
A costa brasileira abriga diversos tipos de ecossistemas. Ao longo do litoral, encontram-se manguezais, restingas, dunas, praias, ilhas, costões rochosos, baías, falésias, recifes de corais e outros ambientes ecológicos, todos apresentando diferentes espécies animais e vegetais. Isso se deve, basicamente, às diferenças climáticas, geológicas e de solos da costa brasileira. É também na zona costeira que se localiza a maior faixa de Mata Atlântica. Enfim, o litoral do Brasil possui muitos recursos naturais e ambientais, mas a ocupação desordenada desses espaços vem colocando em risco todos os seus ecossistemas.

Mata Atlântica
É considerada uma das áreas mais ricas em espécies da fauna e da flora mundial. Infelizmente, só restam cerca de 7,3% de sua cobertura florestal original, fator agravado pelo fato de nessa região se localizarem os recursos hídricos (rios) que abastecem cerca de 70% da população brasileira. Na Mata Atlântica existem 1.361 espécies de animais. Possui, ainda, cerca de 20 mil espécies de plantas, das quais oito mil são exclusivas desta floresta. A exploração da Mata Atlântica começou com a chegada dos portugueses ao Brasil, cujo interesse principal era a extração da preciosa madeira do pau-brasil.

Campos sulinos
De maneira genérica, os campos da região Sul do país são chamados de "pampas", denominação que corresponde somente aos tipos de campo encontrados no Rio Grande do Sul. Em outras partes da região encontram-se as matas de araucárias e, também, campos semelhantes à savana. O relevo apresenta topos mais planos, vegetação rala e pobre em espécies, que se torna mais densa e rica nas encostas, com predominância de gramíneas e leguminosas. As queimadas e o uso inadequado do solo na agricultura têm provocado erosão e empobrecimento das terras que fazem parte desse ecossistema.

sábado, 8 de setembro de 2012

Trajetória dos Brics

Nos últimos dois séculos a trajetória dos Brics foi desigual. Suas relações recíprocas nos últimos 50 anos foram laterais, podendo ser considerada uma exceção, a Rússia e a China, pois durante a fase da construção do socialismo em território chinês, as relações se estreitaram. Enquanto que no cenário da economia mundial dos últimos 20 anos, os Brics interagiram pouco, enquanto que entre os países do grupo houve uma maior interação.

Também devemos salientar que existem muitas diferenças entre os Brics . Podemos citar o exemplo da Rússia, Índia e China que são grandes potências militares, e sempre engajados em termos armamentistas. Bem diferente do Brasil, que nunca seguiu essa linha. Já a África do Sul teve um programa nuclear na década de 70, mas desmantelou o programa em 1991, após assinar Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.

Além disso dois membros do Brics, Rússia e China, são membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Enquanto que os outros dois membros, Brasil e Índia, integram as Nações G4, cujo objetivo é ter um lugar permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. A África do Sul foi um membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas entre 2007 e 2008, e gerou polêmica ao votar contra uma resolução criticando o governo de Myanmar em 2006 e contra a aplicação de sanções contra o Zimbabué, em 2008. Os Brics também diferem entre si, em outros quesitos como recursos naturais, graus de industrialização e capacidade de impacto na economia mundial.

Fontes de Pesquisa

O que são os Brics ?


Bric é uma sigla que se refere a Brasil, Rússia, Índia e China, que se destacaram no cenário mundial pelo rápido crescimento das suas economias em desenvolvimento. O acrônimo foi cunhado e proeminentemente usado pelo economista Jim O'Neill, chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs, em 2001.

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, estes países não compõem um bloco econômico, apenas compartilham de uma situação econômica com índices de desenvolvimento e situações econômicas parecidas. Em Dezembro de 2010, a Bric convidou formalmente a África do Sul para se unir ao grupo. O convite foi feito por Yang Jiechi, que ocupa a Presidência rotatória do grupo. E a sigla ganhou um S, para África do Sul

Vulcanismo e Vulcões

Vulcanismo é um fenômeno geológico que ocorre do interior da Terra para a superfície, quando há o extravasamento do magma em forma de lava, além de gases e fumaça. O termo vulcanismo é utilizado para designar uma série de fenômenos e elementos vulcânicos. A ciência que tem como objetivo estudar o fenômeno e também o comportamento dos vulcões é a vulcanologia, sendo que o profissional que a executa é chamado de vulcanólogo.

O processo de vulcanismo é resultado das características de pressão e temperatura contidas no subsolo. Além disso, os vulcões se estabelecem, em geral, em regiões que limitam placas tectônicas, salvo o vulcanismo ligado ao ponto quente, neste caso esse processo pode ocorrer no interior de uma placa.

Nas profundezas da Terra, entre o centro de ferro fundido e a fina camada na superfície, há uma parte de pedra sólida chamada de manto, ainda quente por causa da formação do nosso planeta há cerca de 4.6 bilhões de anos. Como as pedras são grandes isolantes, o calor demora para se dissipar.

Quando as pedras do manto se derretem, elas se transformam em magma, que chega à superfície através da crosta externa da terra, e libera os gases contidos. Quando a pressão é muito forte, vulcões entram em erupção. A pressão aumenta se a quantidade de magma que vai do manto da terra até o vulcão é alta. Por outro lado, a pressão pode aumentar dentro do cone de magma do vulcão. Isso acontece porque quando o magma no cone começa a esfriar, ele libera gases que se expandem, aumentando a pressão. Quando a pressão é muito forte, as rochas que formam o vulcão racham, e o magma escapa pela superfície — é a erupção. Em alguns vulcões, a quantidade de magma que sai da terra é relativamente constante, então as erupções são frequentes. Em outros casos, o magma sobe em bolhas a cada 100 ou até mesmo 1000 anos, por isso as erupções são raras.

Quando ainda é subterrâneo, este manto rochoso é chamado de magma. Assim que atinge a superfície e se derrama pelos lados de um vulcão, passa a se chamar lava. Geralmente, quanto mais quente a lava, mais fluida ela é, e mais rapidamente ela escorre. As lavas havaianas tendem a ser as mais quentes da escala. Quando entram em erupção, elas chegam a 1.175º C.

Os vulcões são responsáveis pela liberação de magmas acima da superfície terrestre e funcionam como válvula de escape para magmas e gases existentes nas camadas inferiores da litosfera. Magmas primários provêm de câmaras magmáticas posicionadas a profundidades da fonte que normalmente oscilam entre os 50 a 100 km, onde ocorrem concentrações de calor, fusões e fluxo de voláteis, condições estas que levam ao aumento da pressão necessária à subida do magma através de condutos, que por sua vez levam à formação dos vulcões.

Saiba mais em http://www.geografia.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=282

Tipos de relevo - Relevos existentes no Brasil

O relevo é o conjunto de formas que modelam a superfície da crosta terrestre. Ele pode ser modificado por terremotos e movimentos tectônicos, pela erosão causada por processos naturais (água da chuva e ventos, entre outros fatores) e ainda pela interferência humana.
Chapadas e tabuleiros têm o topo plano e se formam em rochas sedimentares
Chapadas e tabuleiros têm o topo plano e se formam em rochas sedimentares. Divulgação/Embratur
O relevo também é diretamente afetado por outros aspectos ambientais, como o clima, os tipos de rocha e solo e a cobertura vegetal. No Brasil, ele é constituído predominantemente por planaltos, planícies e depressões, embora outros conjuntos, como serras, chapadas, tabuleiros e patamares, também possam ser observados.
Planaltos
Os planaltos são terrenos relativamente planos e situados em áreas de altitude mais elevada. São limitados, pelo menos de um lado, por superfícies mais baixas. No Brasil, são exemplos o Planalto Central Brasileiro, o Planalto Centro-Sul Mineiro, os planaltos da Região Amazônica e os planaltos da bacia sedimentar do Paraná.
Planícies
As planícies são áreas planas ou suavemente onduladas, formadas pela deposição de sedimentos transportados pela ação da água ou do vento, por exemplo. Em geral, encontram-se em regiões de baixa altitude. Por surgirem da deposição de sedimentos inconsolidados (partículas que não se assentaram) vindos de outros locais, são relevos mais recentes que outros. Entre as planícies brasileiras, destacam-se a do Pantanal mato-grossense, a do rio Amazonas e seus principais afluentes e as encontradas no litoral do país.
Depressões
As depressões são um conjunto de relevos planos ou ondulados que ficam abaixo do nível altimétrico (de altitude) das regiões vizinhas. Exemplos de depressão no Brasil podem ser encontrados na Região Amazônica, como as depressões do Acre e do Amapá. Encontram-se ainda na Região Sudeste, onde sítios urbanos aproveitaram as características favoráveis do relevo para a construção de grandes cidades, como São Paulo e Belo Horizonte.
Serras
As serras constituem relevos acidentados, geralmente em forma de cristas (partes altas, seguidas por saliências) e topos aguçados ou em bordas elevadas de planaltos. A Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira são bons exemplos. As chapadas e os tabuleiros são relevos de topo plano formados em rochas sedimentares, normalmente limitados por bordas com inclinações variadas.
Chapadas
As chapadas estão situadas em altitudes medianas a elevadas. São exemplos no Brasil a Chapada Diamantina, as chapadas dos Guimarães e dos Parecis. Os tabuleiros são encontrados em altitudes relativamente baixas, podendo ocorrer nas faixas costeiras e interiores. No litoral, predominam na Região Nordeste e, no interior, na Região Amazônica.
Patamares
Por fim, os patamares são formas planas ou onduladas que constituem superfícies intermediárias ou degraus entre áreas de relevo mais elevado e áreas mais baixas. São encontrados na Região Nordeste entre as depressões sertanejas e a Serra da Borborema e na bacia sedimentar do Paraná, formando degraus entre níveis diferenciados de planaltos.
Veja detalhes dos relevos existentes no Brasil (arquivo em PDF).
Fonte:
IBGE

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Filmes nas aulas de geografia

Luz, câmera e Geografia!
Ensino Fundamental e Ensino Médio

A dica de Geografia é o artigo Cinema, Geografia e Sala de aula. Neste artigo de autoria de  Rui Ribeiro de Campos  você vai encontrar sugestões de filmes para serem trabalhados em sala de aula de Geografia separados por conteúdos.
  • Fenômenos geológicos e relação com a natureza
  • Colonialismo e Descolonização
  • Rússia e/ou URSS, Revolução Russa e Socialismo
  • Revolução Industrial e o processo de industrialização
  • Relação de poder
  • Relações de trabalho e sindicalismo
  • Apartheid na África do Sul e África em geral
  • Oriente Médio
  • Conflitos na Irlanda do Norte
  • Regimes políticos
  • e mais...
Para acessar o artigo com as sugestões de filmes siga o link http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/estgeo/article/download/216/177

terça-feira, 4 de setembro de 2012

A questão hidrelétrica no Brasil

Confira uma reportagem da Edição Especial de Energia/Junho de 2012 da revista NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL, que traz como a seguinte questão para debate: "Um país que precisa de mais energia elétrica para crescer pode abrir mão da água como sua principal fonte de geração?" Para acessar a matéria siga o link aqui!

Inscreva-se e conheça nosso Canal: