PESQUISAR ESTE BLOG

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Questão de Geografia - FUVEST 2020 - China contra-ataca tarifas americanas com uma das armas que mais irritam Trump

FUVEST 2020 - China contra-ataca tarifas americanas com uma das armas que mais irritam Trump

O Banco Central da China, no dia 5 de agosto de 2019, permitiu que o yuan, moeda oficial do país, ultrapassasse pela primeira vez uma barreira de onze anos na relação com o dólar americano. A cotação do yuan ficou acima de 7 para 1, num claro contra-ataque de Pequim às novas tarifas anunciadas pelo presidente Trump sobre US$ 300 bilhões em produtos chineses. 
O mercado teme que a medida provoque ainda mais a ira do presidente Trump, que acusa Pequim de desvalorizar artificialmente sua moeda para impulsionar as exportações. 
“Devido ao unilateralismo, ao _______(I)_____ comercial e às tarifas impostas à China, o yuan se depreciou em relação ao dólar americano, quebrando a barreira dos 7 para 1”, diz nota do Banco Central chinês. Disponível em https://www.gazetadopovo.com.br/
Considerando o excerto e o gráfico, responda: 
a) A palavra omitida no texto é um conceito que caracteriza a posição dos EUA ao tarifar os produtos chineses. Qual é esse conceito? Responda na folha de respostas. 
b) Utilizando elementos do gráfico, caracterize a relação comercial entre os EUA e a China. 
c) Explique como a desvalorização cambial do Yuan influencia a balança comercial entre esses países.

RESPOSTA:
a) A palavra omitida no texto é “protecionismo”, conceito vinculado a medidas econômicas realizadas por Estados nacionais na tentativa de aumentar as exportações e reduzir as importações. Em outras palavras, corresponde a uma série de ações que favorecem as atividades econômicas internas, dificultando ao máximo a importação de produtos, reduzindo, assim, a concorrência dos produtos nacionais com os estrangeiros. 

b) A relação comercial entre EUA e China apresenta crescente déficit comercial para a economia estadunidense desde o início da década de 1990. Essa situação se torna mais aguda a partir de 2001, quando a China entrou na Organização Mundial do Comércio (OMC), cedendo a algumas exigências estabelecidas pela organização, como maior combate à pirataria e preservação dos direitos intelectuais. Em contrapartida, vários mercados, incluindo o norte-americano, reduziram estas restrições aos produtos chineses, medida que colaborou para a crescente exportação do país asiático. Os dados do gráfico demonstram que, nos últimos anos, esse déficit comercial supera os US$ 300 bilhões ao ano, o que causa grandes impactos para a balança comercial estadunidense. 

c) A desvalorização cambial da moeda chinesa (yuan) é um dos fatores econômicos que mais contribuem para a redução nos valores finais dos produtos fabricados na China. Ao mesmo tempo, os produtos norte-americanos, produzidos numa economia cuja moeda vale aproximadamente 7 vezes mais que o yuan, tornam-se excessivamente mais caros dentro da economia desse país asiático. Assim, os produtos chineses são altamente consumidos no mercado norte-americano, não ocorrendo o mesmo em relação aos produtos “made in USA” dentro do mercado chinês.

Nenhum comentário:

Qualquer valor...

Faça Uma Doação para o Blog de Geografia

Você gosta das postagens do blog e gostaria de ajudar: Ajude o blog "Blog  de Geografia" a manter seu trabalho. Para isso conto co...