PETS

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

O Brasil na Copa do Mundo de 2010

Depois da preparação excessivamente festiva e o consequente fracasso em 2006, Dunga foi escolhido para ser o treinador do Brasil no ciclo para a Copa de 2010. Tetracampeão em 1994 e com fama de disciplinador, o gaúcho não tinha experiência como técnico, mas conseguiu uma série de resultados positivos antes de embarcar para a África do Sul. Sob o comando de Dunga, a Seleção Brasileira venceu a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações de 2009.

O treinador formou um grupo de jogadores de sua confiança e conseguiu colocar o Brasil mais uma vez como favorito. Tudo deu certo até o segundo tempo das quartas de final. Na primeira fase, o Brasil ganhou da Coreia do Norte e da Costa do Marfim, além de ter empatado com Portugal. Classificado em primeiro do grupo, enfrentou o Chile nas oitavas de final. Resultado: vitória tranquila por 3 x 0.

Contra a Holanda, a Seleção Brasileira fez um primeiro tempo quase perfeito e foi para o intervalo vencendo por 1 x 0, gol de Robinho com passe de Felipe Melo. Ninguém poderia imaginar o que viria no segundo tempo. A Holanda empatou já aos sete minutos. A zaga falhou, o goleiro Julio Cesar saiu mal e a bola, que tinha sido cruzada por Wesley Sneijder, desviou de leve em Felipe Melo antes de entrar.

Desestabilizado, o Brasil se perdeu em campo e viu a Holanda virar. Dessa vez, Kuyt desviou uma cobrança de escanteio e a bola caiu na cabeça do baixinho Sneijder, que só mandou para as redes. A situação ainda piorou quando, descontrolado, Felipe Melo fez falta e deu um pisão em Robben, recebendo o cartão vermelho. Uma melancólica despedida para o Brasil de Todas as Copas.
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul
país sede - África do Sul
campeão - Espanha
vice - Espanha
colocação do Brasil - sexto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 2006

Favorito, palavra mais ouvida pela Seleção Brasileira na chegada ao Mundial da Alemanha, em 2006. Esperança no quarteto fantástico formado por Ronaldinho gaúcho, Kaká, Adriano e Ronaldo. A preparação da Copa é cercada de festa, a comemoração do hexa parecia antecipada. Em campo, um time sem inspiração e mal fisicamente, mais uma vez, tinha a França no meio do caminho. Mais uma vez, o Brasil sai derrotado, por Zidane e pela soberba. Para comemorar, apenas o feito de Ronaldo, com os 3 gols marcados no Mundial, se torna o maior artilheiro das Copas com 15 gols. O Brasil de Todas as Copas vai seguir em busca de mais um título.

Brasil das Copas - Copa de 2006: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha
país sede -Alemanha;
campeão - Itália
vice - França
colocação do Brasil - quinto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 2002

A Copa do Mundo vai pela primeira vez para o continente asiático. O Brasil se classifica no sufoco e mais uma vez chega sob questionamentos. No país o clamor é por Romário, mas o comandante Luiz Felipe Scolari aposta em Ronaldo que se recuperava de uma lesão no joelho. O clima é de incerteza. Mas conforme o time consegue as vitórias, a confiança dos brasileiros na família Scolari aumentam. O mundo conhece mais um craque brasileiro, Ronaldinho gaúcho. Único país a vencer um mundial fora do próprio continente, o Brasil chega à final para um confronto inédito contra a Alemanha. Mas uma vez, o futebo, reserva um final emocionante. Rivaldo questionado pela perda da Copa da França e o Ronaldo que vencia a desconfiança da grave contusão iludem a defesa alemã e tornam real o sonho do Penta. Três finais de Copas seguidas, dois títulos. O mundo volta a se curvar diante dos pés do Brasil de Todas as Copas.

Brasil das Copas - Copa de 2002: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 2002, na Coreia do Sul e Japão
país sede -Coreia do Sul e Japão
campeão - Brasil
vice - Alemanha

O Brasil na Copa do Mundo de 1998

Na Copa da França, em 1998, o Brasil buscava a reafirmação da condição de grande potência do futebol. Para isso, Ronaldo estava lá, com 21 anos e duas vezes o melhor do mundo, um fenômeno. Na primeira fase um susto, a derrota de virada para a Noruega trás uma certa desconfiança sobre o time de Zagallo. Mas o Brasil avança e Ronaldo segue marcando. Chile, Dinamarca e Holanda ficam pelo caminho. Restam apenas os donos da festa, os franceses. Mas o Brasil entra em campo preocupado com a saúde de Ronaldo que teve uma convulsão poucas horas antes do jogo. Assustado e apático, o Brasil de Todas as Copas assiste ao show de Zinedine Zidane. E a seleção fica com o vice-campeonato. Mas Ronaldo ainda teria a chance de colocar o mundo aos seus pés. 

Brasil das Copas - Copa de 1998: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1998, na França
país sede -França;
campeão - França;
vice - Brasil

O Brasil na Copa do Mundo de 1994

Depois do jejum de 24 anos, a Seleção Brasileira chega aos Estados Unidos embaixo de críticas, mas Zagallo, auxiliar técnico de Parreira, já conseguia sonhar com a conquista. Mesmo com otimismo do velho lobo, o Brasil enfrenta um novo questionamento, será que ainda temos o melhor futebol do mundo? A resposta tem 1,68 m de altura, o baixinho Romário. N aprimeira fase ele marca em todas as partidas. contra a Suécia, um belo gol de biquinho. Depois Romário apronta de tudo, dá assistência para o gol de Bebeto contra os Estados Unidos. Faz dois gols decisivos, e até movimentos de um contorcionista no Belo gol de Branco contra a Holanda. Na final, a batalha duríssima, a mesma Itália de 1970. O Brasil enfrenta o calor do verão norte-americano, os fortes jogadores italianos e o cansaço. Sem as magias dos gols nos tempos normais, os brasileiros enfrentam a loteria da disputa de pênaltis. O Tetra do Brasil é também o Tetra de Zagallo. A história do futebol brasileiro em Copas do Mundo, se confunde de vez com a dele. Depois da Copa, mais uma vitória brasileira. Romário é eleito o melhor jogador do mundo. Uma resposta e tanta para quem ainda duvidava do Brasil de Todas as Copas.

Brasil das Copas - Copa de 1994: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos
país sede -Estados Unidos;
campeão - Brasil;
vice - Itália

O Brasil na Copa do Mundo de 1990

O Brasil de Todas as Copas e a obsessão pelo Tetra. 20 anos depois do Tri, o Mundial da Itália era mais uma oportunidade. Era a vez de um time que mesclava jovens jogadores com alguns mais experientes. Mas a equipe tinha problemas. Romário estava machucado, e a cabeça dos jogadores parecia longe do Mundial, de olho nas oportunidades, nas transferências para o futebol europeu. O baixo nível técnico apresentado pelo Brasil na 1ª fase mostrou que era difícil sonhar com o título. Nas oitavas de final contra a Argentina, Maradona inspirado deu um passe genial para Caniggia e o Brasil estava fora. O sonho do Tetra foi adiado. 

Brasil das Copas - Copa de 1990: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1990, na Itália
país sede - Itália;
campeão - Alemanha;
vice - Argentina;
colocação do Brasil - nono lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1986

 Em 1986, a Copa do Mundo volta ao México, por causa da desistência da Colômbia. A Seleção Brasileira sonha em repetir as atuações de 1970, e aposta no comando de Telê Santana, novamente. No Brasil, a esperança está em Zico, que chega ao mundial machucado. Nas quartas de final, um jogo muito difícil contra a França e o Galinho é chamado. Ele entra no segundo tempo e logo no primeiro lance dá um passe para Branco sofrer pênalti. Parece que a fé no futebol de Zico vai fazer diferença. Ele não poderia perder, mas a França tem montanha chamada Bates. E a bola se mostra ingrata, Zico passa em poucos segundos da condição de herói para vilão. Por que justamente com ele, um exímio cobrador de pênaltis, jogador de brilho, craque decisivo? Por que a Copa do Mundo foi tão injusta? A França segue na competição e surge ali um algoz, que iria atormentar novamente o Brasil de Todas as Copas.

Brasil das Copas - Copa de 1986: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1986, no México
país sede - México;
campeão - Argentina;
vice - Alemanha;
colocação do Brasil - quinto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1982

 1982, Copa da Espanha, Copa da festa brasileira. Era assim nas ruas e nos estádios, por onde a Seleção passa, a bandinha vai atrás. Um time cheio de craques: Falcão, Zico, Sócrates, Cerezo. Difícil saber se era música que embalava o time de Telê santana ou se os craques brasileiros é que ditavam o ritmo da banda. Grandes exibições e belíssimos gols. O ponta esquerda Éder estava inspirado. Diante dos italianos, a marcha brasileira para a vitória perde o compasso. Paulo Rossi está endiabrado e o que se ouve é o silêncio de uma derrota inesperada. Mesmo sem a Taça Fifa, o Brasil de Todas as Copas deixa em 1982 um legado, a arte de ser competitivo, mostrando um belo futebol.

Brasil das Copas - Copa de 1982: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1982, na Espanha
país sede - Espanha;
campeão - Itália;
vice - Alemanha;
colocação do Brasil - quinto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1978

 Na Copa de 1978, na Argentina, a Seleção Brasileira tinha craques como Zico, Roberto Dinamite, mas teve que enfrentar problemas físicos e a falta de conjunto. Na primeira fase, o Brasil não tem um grande desempenho, mas consegue a classificação. Na fase semifinal, a Seleção cai no grupo da Argentina e enfrenta uma nação disposta a pagar qualquer preço para avançar na competição. O Brasil vence dois jogos e empata um, mas é eliminado no saldo de gols pelos argentinos. Depois da famosa goleada dos hermanos sobre o Peru por 6 a 0. A decisão do terceiro lugar: vitória sobre a Itália e o Brasil de Todas as Copas volta invicto com o título de campeão moral, dado pelo treinador Cláudio coutinho.

Brasil das Copas - Copa de 1978: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1978, na Argentina
país sede - Argentina;
campeão - Argentina;
vice - Holanda;
colocação do Brasil - terceiro lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1974

Depois de maravilhar o mundo com o futebol incrível em 1970, o Brasil chega ao Mundial da Alemanha, em 1974, sob a condição de favorito. Jairzinho e Rivelino, lideram o grupo em busca de mais um título. Mas a preparação da Seleção não foi a ideal. O time não tem pernas, parece que ficou parado no tempo. Na primeira fase, a classificação vem no sufoco, apenas no saldo de gols. As vitórias sobre a Alemanha Oriental e a rival Argentina, traz a impressão de que o Brasil iria embalar, mas a decolagem não aconteceu. A Seleção Brasileira fica tonta diante da moderna movimentação do carrossel holandês e acaba derrotada por 2 a 0. Atônitos e sem ração, a Seleção Canarinho, que vivia das glórias do passado, estava eliminada. 

Brasil das Copas - Copa de 1974: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1974, na Alemanha
país sede - Alemanha
campeão - Alemanha
vice - Holanda
colocação do Brasil - quarto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1970

 A Seleção Brasileira chega à Copa do México para apagar a péssima campanha de 1966, uma legião de craques, que fez da arte com a bola a principal arma do Brasil. Uma pintura de campanha. Como não lembrar de Jairzinho, o furacão da Copa, único jogador a marcar gols em todas as partidas de um mundial e um deles salvador contra a Inglaterra. Um time que empolgava os mexicanos e os próprios adversários. Seis jogos, seis vitórias. Como não lembrar de Gerson, "o canhotinha de ouro", passes precisos e chutes certeiros. Nada podia deter esse time feito de artistas, até o fantasma uruguaio de 1950 foi exorcisado nas semifinais. Na final, a Itália, se curva diante do talento brasileiro e cai sem reação com o 4º gol. O Brasil de Todas as Copas apaga a decepção da Inglaterra com uma obra de arte completa e traz de vez, a Taça Jules Rimet para o Brasil. Inesquecível!

Brasil das Copas - Copa de 1970: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1970, no México
país sede - México;
campeão - Brasil;
vice - Itália

O Brasil na Copa do Mundo de 1966

Bicampeão do mundo, o Brasil chega à Inglaterra, em 1966, como favorito. Parecia impossível segurar Pelé e Garrincha em campo, mas a marcação implacável do futebol força acabaram barrando o caminho da Seleção. O Brasil até estreia bem, vence a Bulgária por 2 a 0, com gols de Pelé e Garrinha. O gol de Mané foi o último pelo Brasil em Copas do Mundo. A partida contra os búlgaros marcou também a última exibição da dupla Pelé e Garrincha. Nos jogos seguintes, nada de magia, apenas um peso de realidade coberta. Duas derrotas, 3 a 1 para Portugal... ninguém esquece. Pelé foi caçado em campo. O Brasil de Todas as Copas precisava se reinventar para voltar a brilhar.

Brasil das Copas - Copa de 1966: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra
país sede - Inglaterra;
campeão - Inglaterra;
vice - Alemanha;
colocação do Brasil - décimo-primeiro lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1962

Chile 1962, era para ser a Copa do Pelé, quis destino que o melhor jogador brasileiro se machucasse logo na segunda partida. Mas a seleção não tinha só Pelé. Na vaga dele entra o atacante Amarildo, do Botafogo, sinônimo de gols decisivos, dois deles contra a Espanha. Mas foi das penas tortas de Garrincha que surgiram as grandes jogadas pela direita e belos gols. Mané arrebata mais uma vez o coração dos torcedores brasileiros. O Brasil apresenta para o mundo uma nova faceta, a catimba, feita sob medida. O time supera a contusão de Pelé e adversários fortíssimos como a Espanha, a Inglaterra e os donos da casa, os chilenos. Na final contra a Tchecoslováquia, 3 a 1. No último gol, um contra-ataque rápido e mortal. O Brasil de Todas as Copas reina absoluto e imbatível. 

Brasil das Copas - Copa de 1962: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1962, no Chile
país sede - Chile;
campeão - Brasil;
vice - Tchecoeslováquia

O Brasil na Copa do Mundo de 1958

1958: Mundial da Suécia. O futebol brasileiro chega ao auge, pela primeira vez, graças à ousadia de um treinador e o talento de dois jovens jogadores. Vicente Feola desafiou as críticas e levou para a Copa um jovem de 17 anos, além de um jogador de 24 anos que tinha as pernas tortas, mas jogava um futebol desconcertante. Garrincha e Pelé, os dois funcionavam como uma dupla imbatível, era uma magia que faltava para o futebol brasileiro conquistar de vez o mundo. Era o início da trajetória de glória. Vitória sobre a Rússia, Gales, França... até chegar a grande final contra os anfitriões do Mundial. Um jogo que entrou para a história do futebol, com direito a chapéu no meio da área adversária e um gol inesquecível. E no gesto imortal do capitão Bellini, o Brasil de Todas as Copas finalmente chega ao topo do mundo.
Brasil das Copas - Copa de 1958: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1958, na Suécia
país sede - Suécia;
campeão - Brasil;
vice - Suécia

O Brasil na Copa do Mundo de 1954

Quatro anos depois depois da tragédia de 1950 surge um novo Brasil. Sai a camisa branca, entra em campo a amarelinha para o encanto do mundo, apesar de a televisão na época registrar apenas em preto e Branco. Para nós brasileiros, o Mundial na Suiça marca o nascimento da mística em torno da camisa canarinho. Quem olha o gramado e contempla o time de camisa amarela, identifica imediatamente uma equipe vencedora, capaz de atrair a simpatia dos mais diversos países. A amarelinha também assusta adversários. Mas, em 1954, o Brasil foi eliminado pela fortíssima Hungria. A Seleção já tinha jogadores que mais tarde seriam símbolo de uma geração vencedora, como os laterais Nilton Santos e Djalma santos, além do meio-campo Didi. Faltava apenas o título inédito para o Brasil de Todas as Copas pintar uma obra de arte.


Brasil das Copas - Copa de 1954: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1954, na Suiça
país sede - Suíça
campeão - Alemanha
vice - Hungria
colocação do Brasil - sexto lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1950

Com a Europa destruída, o Brasil abre as portas para o mundo celebrar a primeira copa após a Segunda Guerra Mundial. Os brasileiros respiram confiança. A alegria aumenta à medida que a Seleção goleia os adversários. O título parece próximo. Chega o grande dia, o Maracanã, construído especialmente para a Copa, recebe a multidão, calculada em 200 mil torcedores, bastava um empate para o Brasil ser campeão do mundo. No gol de Friaça, a torcida explode de alegria, mas os uruguaios são fortes, e empatam. Nas arquibancadas, o torcedor se divide entre o sofrimento da dúvida e angústia da incerteza. Finalmente, a tragédia é construída com Giggia e o Maracanã silencia. O Brasil de Todas as Copas chora a derrota mais inesperada de sua história.

Brasil das Copas - Copa de 1950: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1950, no Brasil
país sede - Brasil;
campeão - Uruguai;
vice - Brasil

O Brasil na Copa do Mundo de 1938

Em 1938 0 Brasil vai a Copa do Mundo com força total e se junta a 14 seleções na luta pelo título do Mundial da França. O futebol brasileiro começa a mostrar a sua arte na figura de dois jogadores: Leônidas da Silva "O Diamante Negro", marca oito gols e é considerado o melhor jogador da Copa, outro que chama a atenção é Domingos da Guia "O Divino Mestre", com vitórias importantes sobre a Polônia e a Thecoslováquia, o Brasil chega às semifinais, mas tropeça na Itália. Na disputa pelo 3º lugar, o Brasil vence a Suécia por 4 a 2, na melhor colocação da Seleção até então em mundiais.
Brasil das Copas - Copa de 1938: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1938, na França
país sede - França
campeão - Itália
vice - Hungria
colocação do Brasil - terceiro lugar

O Brasil na Copa do Mundo de 1930 e 1934

1930: Depois de muito empenho do francês Jules Rimet para organizar um campeonato de seleções de futebol o Uruguai é escolhido o país sede da 1ª Copa do Mundo. Nas duas primeiras edições o Brasil não foi bem, sequer passou da fase inicial. Brigas internas entre membros das Federações do Rio de Janeiro e de São Paulo, impediram a seleção de levar o melhor time para a Copa. Nosso grande destaque nem jogava pelo Brasil, defendia a Itália. Anfilóquio Guarisi Marques, o Filó foi o primeiro jogador brasileiro campeão do mundo pela Azurra, no Mundial de 34, na Itália. Mas o sonho do título era de toda a nação, o Brasil de Todas as Copas começava a busca pela Taça do Mundo.
Brasil das Copas - Copas de 1930 e 1934: TV Brasil
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1930, no Uruguai
país sede - Uruguai; 
campeão - Uruguai; 
vice - Argentina;
colocação do Brasil - sexto lugar
Cartaz oficial da Copa do Mundo de 1934, na Itália
país sede - Itália; 
campeão - Itália; 
vice - Tchecoeslováquia; 
colocação do Brasil - décimo-quarto lugar

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Divulgação de vagas para designação 2014 - Secretaria de Educação de Minas Gerais

Art. 38 Após aprovação da Secretaria de Estado de Educação, as vagas devem ser divulgadas por meio de Editais afixados na  própria escola, na SRE e em locais públicos previamente definidos, com a antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas do horário previsto para seleção dos candidatos. (Resolução SEE nº2.442, de 07 de novembro de 2013 - Secretaria de Educação de Minas Gerais)


Os candidatos devem entrar em contato com a Superintendência Regional de Ensino vinculada ao município de inscrição para mais informações.

Contatos das Regionais:
Sites das SRE's - Superintendências Regionais de Ensino - Minas Gerais

SRE Metropolitana B -  http://sremetropb.educacao.mg.gov.br/
SRE Conselheiro Lafaiete - http://www.educacao.mg.gov.br/weblaf
SRE São João Del Rei - http://www.educacao.mg.gov.br/websjdr

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

SEE MG: critérios para a designação de servidores nas escolas estaduais em 2014

SEE - Secretaria de Educação de Minas Gerais: critérios para a designação de servidores nas escolas estaduais em 2014

SEÇÃO II
DA DESIGNAÇÃO
Art. 44 Os candidatos à designação para a função pública de Professor de Educação Básica deverão apresentar, no momento da designação, o certificado de participação no
curso de Saúde Vocal conforme definido na Instrução Normativa SEPLAG/SCPMSO nº 001, publicada no “Minas Gerais” de 06/11/2013.
Art. 45 Onde houver necessidade de designação, esta será processada observada a seguinte ordem de prioridade:
I - candidato habilitado, concursado para o município ou SRE e ainda não nomeado, obedecida a ordem de classificação no concurso;
II - candidato habilitado, concursado para outro município ou outra SRE e ainda não nomeado, obedecido o número de pontos obtidos no concurso, promovendo-se o
desempate pela idade maior;
III - professor designado habilitado e servidores designados para outras funções, com vínculo em 31 de dezembro de 2013, que terão renovada a designação na mesma
escola ou na SRE, no caso de ANE/Inspetor Escolar, desde que comprovem, no mínimo, 90 (noventa) dias de efetivo exercício em 2013, na mesma função e componente
curricular, observados o número de vagas existentes e a ordem de classificação na listagem do município de candidatos inscritos em 2013;
IV - candidato habilitado, obedecida a ordem de classificação na listagem geral do município de candidatos inscritos em 2013;
V - candidato habilitado, que não consta da listagem geral do município de candidatos habilitados inscritos em 2013;
VI - candidato não habilitado, obedecida a ordem de classificação na listagem geral do município de candidatos inscritos em 2013.
§ 1º O disposto no inciso III deste artigo somente se aplica após a designação de candidatos concursados e exclusivamente para designações com início até 14 de março
de 2014.
§ 2º O Professor e o Especialista em Educação Básica (Supervisor Pedagógico) designados, que atuaram nos três primeiros anos do Ensino Fundamental do ciclo da alfabetização
em escolas com mais de 30% (trinta por cento) de alunos com baixo desempenho na avaliação censitária divulgada em 2013, perdem a prerrogativa estabelecida
no inciso III deste artigo.
§ 3º O candidato designado na forma prevista no inciso III deste artigo fica obrigado a apresentar, no ato da designação, novo Exame Médico Pré-Admissional, realizado
na Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional – SCPMSO/SEPLAG, caso tenha se afastado para tratamento de saúde por período superior a 15
(quinze) dias, consecutivos ou não, nos últimos 12 (doze) meses.
§ 4º Na hipótese de comparecimento de mais de um candidato na condição a que se refere o inciso V, eles serão classificados utilizando os critérios estabelecidos na Resolução
SEE nº 2.441, de 22 de outubro de 2013.
Art. 46 A condição de prioridade como candidato concursado de que tratam os incisos I e II do artigo anterior somente se aplica aos aprovados em concursos públicos
homologados e que estejam dentro do prazo de validade na data da designação.
Art. 47 A designação será processada diretamente nas escolas, nos dias e horários determinados no edital divulgado na escola, na SRE e em outro local público previamente
definido.
Art. 48 Ao professor habilitado já designado para número de aulas inferior a 16 (dezesseis) devem ser oferecidas as aulas do mesmo componente curricular que surgirem
na escola, até completar o cargo, antes de sua divulgação para designação de outro candidato.
Parágrafo único – O professor de que trata este artigo, se concordar com a complementação de carga horária, obriga-se a ministrar as aulas nos dias e horários já fixados
pela escola.
Art. 49 Respeitada a licitude do acúmulo, o professor habilitado só pode assumir uma segunda designação no mesmo componente curricular, na mesma escola ou em outra
escola, valendo-se da mesma classificação, se no momento da designação não estiver presente outro candidato habilitado, ainda não designado, independentemente do fato
de constar ou não da listagem geral de classificação do município de candidatos inscritos em 2013.
Parágrafo único – A designação de professor não habilitado só ocorrerá se, no momento da designação, não se apresentar candidato habilitado, ainda que não inscrito.
Art. 50 Esgotada a listagem de classificação, ou não comparecendo, no momento da designação, candidato inscrito, poderá ser designado candidato não inscrito que atenda
às exigências e critérios estabelecidos na Resolução SEE nº 2.441, de 22 de outubro de 2013.
Art. 51 O candidato que recusar vaga, que não comparecer ao local definido no Edital para designação ou que comparecer após o início da chamada terá sua classificação
mantida para escolha de vaga ainda não preenchida.
Art. 52 O candidato, depois de aceitar a vaga, deverá, imediatamente, assinar o formulário “Quadro Informativo Cargo/Função Pública - QI”.
§ 1º A chefia imediata poderá dispensar de ofício o candidato que, depois de aceitar a vaga, não comparecer no dia determinado para assumir exercício.
§ 2º O candidato dispensado de ofício pelo motivo previsto no § 1º deste artigo só poderá ser novamente designado em escola estadual do mesmo município, ou, no caso
de ANE/IE em qualquer SRE, após decorrido o prazo de 120 (cento e vinte) dias da dispensa.
Art. 53 Os dados para a designação devem ser registrados em formulário próprio, assinado pelo servidor e chefia imediata e, quando se tratar de servidor de escola, visado
pelo ANE/IE.
§ 1º A data de início da designação deve corresponder ao primeiro dia de exercício do servidor e o término não pode ultrapassar o ano civil.
§ 2º Após assinatura, os formulários devem ser encaminhados, imediatamente, à Diretoria de Pessoal da SRE.
Art. 54 A designação para a função de professor poderá ocorrer para até três componentes curriculares, desde que:
I – seja na mesma escola;
II – tenha a mesma vigência;
III – o candidato seja habilitado a lecionar os componentes curriculares;
IV – o candidato seja autorizado a lecionar os componentes curriculares, exclusivamente quando e onde não existir candidato habilitado.
Parágrafo único - No caso de designação para duas funções públicas de professor regente de aulas, deverá ser observado o limite máximo de três componentes
curriculares.
Art. 55 Todo candidato à designação para função pública deverá submeter-se a exames admissionais, nos termos da Resolução SEPLAG nº 107, publicada no “Minas
Gerais” de 15 de dezembro de 2012.
§ 1º O candidato que tenha se afastado em licença para tratamento de saúde por até 15 dias, no período de 365 dias anteriores à data da assinatura do novo contrato, poderá
apresentar o exame admissional atestado por profissional não pertencente à Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional – SCPMSO/SEPLAG, o qual
substituirá o exame realizado pela referida Superintendência.
§ 2º Caso o candidato tenha se afastado em licença para tratamento de saúde por mais de 15 dias, consecutivos ou não, nos 365 dias anteriores à data da assinatura do novo
contrato, deverá submeter-se a exame admissional na SCPMSO/SEPLAG, na Unidade Central ou nas Unidades Regionais.
§ 3º Ficará dispensado de apresentação de novo exame admissional, para designação no mesmo cargo, o candidato que:
I – não tenha se afastado em LTS por período superior a 15 dias, consecutivos ou não, nos 365 dias anteriores à data da assinatura do novo contrato; e
II – após o primeiro ano de realização do exame admissional, não tenha interrupção da designação, por período superior a 60 dias entre o término do último e o início do
novo contrato.
§ 4º Havendo dúvidas quanto à exatidão e autenticidade do exame médico apresentado nos termos do §1º, a chefia imediata deverá encaminhar o candidato à SCPMSO –
Unidade Central e Regionais, para realização de novos exames.
§ 5º No ato da designação, o candidato a que se refere o §1º deverá apresentar declaração assinada, conforme modelo constante do Anexo I da Resolução SEPLAG nº
107, de 2012.
Art. 56 No ato da designação, o candidato deve apresentar, pessoalmente, as vias originais dos documentos relacionados a seguir, cujas cópias serão arquivadas no Processo
Funcional do servidor depois de conferidas, datadas e assinadas:
I – comprovante de aprovação em concurso vigente para cargo correspondente à função a que concorre;
II – comprovante de habilitação ou qualificação para atuar na função a que concorre, através de Registro Profissional ou Diploma Registrado ou Declaração de Conclusão
de Curso acompanhada de Histórico Escolar, conforme estabelecido nos Anexos II, III, e V da Resolução SEE nº 2.441, de 22 de outubro de 2013;
III – comprovante de formação especializada, conforme especificado no Anexo IV da Resolução SEE nº 2.441 de 22 de outubro de 2013, para Especialista em Educação
Básica e Professor de Educação Básica, candidato a designação em escola especial e Professor de Educação Básica para atuar no Atendimento Educacional Especializado
- AEE;
IV – certidão de tempo de serviço como designado na rede estadual de ensino do Estado de Minas Gerais, no componente curricular ou função pleiteada;
V – documento de identidade;
VI – comprovante(s) de votação da última eleição ou Certidão de Quitação Eleitoral/TRE, informando estar em dia com as obrigações eleitorais;
VII – comprovante de estar em dia com as obrigações militares, para candidato do sexo masculino, dispensada a exigência quando se tratar de cidadão com mais de 45
(quarenta e cinco) anos;
VIII – comprovante de inscrição no PIS/PASEP, quando for o caso;
IX – comprovante de registro no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF;
X – comprovante de exame pré-admissional atestando a aptidão para a função pleiteada, observadas as normas estabelecidas pela Secretaria de Estado de Planejamento e
Gestão na Resolução SEPLAG nº 107, de 2012;
XI – certificado de participação na 1ª etapa do curso Saúde Vocal, disponibilizado na internet, no Canal Minas Saúde ( http://canalminassaude.com.br/vocal/ ), quando se
tratar de designação para Professor de Educação Básica;
XII – declarações, conforme modelos constantes do Anexo VI desta Resolução, devidamente datadas e assinadas pelo candidato:
a) de não estar cumprindo sanção por inidoneidade, aplicada por qualquer órgão público federal, estadual ou municipal;
b) de não ter sido demitido a bem do serviço público;
c) de que não está em afastamento preliminar à aposentadoria ou aposentado em decorrência de invalidez total ou parcial;
d) de que não incorre em nenhuma das hipóteses de impedimento para designação previstas no Decreto nº 45.604, de 18 de maio de 2011.
§ 1º Nenhum candidato poderá ter exercício antes da apresentação da documentação relacionada neste artigo.
§ 2º Não constitui impedimento para a designação a não apresentação de cópias de documentos por candidato que apresente as vias originais.
Art. 57 A autoridade responsável pela designação deverá fornecer o formulário para preenchimento obrigatório de declaração de acúmulo ou não de cargos, funções e proventos.
§ 1º Na hipótese de acúmulo de cargos, funções e proventos, a escola deverá encaminhar à SRE o processo, devidamente instruído, no prazo máximo de cinco dias úteis a  contar do início do exercício do candidato designado .
§ 2º A SRE deverá observar o mesmo prazo para encaminhamento dos processos à Comissão de Acúmulo de Cargos e Funções da Secretaria de Estado de Planejamento  e Gestão/SEPLAG

Quer saber mais?
Confira no site da Imprensa Oficial de Minas Gerais - IOMG a Resolução SEE Nº 2 .442, de 7  de Novembro de 2013 

Resolução Resolução SEE Nº 2 .442, de 7  de Novembro de 2013 - Completa
Página 12
http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/handle/123456789/106903
Página 13
http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/handle/123456789/106904
Página 14
http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/handle/123456789/106905
Página 15
http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/handle/123456789/106906

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Música - Saudosa Maloca, de Adoniran Barbosa


Adoniran Barbosa - Saudosa maloca - YouTube
"Saudosa Maloca é uma composição assinada por Adoniran Barbosa em 1951. A música é considerada a porta de entrada de Adoniran no rol da fama de compositores brasileiros. Na composição, Adoniran mostra mais uma vez sua irreverência e a imaginação, contando novamente com a participação de Matogrosso e Joca, personagens fictícios criados por ele mesmo". (Wikipedia)
Questão de Vestibular - Geografia

UEPB 2009 -
Saudosa maloca
Se o senhor não tá lembrado, dá licença de contar
Ali onde agora está este adifício arto
Era uma casa véia, um palacete assobradado
Foi aqui seu moço que eu, Mato Grosso e o Joca
Construimo nossa maloca
Mais um dia, nóis nem pode se alembrá
Veio os home com as ferramenta e o dono mandô derrubá
Peguemos todas nossas coisas e fumos pro meio da rua
Apreciá a demolição
Que tristeza que nóis sentia, cada tábua que caía
Doía no coração
Matogrosso quis gritar, mas por cima eu falei
Os home ta co’a razão, nóis arranja outro lugar
Só se conformemo quando o Joca falou
Deus dá o frio conforme o cobertor
E hojé nóis pega as paia nas grama do jardim
E pra esquecer nóis cantemos assim:
Saudosa maloca, maloca querida
Dim dim donde nóis passemo dias feliz da nossa vida.
Fonte: CD Reviver Adoniran Barbosa. Som Livre, 2002.

A letra da música de Adoniran Barbosa nos faz refletir, corretamente, que:
I - A segregação residencial no espaço urbano, é conseqüência de um espaço/mercadoria cujos valores de uso e de troca definem as formas de apropriação e de luta pelo direito de morar na cidade.
II - Terras vazias à espera de valorização pela especulação imobiliária são uma das causas de a população de baixa renda não ter acesso à moradia digna.
III - Os favelados resistem a quaisquer tentativas de melhoria habitacional e impedem a implantação de equipamentos urbanos adequados e eficazes que melhorem sua qualidade de vida.
IV - A reforma urbana é um bem necessário, já que poucos têm acesso à infra-estrutura e aos serviços públicos urbanos.
Estão corretas:
a) Apenas as proposições I e II
b) Apenas as proposições I, II e IV
c) Apenas as proposições I e III
d) Apenas as proposições II e III
e) Todas as proposições

Ora Bolas, de Paulo Tatit e Edith Derdyk - Palavra Cantada

Videoclipe da música "Ora Bolas" (Paula Tatit, Edith Derdyk). Palavra Cantada.

Questão de Vestibular - Geografia - Ora Bolas, de Paulo Tatit e Edith Derdyk

UFRGS 2013

Leia a letra da canção, Ora Bolas, de Paulo 
Tatit e Edith Derdyk. 
Oi, oi, oi, 
Olha aquela bola, 
A bola pula bem no pé, 
No pé do menino. 
Esse menino é meu vizinho. 
Onde ele mora? 
Mora lá naquela casa. 
Onde está a casa? 
A casa tá na rua. 
Onde está a rua? 
Tá dentro da cidade. 
Onde está a cidade? 
Tá do lado da floresta. 
Onde é a floresta? 
A floresta é no Brasil. 
Onde está o Brasil? 
Tá na América do Sul, 
No continente Americano cercado de oceano 
E das terras mais distantes, 
De todo o planeta. 
E como que é o planeta? 
O planeta é uma bola, 
Que rebola lá no céu. 
Oi, oi, oi, 
Olha aquela bola. 
TATIT, Paulo. Ora bolas. Canções de brincar. São Paulo: Palavra Cantada, 1996. 1 CD-ROM. 
A canção aborda uma temática importante para compreender a produção do espaço geográfico e essa temática pode ser definida como 
(A) migração intraurbana. 
(B) diferentes níveis de escala geográfica. 
(C) transformações na paisagem natural. 
(D) formação do espaço urbano. 
(E) integração econômica no continente americano. 
Resposta: Letra B

Cidinho & Doca - Rap da Felicidade: Eu Só Quero É Ser Feliz

Que rap é esse? Rap da Felicidade

Cidinho e Doca
“Eu só quero é ser feliz
Andar tranqüilamente
Na favela onde eu nasci
É…
E poder me orgulhar
E ter a consciência
que o pobre tem o seu lugar
Fé em Deus”
Com esta música, “Rap da Felicidade”, Cidinho e Doca, mostravam para o Brasil em 1995, a realidade dos morros cariocas e de outras tantas periferias espalhadas pelo país. É importante destacar que essa música (que é rap e não funk propriamente dito) é considerada por muitos como o “hino dos funkeiros”, estilo que começava a a ganhar força numa vertente denominada de funk consciente, com letras que denuncia a realidade das favelas: da violência e do descaso.
Mais do que denunciar essa realidade alienante, esta música embala o corpo e mexe com a cabeça: faz pensar e querer mudar. As pessoas devem lutar pelo seu lugar. Mobilize a comunidade. O erro é não fazer nada. E ficar refém do medo e da violência.

Rap da Felicidade - Vestibular - Geografia

FECILCAM 2012 - A letra do rap “Eu só quero ser feliz” é uma espécie de mapa social das cidades brasileira. A partir do texto e dos conhecimentos relacionados a essa temática assinale a alternativa INCORRETA.
Eu só quero é ser feliz

“Eu só quero ser feliz,
Andar tranquilamente na favela onde eu nasci, é.
E poder me orgulhar,
E ter consciência que o pobre tem lugar.
Fé em Deus, DJ [...]
Minha cara autoridade, eu não sei o que fazer,
Com tanta violência eu sinto medo de viver.
Pois moro na favela e sou muito desrespeitado,
A tristeza e alegria aqui caminham lado a lado.
Eu faço uma oração para uma santa protetora.
Enquanto os ricos moram numa casa grande e bela,
O pobre é humilhado, esculachado na favela.
Já não aguento mais essa onda de violência.
Só peço a autoridade um pouco mais de
competência [...]
Diversão hoje em dia, não podemos nem pensar.
Pois até lá nos bailes, eles vem humilhar [...]”
(RASTA, J; KÁTIA. Rap da felicidade. In: Tropa de Elite.
Rio de Janeiro: ERMI, 2007).

a) As favelas localizam-se geralmente nas periferias ou locais impróprios para a construção de moradias, com áreas sujeitas à deslizamentos de morros ou sobre cursos de água poluídos, onde se disseminam doenças;
b) As metrópoles são lugares onde as diferenças sociais ficam mais claras, pois a riqueza e a pobreza encontram-se lado a lado e as injustiças sociais aparecem nitidamente na própria paisagem urbana;
c) O problema relatado na letra do rap “Eu só quero ser feliz” é característico apenas dos pequenos centros urbanos, uma vez que o governo federal aplica poucos recursos para construção de moradias;
d) Nas cidades, reproduziu-se a rígida divisão de classes, típica do meio rural, em que uma elite privilegiada convive com a pobreza da maioria da população;
e) O crescimento das cidades no Brasil é marcado por fortes contrastes sociais, dentre eles destacamos os elevados índices de violência urbana, a segregação socioespacial e a falta de moradia.

Resposta: Letra C

domingo, 19 de janeiro de 2014

Map Projection Transitions: projeções cartográficas animadas em 3D

Não existe uma projeção cartográfica perfeita (projeção livre de deformações). Diversas projeções foram utilizadas no Map Projection Transitions. Vale a pena conferir!

Acesse as projeções cartográficas animadas em 3D no site http://www.jasondavies.com/maps/transition/

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

SEE MG divulga lista de classificação de candidatos à designação 2014

Lista de classificação para designação 2014 - SEE - Secretaria de Educação de Minas Gerais

A SEE - Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais divulgou nesta quarta-feira (15/01/2014) a lista de classificação de candidatos à designação para exercício de função pública na rede estadual. A divulgação cumpre o novo cronograma estipulado anteriormente.
A listagem foi divulgada no site www.designaeducacao.mg.gov.br.
O cadastro recebeu quase 840 mil inscrições (838.029) de candidatos interessados a pleitear vagas de designação para a função pública de Professor de Educação Básica, Analista Educacional – Inspetor Escolar, Analista de Educação Básica, entre outras.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Home - Nosso Planeta, Nossa Casa - Um filme de Yann Arthus-Bertrand

Notas da Produção
por Denis Carot, Elzévir Films

HOME - NOSSO PLANETA, NOSSA CASA é, com certeza, um filme com uma mensagem cujo objetivo é aguçar a percepção das pessoas, chamar a nossa atenção para os movimentos tectônicos em andamento e nos incitar a agir. Embora haja uma apego geral das sociedades com relação a questões ecológicas, ações concretas ainda são pequenas e lentas demais, o que constitui, de diversas formas, o que o filme prega: é tarde demais para ser pessimista.

Mas HOME - NOSSO PLANETA, NOSSA CASA é mais do que um documentário com uma mensagem. É um filme grandioso por méritos próprios. Cada tomada é espetacular e mostra a Terra, a nossa Terra, como nós nunca a vimos antes. Cada imagem parece dizer: “Vejam como a Terra é bonita, vejam como nós a estamos destruindo, e, acima de tudo, vejam todas essas maravilhas, as quais ainda podemos preservar.”
Importante!
Home - Nosso Planeta, Nossa Casa - Um filme de Yann Arthus-Bertrand
Sinopse: Em algumas poucas décadas, a humanidade interferiu no equilíbrio estabelecido no planeta há aproximadamente quatro bilhões de anos de evolução. O preço a pagar é alto, mas é tarde demais para ser pessimista. A humanidade tem somente dez anos para reverter essa situação, observar atentamente à extensão da destruição das riquezas da Terra e considerar mudanças em seus padrões de consumo. Ao longo de uma seqüência única através de 54 países, toda filmada dos céus, Yann Arthus-Bertrand divide conosco sua admiração e preocupação com esse filme e finca a pedra fundamental para mostrar que, juntos, precisamos reconstruí-lo.
HOME - NOSSO PLANETA, NOSSA
Home - França 2009
98 minutos
Classificação - Livre
DOCUMENTÁRIO

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

IBGE: Agora é possível conhecer a estimativa populacional brasileira em tempo real!

No instante em que escrevíamos este post, a população brasileira era de 201.968.010 pessoas, mas esse número aumenta, em média, a cada 18 segundos! 
Confira no site do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística  http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html.
IBGE: estimativa populacional brasileira em tempo real!

Exercícios resolvidos de Geografia sobre Regiões Geoeconômicas

1. UERN 2012 - Em 1967, o geógrafo Pedro Pinchas Geiger propôs a divisão regional do Brasil, utilizando como critérios características históricas e econômicas. 
Brasil – Regiões Geoeconômicas
Desta forma, o Brasil poderia ser dividido em três regiões geoeconômicas: Centro-Sul, Nordeste e Amazônia. Analisando essa divisão em comparação com a do IBGE, nota-se que todos os estados do 
A) Nordeste, pela divisão do IBGE, encontram-se em apenas um Complexo Regional. 
B) Sul (IBGE) encontram-se no Complexo Regional Centro- Sul. 
C) Sudeste encontram-se no Complexo Regional do Centro- Sul. 
D) Norte (IBGE) estão localizados no Complexo Regional da Amazônia.

2. UNESP 2009 - Uma forma de regionalizar o Brasil, para avaliar a situação socioeconômica e as relações entre a sociedade e o espaço natural, é dividir o país em três grandes complexos regionais, de acordo com proposta do geógrafo brasileiro Pedro Pinchas Geiger. Observe a figura em que está destacada essa proposta de regionalização. 
(www.educação.uol.com.br) 
Indique a alternativa que apresenta os complexos regionais 1, 2 e 3, respectivamente.
a) Complexo Norte, Nordeste e Centro-Sul
b) Complexo Norte, Centro-Sul e Nordeste. 
d) Complexo Amazônia, Centro-Sul e Nordeste. 
e) Complexo Norte, Centro-Oeste e Nordeste. 

3. FIS 2013.2 - Além da divisão regional brasileira composta por cinco macrorregiões (Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste), existe outra divisão do território nacional que utiliza como critérios os aspectos naturais e, principalmente, socioeconômicos, são as chamadas regiões geoeconômicas do Brasil. 
Com base nas informações das regiões geoeconômicas do Brasil podemos inferir que Estão entre esta regiões: 
A) Norte e Amazônico 
B) Amazônico, Nordeste e Centro-Sul 
D) Amazônico Nordeste e Sul. 
E) N.D.R 

4. UFPE 2002 - Observe atentamente o mapa abaixo e identifique a seguir o que ele representa. 
a) As grandes zonas climáticas do Brasil 
b) As regiões geoeconômicas do Brasil 
c) Os três grandes biomas brasileiros 
d) As mesorregiões naturais do Brasil 
e) Os três grandes escudos brasileiros

5. PUC 2003 - O mapa a seguir diferencia-se da conhecida divisão regional do IBGE para o território brasileiro. Esse novo mapa tem sido cada vez mais utilizado para representar os grandes contrastes entre as diferentes regiões do país.
Leia as afirmativas que se relacionam com os diferentes complexos regionais do país e assinale a alternativa correta: 
I – A Amazônia, em função de sua grande superfície e devido a sua baixa ocupação demográfica, não apresenta áreas de conflitos fundiários. 
II – Há muitas décadas o Nordeste tem se caracterizado como região de grande dinâmica populacional, através de migrações intra-regionais, em especial do sertão para o litoral e como fornecedora de mão-de-obra para outras regiões, com destaque para o Centro-Sul
III – O Centro-Sul, embora também seja palco de graves contrastes sociais, possui a maior concentração do PIB do país, uma vez que aí se encontram os principais pólos industriais e centros financeiros do Brasil. 
A) Apenas I está correta. 
B) Apenas II está correta. 
C) Apenas III está correta. 
D) I e II estão corretas. 
E) II e III estão corretas. 

6. IFSC 2009 - Observe o Mapa das Regiões Geo-Econômicas do Brasil.
Figura 01 – Mapa das Regiões Geo-Econômicas – IBGE Fonte: MOREIRA, João Carlos. Geografia. v. 1. São Paulo: Scipione, 2005. Com base nos seus conhecimentos e com o auxílio do mapa dos Complexos Regionais, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. O mapa indica que as regiões econômicas brasileiras diferem da tradicional divisão macrorregional em cinco Regiões: Norte, Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste
02. Nesta divisão, ganha destaque a dinâmica econômica do Centro-Sul frente às demais regiões brasileiras. 04. A Região Norte tem poucos recursos naturais e destaca-se como pólo industrial, especialmente a capital do estado do Amazonas, Manaus. 
08. Na Região Nordeste, ocorre um fenômeno natural - os longos períodos de seca - na área conhecida como Sertão, que acarreta problemas produtivos, especialmente no setor agrícola, prejudicando o desenvolvimento da região. 
16. No Centro-Sul, a expansão das fronteiras agrícolas levou à incorporação econômica dos estados de Goiás e Mato Grosso do Sul e, ainda, parte dos estados de Mato Grosso e Tocantins. 
32. A atual crise econômica mundial não causará impacto nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, pois estes estão pouco integrados à produção econômica brasileira.

7. UNEMAT 2007 - Em 1967, o geógrafo Pedro Pinchas Gêiser propôs uma nova divisão regional do espaço brasileiro, apresentando três grandes complexos regionais. Esta nova divisão não sucumbiu àquela oficialmente determinada pelo IBGE, mas orientou para uma nova forma de ler e interpretar o território brasileiro, sobretudo no que diz respeito aos aspectos geoeconômicos.
Com base no enunciado e no mapa acima, pode-se AFIRMAR que: 
a. o complexo regional representado pelo número 1 no mapa é o do Grão- Pará, dominado pelo clima equatorial e caracterizado pela baixa densidade demográfica. 
b. o complexo regional representado pelo número 3 é o do Semi-Árido, cuja feição fitogeográfica mais marcante é a da Zona da mata e se caracteriza como área de atração populacional. 
c. o complexo regional representado pelo número 3 é o Centro-Setentrional, dominado por climas de alta latitude e socio-ecomomicamente caracterizado pela existência das duas metrópoles nacionais. 
d. os complexos regionais representados pelos números 1, 2 e 3 representam, respectivamente, a Amazônia, o Centro-Sul e o Nordeste e, entre eles, o segundo é o que apresenta maior concentração demográfica e industrial do país. 
e. os complexos regionais representados pelos números 1, 2 e 3 representam, respectivamente, o Grão-Pará, o Semi- árido e o Centro-Setentrional e, entre eles, o terceiro é o que apresenta menor concentração demográfica e industrial do país

8. PUC RIO 1998 - O mapa representa a divisão do território brasileiro em três grandes regiões ou complexos geoeconômicos. 
Qual(is) texto(s) abaixo apresenta(m) corretamente características dominantes nesses complexos nas últimas décadas? 
I- O Centro-Sul destaca-se como o centro econômico de maior dinamismo, gerando cerca de 80% da renda nacional. Nele estão presentes intensos fluxos de mercadorias, da força de trabalho e de capitais. 
II- O Nordeste individualiza-se pela repulsão populacional e pela disseminação da pobreza. A estrutura fundiária altamente concentrada tem dificultado seu desenvolvimento. 
III- O Complexo Amazônico destaca-se pelo processo de ocupação recente, ligado aos grandes projetos agropecuários e minerais. A construção de rodovias inter-regionais acelera a integração da nova fronteira ao centro nacional dinâmico representado pela Região Sudeste. Assinale: 
(A) se apenas o texto I. 
(B) se apenas o texto II. 
(C) se apenas o texto III. 
(D) se apenas os textos I e II. 
(E) se os textos I, II e III.

9. UNIFENAS 2012 - O mapa a seguir apresenta a proposta de regionalização do Brasil baseada em três grandes complexos regionais ou regiões geoeconômicas.
A regionalização proposta no mapa 
I) adota exclusivamente o critério político-administrativo, e suas fronteiras coincidem com as fronteiras dos estados. 
II) utiliza critérios abrangentes como o processo de formação histórico e econômico do Brasil, associado à modernização brasileira, através de suas atividades produtivas; 
III) desconsidera os limites entre os estados como estratégia de valorização da organização político-administrativa proposta pelo IBGE, em 1969, para a criação da chamada região concentrada. 
IV) engloba uma porção do norte de Minas Gerais no complexo nordestino, tendo em vista suas características semiáridas e o seu baixo dinamismo econômico regional. 
V) inclui o estado do Maranhão, em sua totalidade, no Complexo Amazônico. Estão corretas apenas
a) I e II. 
b) II e IV. 
c) III, IV e V. 
d) IV e V. 
e) I, II, III e IV.

10. UFCG 2009 - O Brasil tem uma rica diversidade cultural que não se manifesta só pelos aspectos físicos e/ou econômicos. Há muito mais, contida nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas, nas festas e em diversos outros aspectos e manifestações, transmitidos oral ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. Essa diversidade, fonte de intercâmbios, de inovação e de criatividade se manifesta nos lugares, na originalidade e na pluralidade de identidades que caracterizam os grupos e as sociedades. (CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z.(orgs.). Introdução à geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. Adaptado). Com base no texto acima, relacione os complexos regionais - Amazônia, Centro-Sul e Nordeste - às músicas que mais se aproximam de suas narrativas e representações identitárias.
(1) Amazônia 
(2) Centro-Sul 

( ) É nessa dança que meu boi balança 
E o povão de fora vem pra cá brincar 
As barrancas de terras caídas 
Faz barrento o nosso rio-mar 
As barrancas de terras caídas 
Faz barrento o nosso rio-mar (...) 
Fez o céu, a mata e a terra 
Uniu os caboclos construiu o amor ... (Tic, tic, tac - Banda Carrapicho) 

( ) Olha os patricio, veja bem quem se ferra 
Pelo amor, já num basta a miséria?
Migalha é anistia, doação pra familia 
Alimento hoje e a morte no outro dia 
Os coxinhas cada veiz mais violentos 
De segunda a segunda, os dias são sangrentos 
A mãe acende vela, reza, faz promessa 
O pai é mais frio, vive em estado de alerta 
Mas vc num se interessa, jão 
Pra onde vai, já foram uma pá de irmão ... (Jão – Dmn) 

( ) Somos a porta do Sol 
Deste país tropical 
Somos a mata verde, a esperança somos o Sol do extremo oriental. (Porta do Sol – Renata Arruda)

( ) E a menina que um dia por acaso veio me dizer 
Que não gostava de meninos tão largados Que tocam reggae e MPB 
Mas isso é coisa tão banal perto da beleza do Planalto Central 
E das pessoas que fazem do Cerrado O habitat quase ideal... (Presente de um beija-flor - Banda Natiruts) 

( ) Meu peito também é sertão 
Em seca e solidão sob o seu braseiro 
Espera o verde, a beleza, 
Nova correnteza em chuvas de janeiro. (Arrebol – Socorro Lira) 

( ) Naquele estradão deserto, 
Uma boiada descia Pras bandas do Araguaia 
Pra fazer a travessia. 
O capataz era um velho 
De muita sabedoria, As ordens eram severas 
E a pionada obedecia. (Travessia do Araguaia – Almir Sáter)

A seqüência CORRETA é: 
a) 1, 2, 3, 2, 2 e 3. 
b) 3, 1, 2, 2, 3 e 1. 
c) 2, 3, 3, 2, 1 e 1. 
d) 1, 2, 3, 2, 3 e 1. 
e) 3, 2, 2, 3, 2 e 1.

11. UERN 2010 - A divisão do território brasileiro em complexos regionais considera os principais aspectos naturais associados à realidade de cada área. Seus limites não são fixos e seus contornos são dinâmicos. Em relação à divisão regional do Brasil em complexos regionais, pode-se afirmar: 
01) A Região Sudeste, a mais dinâmica e diversificada economicamente, é formada pelos estados de Minas Gerais, Espíríto Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. 
02) Os limites do Nordeste, a região mais expropriada, durante a colonização, se estabelecem, no interior, pelo domínio do clima tropical úmido, que abrange, também, o norte do Espírito Santo. 
03) Os limites da Amazônia, cuja ocupação desordenada provoca sérios problemas ambientais, têm seu traçado estabelecido pela área original de cobertura da floresta, incluindo toda a Região Norte, o norte do Mato Grosso e o oeste do Maranhão. 
04) A Região Centro-Oeste, de ocupação recente, em decorrência do agronegócio e da pecuária extensiva, foi beneficiada com parte do Tocantins, por apresentarem características geográficas semelhantes.

12. PUCRS 2001 - A divisão do Brasil em três grandes complexos regionais reflete as diferentes formas de ocupação do espaço pela ação humana ao longo da história brasileira. Em relação a tais espaços, é correto afirmar que 
A) a Amazônia, embora seja o espaço menos povoado, neste início de século, é o que mais expulsa migrantes em direção ao Centro-Sul. 
B) o Centro-Sul é a região mais industrializada e urbanizada, embora a maior parte da população economicamente ativa se encontre no setor primário da economia. 
C) o Nordeste, caracterizado como a região mais rica do país durante três séculos, foi considerada, no século passado, a maior fornecedora de migrantes para o Centro-Sul, devido à pouca perspectiva de oportunidades de trabalho. 
D) mais de 50% da população brasileira se concentra no Centro-Sul, sendo o sul da Bahia a área que apresenta os maiores vazios demográficos da região. 
E) o Centro-Sul e a Amazônia dividem entre si o Estado do Maranhão, sendo que a área ocupada pela Mata de Cocais pertence ao Centro-Sul.

13. FUVEST 1998 - A divisão do território brasileiro em 3 grandes complexos regionais – Amazônia, Nordeste e Centro-Sul – tem a vantagem de caracterizar 
a) a Amazônia, com seus recursos explorados a partir de um planejamento global do Estado. 
b) o Nordeste, como um pólo de atração demográfica, em decorrência do turismo. c) o Centro-Sul, como região socioeconômica de poucos contrastes internos. 
d) a homogeneidade econômica no interior de cada complexo, do ponto de vista agropecuário. 
e) a espacialidade do processo socioeconômico, considerando a gênese histórica de cada complexo.

14. UEL 2001 - "O geógrafo Pedro Pinchas Geiger propôs, em 1967, a divisão regional do Brasil em três regiões geoeconômicas ou complexos regionais (...). Essa divisão regional tem por base as características geoeconômicas e a formação histórico-econômica do Brasil. (...)" (ADAS, M. "Geografia: o Brasil e suas regiões geoeconômicas". São Paulo: Moderna, 1996. p.52 e 67.) Aos complexos regionais da amazônia, do Nordeste e do Centro-Sul, propostos por Geiger, podem-se atribuir, respectivamente, as seguintes caracterizações: 
a) Povoado no período colonial - industrializado - de baixa densidade demográfica. 
b) De agricultura tecnificada - de atração de mão de obra - de predomínio de população rural. 
c) De pequenas propriedades rurais - de industrialização tradicional - de economia extrativa. 
d) De expansão da fronteira agrícola - colonizado através da economia açucareira - o mais industrializado e urbanizado. 
e) De integração dos povos da floresta - de economia agropecuária moderna - de expulsão de mão de obra.

15. IMED 2012 - Além da divisão regional brasileira oficial colocada pelo IBGE, temos outra denominada pelas regiões geoeconômicas ou complexos regionais, proposta em 1967 pelo geógrafo Pedro Pinchas Geiger. Essa regionalização divide o Brasil em: 
b) Amazônia, Centro-Sul e Nordeste
c) Norte e Sul. 
d) Extremo Norte, Nordeste, Centro e Sudeste

16. UFAM 2004 - Quanto à divisão regional brasileira em regiões geoeconômicas, todas as afirmativas são verdadeiras, exceto: 
a) Foi elaborada com base na formação históricaeconômica do Brasil. 
b) Trata-se de uma divisão regional não-oficial. 
c) Os limites não coincidem com os limites dos Estados. 
d) Tem como objetivo o levantamento de dados estatísticos para análise da realidade social e econômica da região. 
e) Foi proposta, em 1967, pelo geógrafo Pedro Pinchas Geiger.

17. UEM 2009 - Sobre os complexos regionais ou regiões geoeconômicas do Brasil, assinale o que for correto. 
01) Os complexos regionais, cujos limites são definidos por critérios político-administrativos, expressam as tendências econômicas e demográficas de apropriação do território. 
02) O complexo regional da Amazônia se define como fronteira de expansão econômica, o que significa dizer que ela é, também, fronteira de expansão demográfica e de exploração de recursos. 
04) O complexo regional do Nordeste se caracteriza pela sua uniformidade interior quanto às condições naturais, ocorrência de secas severas e pela economia, baseada na pecuária extensiva e de corte. 
08) O complexo regional Centro-Sul abriga mais de 60% da população do Brasil e concentra a maior parte dos recursos econômicos. Em contrapartida, apresenta também graves problemas socioambientais, como altas taxas de criminalidade, falta de moradias e poluição. 
16) O complexo regional da Amazônia apresenta os seus limites coincidentes com aqueles da região Norte (divisão regional oficial), cuja unidade é garantida pelos aspectos naturais.


18. UNESP 2005 - A distribuição espacial dos fenômenos geográficos pode ser estudada dentro das cinco regiões administrativas do Brasil ou de suas três regiões geoeconômicas. Sobre as características dessas três regiões geoeconômicas, pode-se afirmar que 
a) as porções setentrionais de Mato Grosso e de Tocantins estão integradas com a região Centro-Sul por causa de suas relações de dependência econômica. 
b) o norte de Minas Gerais, embora com características econômicas e naturais tipicamente nordestinas, permanece ligado com a região Centro-Sul.
c) a porção ocidental do Maranhão afina-se com a região Amazônica, devido suas atividades econômicas extrativistas. 
d) a região Nordeste sempre apresentou traços em comum e se constituiu numa grande região individualizada dentro do território nacional. 
e) a região Centro-Sul quase não apresenta disparidades regionais e pode ser considerada uma região de grande homogeneidade econômica.

19. PUC MG 2005 - Numere nos parênteses as características apresentadas, de acordo com as regiões geoeconômicas brasileiras. 
I – AMAZÔNIA 
II – NORDESTE 
III – CENTRO-SUL 
( ) constitui-se uma "região problema", em virtude dos graves problemas sociais e econômicos, apoiados na política da seca. 
( ) concentra as áreas de economias mais dinâmicas, as regiões mais industrializadas e de atividades agrícolas mais modernas. 
( ) apresenta graves problemas fundiários (questão da terra), ecológicos (desmatamento, queimadas) e sociais, apesar da pequena população absoluta e baixíssima densidade demográfica. 
( ) economia baseada na agropecuária e no extrativismo mineral e vegetal, expande suas atividades industriais mineradoras e possui pólo eletroeletrônico. 
( ) é marcada por acentuados contrastes naturais, dispondo de ambientes úmidos a semi-áridos, que condicionam paisagens típicas. 
( ) dispõe da melhor logística de transporte e integração, que favorece a formação de redes, o adensamento populacional e a urbanização. 
( ) domínio do quadro natural, apresenta-se como fronteira de expansão agropecuária e de povoamento. Assinale a opção CORRETA encontrada. 
a) I – III – III – II – I – II – II 
b) II – III – I – I – II – III – I 
c) II – I – III – I – II – II – I 
d) I – III – I – II – I – III – II

20. UNIOESTE 2010 - Tomando como referência a divisão do Brasil em regiões geoeconômicas ou complexos regionais, assinale a alternativa correta. 
A. Trata-se de uma proposta de estudo do espaço brasileiro com base em cinco grandes unidades territoriais: Amazônia, Nordeste, Centro-Sul, Sudeste e Oeste, individualizadas segundo critérios geográficos e econômicos. 
B. Trata-se de proposta adotada oficialmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, e foi estabelecida para facilitar o levantamento e a divulgação de dados estatísticos para o país. 
C. Conforme essa divisão, o Norte do Estado de Minas Gerais, porção semiárida e de economia deprimida, integra o complexo regional nordestino, sendo que o restante dessa Estado faz parte do complexo regional Centro-Sul. 
D. O complexo regional da Amazônia tem como traço marcante o quadro natural, e abrange o conjunto dos Estados das regiões tradicionalmente definidas como Norte e Centro-Oeste. E. Para definir as macrorregiões geoeconômicas foi utilizado como critério exclusivo o levantamento dos elementos naturais diversificados.

21. UEL 2001 - "O geógrafo Pedro Pinchas Geiger propôs, em 1967, a divisão regional do Brasil em três regiões geoeconômicas ou complexos regionais (...). Essa divisão regional tem por base as características geoeconômicas e a formação histórico-econômica do Brasil. (...)" (ADAS, M. "Geografia: o Brasil e suas regiões geoeconômicas". São Paulo: Moderna, 1996. p.52 e 67.) Aos complexos regionais da amazônia, do Nordeste e do Centro-Sul, propostos por Geiger, podem-se atribuir, respectivamente, as seguintes caracterizações: 
a) Povoado no período colonial - industrializado - de baixa densidade demográfica. 
b) De agricultura tecnificada - de atração de mão de obra - de predomínio de população rural. 
c) De pequenas propriedades rurais - de industrialização tradicional - de economia extrativa. 
d) De expansão da fronteira agrícola - colonizado através da economia açucareira - o mais industrializado e urbanizado. 
e) De integração dos povos da floresta - de economia agropecuária moderna - de expulsão de mão de obra.

22. UEPG 2007 - Com relação ao Centro-Sul, uma das regiões geoeconômicas do Brasil, assinale o que for correto. 
01) Representa a região de ocupação mais antiga do país, sendo que durante três séculos foi a região mais rica e povoada do país, tendo a cana-de-açúcar como a principal riqueza do Brasil Colônia. 
02) As práticas mais modernas da agropecuária encontram-se nessa região, especialmente no interior de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. 
04) É a região mais povoada, urbanizada e industrializada do país, representada pelas importantes áreas industrializadas da Grande São Paulo, Grande Rio de Janeiro, Grande Belo Horizonte e Grande Porto Alegre. 
08) É a maior das três regiões geoeconômicas em extensão, seguida pelo Nordeste e pela Amazônia. 
16) Aí se registram as mais constantes lutas pela posse de terras envolvendo posseiros, indígenas, grileiros, empresas e até o Estado.

23. UERJ 2014
Modernização na agropecuária brasileira
adaptado de tHÉRY, Hervé; Mello, Neli. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: edusp/imprensa oficial, 2008.

No Brasil, o setor agropecuário se caracteriza tanto por áreas que ainda adotam práticas tradicionais como por aquelas em que há forte presença de modernização, como se observa no mapa. Aponte o complexo regional que concentra o uso mais intenso de práticas agropecuárias modernas e a que concentra o uso menos intenso. Em seguida, cite duas características presentes no processo de modernização agropecuária do país.


GABARITO - RESPOSTAS
1. B
2. D
3. B
4. B
5. E
6. 1+ 2+ 8 + 16 = 27
7. D
8. E
9. B
10. D
11. 03
12. C
13. E
14. D
15. B
16. D
17. 2 + 8 = 10
18. C
19. B
20. C
21. D
22. FFVFF
23. Uso mais intenso: Centro-Sul Uso menos intenso: Amazônia Duas das respostas: • irrigação • uso de agrotóxicos • máquinas e tratores • veículos para transporte • local para armazenamento • adubação e correção do solo • controle de erosão e fertilidade do solo • assistência técnica para plantio e cultivo

Inscreva-se e conheça nosso Canal: