sexta-feira, 3 de abril de 2020

Questão - Marque a alternativa que corresponde à quantidade correta de unidades federativas do Brasil.

Marque a alternativa que corresponde à quantidade correta de unidades federativas do Brasil.
a) 26 estados e 1 Distrito Federal
b) 28 estados
c) 25 estados e 1 Distrito Federal
d) 27 estados.

Resposta: Letra A. 
A divisão administrativa do Brasil é formada por 26 estados e 1 Distrito Federal.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Vídeo NOVO: Evolução territorial do Brasil em mapas - Versão 2.0

Trabalho fantástico do historiador Michael Serra.


1534 - Formação das capitanias hereditárias delimitadas pelo Tratado de Tordesilhas.

1555 - Invasão francesa no Rio de Janeiro: França Antártida.

1556 - Criação da Capitania de Itaparica, a partir da Bahia de Todos os Santos.

1566 - Criação da Capitania de Paraguaçu, a partir da Bahia de Todos os Santos.

1567 - Criação da Capitania do Rio de Janeiro, a partir da de São Vicente.

1572 - Divisão das colônias portuguesas em setor norte e sul (Maranhão e Brasil).

1574 - Criação da Capitania da Paraíba, a partir da de Itamaracá.

1575 - Expulsão dos franceses do Rio de Janeiro.

1580 - A coroa portuguesa e espanhola são unificadas: União Ibérica põe fim no Tratado de Tordesilhas.

1590 - Criação da Capitania do Sergipe del-Rei, a partir da Bahia de Todos os Santos.

1593 - Bandeira de Antônio Macedo e Domingos Luís Grau, de São Vicente, atinge o Rio Tocantins.

1599 - As capitanias do Maranhão, Ceará e Rio Grande são unificadas como Capitania do Rio Grande. "Paulistas", em terras de Santo Amaro, exploram a margem esquerda do Rio Tietê.

1602 - Bandeira de Nicolau Barreiro atinge o Rio Paraná, o Rio Paraguai e terras da atual Bolívia.

1607 - Bandeira de Manuel Preto e de Belchior Dias Carneiro exploram o Sul do Brasil.

1611 - Criação da Capitania do Siará a partir da do Rio Grande.

1612 - Invasão francesa no Maranhão, na Capitania do Siará: França Equinocial.

1616 - Expulsão dos franceses. Criação da Capitania do Maranhão e da Capitania do Grão-Pará.

1619 - Extinção da Capitania de São Tomé, incorporada pela Capitania do Rio de Janeiro.

1621 - Criação do Estado do Maranhão, composto pelas Capitanias do Siará, do Maranhão e do Grão-Pará. Criadas também as "sub-capitanias" do Mearim e do Itapicuru, na Capitania do Maranhão. Entradas de Bento Maciel Parente, pelo Rio Xingu, de Francisco de Azevedo, pelos sertões do Turi e do Gurupi, expandem o território do Grão-Pará.

1622 - Entrada de Luiz Aranha de Vasconcelos explora o sul do atual Amapá, ampliando os domínios da Capitania do Grão-Pará.

1624 - Criação da "sub-capitania" do Cumã, na Capitania do Maranhão. A Capitania de São Vicente incorpora a Capitania de Santo Amaro e a Capitania de Santana. Alijada do controle da Capitania de São Vicente, a Condessa do Vimieiro, Mariana de Souza Guerra, estabelece a Capitania de Itanhaém (para ela, a verdadeira Capitania de São Vicente).

1630 - Invasão holandesa na Capitania de Pernambuco.

1632 - Bandeira de Bartholomeu Bueno da Silva desbrava a região do Triângulo Mineiro e margem esquerda do Rio São Francisco. Bandeiras de Raposo Tavares e Manuel Preto conquistam o "Mato Grosso do Sul", destruindo missões espanholas. O Grão-Pará domina a margem direita do Rio Xingu.

1633 - Criação das "sub-capitanias" do Gurupá e do Cametá, na Capitania do Grão-Pará. Bandeira de Raposo Tavares invade a zona costeira do "Rio Grande do Sul".

1634 - Holandeses tomam as capitanias do Rio Grande e da Paraíba. Criação da "sub-capitania" do Caeté, entre o Grão-Pará e o Maranhão. Bandeirantes vicentinos exploram o "Mato Grosso".

1635 - Holandeses invadem a Capitania do Siará.

1637 - Holandeses conquistam a Capitania do Sergipe del-Rei. Criação da "sub-capitania" do Cabo Norte, no Grão-Pará (atual Amapá). A entrada de Pedro Teixeira explora a região amazônica quase que inteira, funda Franciscana na altura do Peru, e declara as terras propriedades do Estado do Maranhão.

1638 - A República do Guairá (atual Oeste Paranaense), composta de espanhóis, jesuítas e índios, é destruída pela Bandeira de Raposo Tavares, e a região é incorporada à São Vicente. Outras missões, ao sul, também são destruídas e incorporadas.

1640 - Fim da União Ibérica (ao menos, por parte dos portugueses).

1641 - Holandeses invadem a Capitania do Maranhão e dominam a costa da região até a foz do Rio Mearim.

1644 - Holandeses são expulsos da costa do Maranhão.

1645 - Criação da "sub-capitania" de Vigia, no Grão-Pará.

1648 - Bandeira de Jacques Félix, que adentrou em "Minas Gerais" em 1946, partindo de Taubaté, toma as regiões nunca exploradas do Espírito Santo e do Rio de Janeiro para a Capitania de Itanhaém. Recriadas as "sub-capitanias" de Cumã, Mearim e Itapicuru, no Maranhão.

1652 - O Estado do Maranhão é dissolvido. Bandeira de Raposo Tavares, que viajara às terras do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bolívia, Peru (chegou ao Pacífico) e Amazônia (foz do Amazonas), retorna a São Paulo e acrescenta a região de Rondônia à São Vicente.

1654 - Holandeses são expulsos do nordeste brasileiro. É formado o Estado do Maranhão e Grão-Pará. São recriadas as capitanias de Pernambuco, Itamaracá e Rio Grande. Paraíba é uma capitania subalterna à Pernambuco e Ceará subalterna ao Maranhão.

1656 - Criação da Capitania de Paranaguá, ao sul do Rio Paranapanema.

1659 - A Capitânia do Ceará (e a região praticamente inexplorada do Piauí) passam para o controle da Capitania de Pernambuco. O Piauí será explorado por Domingos Jorge Velho, em 1671, sob essa gestão.

1665 - Criação da Capitania de Ilha Grande de Joanes, atual Ilha do Marajó, no Grão-Pará.

1674 - Criação da Capitania do Paraíba do Sul, também conhecida como Capitania de Campos dos Goytacazes, atual região norte do Estado do Rio de Janeiro.

1679 - Praticamente toda a Capitania de Itanhaém é incorporada pela de São Vicente. Apenas a cidade originária mantém o "status" de capitania.

1680 - Fundação da Colônia do Sacramento, no Rio da Prata.

1680 - Os espanhóis retomam as terras de Sacramento.

1681 - Tratado de Lisboa: Os portugueses reconquistam Sacramento.

1685 - Criação da "sub-capitania" do Xingu e extinção da "sub-capitania" de Vigia, ambas no Grão-Pará.

1691 - Criação da "sub-capitania" do Icatu, no Maranhão.

1697 - Invasão francesa nas terras da "sub-capitania" do Cabo Norte, que perde a região compreendida entre o Rio Oiapoque e o Rio Araguari.

1701 - A Capitania do Rio Grande perde autonomia e passa a ser controlada pela Capitania de Pernambuco.

1705 - Os espanhóis mais uma vez tomam a Colônia do Sacramento.

1709 - Após a Guerra dos Emboabas, a Capitania de São Vicente engloba a do Paranaguá e se torna a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro (auge da expansão bandeirante, agora paulista).

1713 - I Tratado de Utrecht: O Grão-Pará reconquista o território do norte do Amapá junto aos franceses.

1715 - II Tratado de Utrecht: Colônia do Sacramento é reconquistada pelos portugueses. A Capitania do Maranhão engloba as terras do futuro Estado do Piauí.

1718 - Criação da Capitania do Piauí, no Estado do Maranhão e Grão-Pará.

1720 - A Capitania de São Paulo e Minas de Ouro é dividida em São Paulo e Minas Gerais.

1732 - A Capitania do Paraguaçu é convertida em Capitania do Recôncavo Baiano.

1738 - Criação da Capitania de Santa Catarina, destacada de São Paulo e subordinada diretamente à Capitânia do Rio de Janeiro.

1748 - Criação da Capitania do Mato Grosso e da Capitania de Goiás, de terras antes de São Paulo. A Capitania de São Paulo é extinta, incorporada pela do Rio de Janeiro.

1750 - Tratado de Madrid (primeiro tratado internacional de reconhecimento de fronteiras do Brasil, após o fim da União Ibérica) concede terras ocupadas por portugueses na Amazônia, como também cede os Sete Povos das Missões e terras dos pampas gaúchos ao Brasil. Extinção da Capitania do Paraíba do Sul, incorporada pela do Rio de Janeiro.

1751 - O Estado do Maranhão e Grão-Pará muda de nome. Agora, Estado do Grão-Pará e Maranhão, com transferência de capital para Belém.

1753 - As "sub-capitanias" do Grão-Pará e Maranhão são extintas, com exceção da de Ilha Grande e de Cametá. A Capitania da Paraíba também chega ao fim, incorporada totalmente pela de Pernambuco. As terras da antiga Capitania do Paraíba do Sul passam a fazer parte da do Espírito Santo.

1754 - Extinção das "sub-capitanias" de Ilha Grande e do Cametá. A Capitania de Itamaracá perde a autonomia e passa a ser comandada pela de Pernambuco.

1755 - Criação da Capitania do Rio Negro, no atual Amazonas.

1760 - Criação da Capitania do Rio Grande de São Pedro, atual Rio Grande do Sul, subalterna à Capitania do Rio de Janeiro.

1761 - Tratado de El Pardo: Os portugueses devolvem os Sete Povos das Missões após a Guerra Guaranítica em troca da posse da Colônia do Sacramento e terras ao norte da Amazônia. As capitanias de Ilhéus e de Porto Seguro são extintas, incorporadas à da Bahia.

1762 - Os espanhóis não se importam com o tratado do ano anterior e reconquistam Sacramento.

1763 - Os portugueses investem novamente e retomam a Colônia do Sacramento dos espanhóis. A Capitania de Itamaracá é extinta, absorvida totalmente pela de Pernambuco.

1765 - A Capitania de São Paulo é recriada, obtendo a autonomia perdida para o Rio de Janeiro. A Capitania de Pernambuco avança à nascente do Rio São Francisco e ocupam terras na margem oeste até a altura do Triângulo Mineiro.

1766 - A Capitania do Recôncavo Baiano é extinta, incorporada pela da Bahia.

1772 - O Estado do Grão-Pará e Maranhão é dividido em dois: Estado do Grão-Pará e Rio Negro e Estado do Maranhão e Piauí, com essas respectivas capitanias.

1774 - Ambos os estados recém-criados mudam de nome: Estado do Grão-Pará e Estado do Maranhão. As capitanias perdem autonomia.

1777 - Espanhóis invadem e conquistam, primeiro a ilha da atual Florianópolis, e depois toda a Capitania de Santa Catarina. Tratado de Santo Idelfonso: confirmação das fronteiras do norte e cessão das Missões, dos Pampas e de Sacramento aos Espanhóis, em troca do retorno de Santa Catarina aos portugueses, no ano seguinte.

1778 - Tratado de El Pardo: A Capitania do Rio Grande de São Pedro readquire as terras dos pampas gaúchos, cedidas no ano anterior. A Capitania de Santa Catarina é retornada aos portugueses

1793 - Extinção da Capitania da Ilha de Itaparica, incorporada pela Capitania da Bahia.

1799 - As Capitanias do Ceará, Rio Grande e Paraíba são recriadas ou readquirem a autonomia.

1800 - A Capitania do Espírito Santo perde autonomia e passa a ser comandada pela Capitania da Bahia.

1801 - Tratado de Badajoz: os franceses adquirem o território do atual Amapá até o Rio Araguari.

1804 - A Capitania do Rio Grande de São Pedro incorpora, de vez, as terras das Missões e áreas ao sul até o Rio Uruguai.

1807 - A Capitania do Rio Grande de São Pedro se torna a Capitania do Rio Grande do Sul e controla também a Capitania de Santa Catarina. A Capitania do Rio Grande se torna a Capitania do Rio Grande do Norte.

1808 - O Grão-Pará reincorpora territórios no Amapá até o Rio Oiapoque e a área norte de Goiás se torna a Capitania de São João das Duas Barras.

1809 - O Brasil invade a Guiana Francesa e estabelece a Colônia de Caiena e Guiana.

1810 - A Capitania do Espírito Santo recupera a autonomia perdida para a da Bahia.

1811 - O Estado do Maranhão é dissolvido e as Capitanias do Maranhão e Piauí recuperam autonomia.

1814 - A Capitania de São João das Duas Barras é extinta e reincorporada à Goiás (e Grão-Pará e Mato Grosso).

1816 - Goiás perde áreas que são incorporadas pelo Mato Grosso e por Minas Gerais (Triângulo Mineiro).

1817 - Tratado de Viena: O Brasil devolve Caiena aos franceses. Criação da Capitania de Alagoas a partir de terras de Pernambuco.

1820 - A Capitania de Sergipe é criada a partir de terras da Bahia.

1821 - O Brasil incorpora a Cisplatina, ao sul. O Estado do Grão-Pará é dissolvido, tornando-se uma única entidade. Santa Catarina obtém a autonomia do Rio Grande do Sul.

1821 - Por um breve período, é proclamada a Capitania de São João da Palma, na área do atual Tocantins e adjacências. Todas as capitanias se toram províncias.

1822 - São João da Palma é extinta e a área é incorporada por Goiás (Grão-Pará e Mato Grosso também).

1824 - Após a revolta da Confederação do Equador, Pernambuco é punido com a perda dos territórios da margem oeste do Rio São Francisco para a Província de Minas Gerais.

1827 - A Província da Bahia incorpora boa parte dos territórios da margem oeste do Rio São Francisco (futura Comarca do São Francisco).

1828 - Tratado do Rio de Janeiro: A Província Cisplatina obtém a independência como República Oriental do Uruguai.

1832 - A Província do Rio de Janeiro obtém, do Espírito Santo, a região norte do atual estado carioca.

1834 - Criação do Município Neutro do Rio de Janeiro, dentro da Província do Rio de Janeiro.

1836 - Revolução Farroupilha, o Rio Grande do Sul se proclama independente.

1839 - República Juliana, Santa Catarina se proclama independente.

1839 - Santa Catarina é reincorporada pelo Brasil como uma província.

1840 - Rio Grande do Sul é reincorporado pelo Brasil como uma província.

1850 - A Província do Grão-Pará se reparte em Província do Amazonas e Província do Pará.

1853 - A Província do Paraná é criada ao sul da Província de São Paulo.

1857 - A região de Minas do Norte e do Vale do Jequitinhonha, antes baianas, são incorporadas pela Província de Minas Gerais.

1867 - Tratado de Ayacucho: Brasil reconhece o Acre como terra boliviana e em troca recebe o sudoeste do Amazonas e áreas fronteiriças no Mato Grosso. Sobre o Oeste Catarinense: constam mapas como sendo terra paranaense até 1866 e catarinense já em 1878. Na verdade, a região se encontrava em litígio, cada estado considerava seu (até a Argentina reivindicava o local), até o fim da Guerra do Contestado, em 1916.

1870 - Com o fim da Guerra do Paraguai, o Brasil incorpora o Itatim paraguaio, no atual Mato Grosso do Sul.

1886 - O Brasil perde a zona norte do atual Amapá com a proclamação da República de Cunani.

1887 - O Brasil recupera a zona norte do atual Amapá.

1889 - O Município Neutro do Rio de Janeiro se torna o Distrito Federal com a proclamação da República do Brasil.

1895 - A França invade a área norte do atual Amapá para por fim a República de Cunani. A arbitragem norte-americana decide que a região do Contestado Catarinense é Brasileira (desde a queda de Guairá, sempre foi, apesar do litígio).

1900 - Arbitragem suíça decide que a área norte do atual Amapá é brasileira.

1903 - O Acre é incorporado pelo Brasil como um território federal.

1943 - Por causa da Segunda Guerra Mundial são criados os territórios do Amapá, Rio Branco (atual Roraima), Guaporé (atual Rondônia), Ponta Porã (sul do Mato Grosso) e Iguaçu (Oeste do Paraná e Santa Catarina).

1946 - Os territórios de Ponta Porã e Iguaçu são extintos, reincorporado aos estados de origem.

1956 - O Território do Guaporé se torna o Território de Rondônia.

1960 - Criação do atual Distrito Federal. O antigo se torna o Estado da Guanabara.

1962 - Acre e Amapá deixam a condição de territórios e se tornam estados. O Território de Rio Branco se torna o Território de Roraima.

1975 - O Estado da Guanabara é extinto e incorporado pelo Estado do Rio de Janeiro (lei aprovada em 1974).

1979 - Criação do Estado do Mato Grosso do Sul a partir do Mato Grosso (lei aprovada em 1977).

1981 - O Território de Rondônia se torna o Estado de Rondônia.

1988 - O Território de Roraima se torna o Estado de Roraima. Criado o Estado do Tocantins.


CONSIDERAÇÕES PARA VERSÕES FUTURAS

Ainda é preciso melhorar e detalhar mudanças de fronteiras entre São Paulo e Rio de Janeiro (Angra dos Reis e Parati já pertenceram a São Paulo), São Paulo e Minas Gerais (parte do Sul Mineiro foi paulista entre o século XIX e XX), Minas Gerais e Espírito Santo (também Bahia, houve até confronto militar), Piauí e Ceará/Pernambuco.

A expansão do Mato Grosso, no século XVI, ainda está grosseira e com poucas referências.

Também gostaria de fazer uma versão com o novo conceito das primeiras Capitanias Hereditárias: o entendimento mais reconhecido atualmente no meio acadêmico prevê capitanias no sentido norte-sul nas terras do Nordeste.

FONTE: Panmythica.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Avaliações Bimestrais - 9º ano - Geografia: Território e Sociedade

Confira o acervo para download de Propostas de acompanhamento da aprendizagem do livro Geografia: Território e Sociedade , da Editora Saraiva, para o nono ano do Ensino Fundamental. Essas avaliações encontram-se disponíveis para baixar no site da editora. Os arquivos encontrados na internet foram organizados por bimestres.
Geografia: Território e Sociedade - 9º ANO

Avaliações Bimestrais - 8º ano - Geografia: Território e Sociedade

Confira o acervo para download de Propostas de acompanhamento da aprendizagem do livro Geografia: Território e Sociedade , da Editora Saraiva, para o oitavo ano do Ensino Fundamental. Essas avaliações encontram-se disponíveis para baixar no site da editora. Os arquivos encontrados na internet foram organizados por bimestres.
Geografia: Território e Sociedade - 8º ANO

Avaliações Bimestrais - 7º ano - Geografia: Território e Sociedade

Confira o acervo para download de Propostas de acompanhamento da aprendizagem do livro Geografia: Território e Sociedade , da Editora Saraiva, para o sétimo ano do Ensino Fundamental. Essas avaliações encontram-se disponíveis para baixar no site da editora. Os arquivos encontrados na internet foram organizados por bimestres.
Geografia: Território e Sociedade - 7º ANO