sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Exercícios de História sobre as Jornadas de Junho de 2013 - com gabarito

Questão 01 - UNESP - 2013 - Em dia de maior mobilização, protestos levam mais de 1 milhão de pessoas às ruas no Brasil Mais de 1 milhão de pessoas participaram de protestos em várias cidades do Brasil nesta quinta-feira [20.06.2013]. Os protestos ocorreram em várias capitais e centenas de cidades nas cinco regiões do país. Ao todo, 388 cidades tiveram manifestações, incluindo 22 capitais. (http://noticias.uol.com.br. Adaptado.)
Os protestos que tomaram as ruas do Brasil durante o mês de junho de 2013 foram originalmente motivados por problema que aflige grande parte da população que vive nas grandes cidades do país, a saber,
(A) o aumento do desemprego e a precarização do trabalho.
(B) o alto custo e a má qualidade do sistema público de saúde.
(C) o aumento da violência urbana e o alto custo da segurança pública.
(D) a falta de vagas na educação básica e a precarização do sistema público de ensino.
(E) o alto custo e a má qualidade do sistema público de transporte.

Questão 02 - FUVEST 2018 - Transferência – 1ª Fase - As chamadas “Jornadas de Junho”, ocorridas no Brasil em 2013,
a) explicitaram a crise política e o enfraquecimento do chamado presidencialismo de coalizão.
b) foram dirigidas pelos grupos de extrema esquerda e por setores marginalizados da sociedade brasileira.
c) propunham uma ampla reforma política e social por meio do estabelecimento de uma Assembleia Constituinte.
d) foram a expressão de setores políticos preocupados em garantir os avanços sociais estabelecidos pela Constituição de 1988.
e) reforçaram a importância dos partidos políticos para a resolução dos problemas sociais brasileiros.

Questão 03 - UFPR 2014 - Vemos abaixo duas das inúmeras apropriações dos símbolos nacionais brasileiros durante as manifestações de junho de 2013 em várias cidades do país.

Sobre os símbolos nacionais e suas apropriações, considere as afirmativas abaixo:
1. Os símbolos nacionais, como o hino nacional e a bandeira, foram criados em consonância com os anseios populares presentes nos períodos tanto da independência quanto da proclamação da república e da república velha, o que explica sua intensa utilização em manifestações populares até os dias atuais.
2. Na figura B, a modificação do lema original da bandeira, “Ordem e Progresso”, de inspiração positivista, para o lema “Em progresso” demonstra a vontade de mudança política e social expressa nas manifestações, a partir de uma iniciativa popular. 
3. As apropriações de símbolos nacionais ajudaram a aglutinar forças sociais de diferentes extratos sociais, em especial das classes médias urbanas, nas manifestações de rua e nas redes sociais, em um amplo questionamento das ações do Estado, dos partidos políticos e das condições de vida atuais. 
4. Os símbolos nacionais tiveram variados sentidos durante as manifestações de junho de 2013 – do apartidarismo, que reivindicava a união do povo em prol de mudanças sociais e políticas, até o antipartidarismo, que se voltou contra partidos em geral e partidos de esquerda em particular. 
Assinale a alternativa correta. 
a) Somente as afirmativas 2, 3 e 4 são verdadeiras. 
b) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. 
c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. 
d) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. 
e) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras.

Questão 04 - Unilavras - 2018 - Prefeitura de Bom Despacho - MG - Gestor Público Municipal - História -
“Faz quatro anos que o país foi convulsionado pelos protestos que se passou a chamar, de um modo um tanto pomposo, de Jornadas de Junho. Conforme eles avultavam ao redor de uma classe política atônita, os comentaristas saudavam com assombrada reverência o que parecia uma nova Queda da Bastilha. Imaginou-se uma insurreição da cidadania, mas não uma onda passageira. Talvez seja essa ingenuidade que faça aquele momento parecer já tão antigo, depois que fomos atropelados pelo que viria: reeleição, recessão, Operação Lava Jato, impeachment, governo Temer. Bem menos que uma revolução, a Revolta do Vinagre (manifestantes usavam a substância na crença de que ela reduziria os efeitos do gás lacrimogêneo), foi um prenúncio, insólito como raio em céu azul naquele 2013 em que a inflação ficou abaixo de 6% e a economia crescia a 3%. (...) As manifestações [...] seguiram um padrão internacional determinado pela mobilização por meio das redes sociais, e não é fortuito que também sejam chamadas de Primavera Brasileira. (...)” (Folha de São Paulo, 18/06/2017, p. 2 Ilustríssima. V de Vinagre. Otávio Frias Filho)
Com base no texto e na conjuntura na qual as manifestações de junho de 2013 se inscreviam, pode-se afirmar que
A) as chamadas Jornadas de Junho ocorridas no Brasil se inserem numa gama de manifestações populares que, por diferentes motivos, sob diferentes formas e com diferentes alcances e resultados, espalharam-se pelo mundo, a exemplo da Primavera Árabe, Occupy Wall Street e Los Indignados, ocorridos, respectivamente, nas regiões do Oriente Médio e Norte da África, Estados Unidos e Espanha.
B) foram movimentos que se originaram, exclusivamente, do descontentamento da população brasileira frente à Reforma Trabalhista e da Previdência, levadas a cabo pelo governo da época.
C) pela atuação dos chamados Black Blocks, idealizadores dos protestos, conseguiram mobilizar manifestantes em todo o país, sobretudo pelo recurso às redes sociais, importante ferramenta para a comunicação e divulgação de ideias, cujo uso por parte dos movimentos sociais tem se mostrado frutífero.
D) a matéria recebeu o título V de Vinagre numa clara alusão à utilização do vinagre para a fabricação de materiais como bombas e coquetéis molotovs que, inclusive, ensejaram a prisão de manifestantes que detinham o produto durante os protestos.

Questão 05 - UFT 2018.1 - Transferência - As Jornadas de Junho, de 2013, foram manifestações cidadãs que ocorreram no sistema político brasileiro atual, posteriormente assumidas como movimentos políticos e ideológicos que atuaram no impeachment de Dilma Roussef, em 2016. Na organização inicial dessas jornadas, estava o:
(A) Movimento do Sem Terra.
(B) Movimento Passe Livre.
(C) Movimento pela Anistia.
(D) Movimento dos Sem teto de São Paulo.
(E) Movimento Brasil Livre.

Questão 06  - FUVEST 2017 - Transferência – 

Como se pode observar na manchete, a proposta do transporte urbano coletivo gratuito na cidade de São Paulo não é nova. A manchete refere-se a um projeto que não chegou a ser votado pela Câmara Municipal à época citada. Mas, nos últimos anos, essa discussão voltou à tona pelo Movimento Passe Livre (MPL). O atual prefeito afirma que não tem “...como bancar a gratuidade total dos ônibus”. Constitui reivindicação do MPL:
a) a gratuidade das tarifas dos ônibus e dos demais transportes coletivos para idosos e estudantes, com custos a serem compartilhados com outros segmentos da sociedade.
b) a igualdade social não só nos transportes públicos mas também nos privados, com recursos a serem obtidos por meio do aumento na arrecadação de impostos e multas.
c) um transporte público de qualidade, gratuito para o conjunto da população, com recursos a serem obtidos por meio do aumento na arrecadação de impostos progressivos.
d) a garantia da democracia institucional e da implementação gradual do transporte gratuito, com recursos a serem obtidos por créditos internacionais.
e) a livre circulação de pessoas e mercadorias nas áreas urbanas, com recursos a serem obtidos das tarifas dos pedágios presentes nas estradas do entorno da cidade.

Atenção! O texto a seguir servirá de referência para as questões 07 e 08. 
Em Meados de 2013, diante do evento esportivo mundial denominado “Copa das Confederações”, realizado no “País do Futebol”, eclodiram inumeráveis manifestações populares. Pessoas de diversas localidades ocuparam as ruas das cidades. Esses eventos ficaram conhecidos por “Jornadas de Junho”. [...] As Jornadas de Junho no Brasil podem ser vistas como um desdobramento de um sentimento maior, em nível mundial, que teve seus prelúdios em 2011, com a eclosão simultânea e contagiosa de movimentos sociais e manifestações de protestos com reivindicações particulares em várias regiões do planeta, mas com formas de luta muito assemelhadas e consciência de solidariedade mútua. [...] As Jornadas de Junho foram plurais, assim como múltiplos foram os atores em cena. Não foram movimentos hegemônicos. Nem mesmo quando se observam ações ocorridas na mesma cidade e no mesmo momento de concretização. Historicamente, o povo brasileiro foi sistematicamente alvo de tentativa de exclusão da ação na vida republicana, seja pelo uso da força seja por uma cultura política assistencialista e da dádiva. A historicidade das relações de poder no Brasil seriam a expressão exemplar do ressentimento social. Por outro lado, constrói-se um modelo de democracia que não é capaz de construir os espaços da escuta e da fala. Colônia, Império e República, em cada tempo histórico, o Brasil construiu seus ressentidos. Alimentou-os. [...] Mais do que “reivindicar a voz daqueles que são obrigados a sofrer calados”, é necessário construir uma via de emancipação e autonomia política.
(Texto adaptado de COTTA, Francis Albert. Vozes das Ruas: Ressentimentos Sociais e Manifestações Populares em Junho de 2013. Belo Horizonte: Edições Superiores, 2017, p. 23-30 e 161- 163).

Questão 07 - FUMARC - 2018 - SEE-MG - Professor de Educação Básica - História -
O autor compara as Jornadas de Junho com outros movimentos que eclodiram no planeta a partir de 2008, com modus operandi semelhantes. Tais movimentos:
(A) Constituíram de protestos com reivindicações particulares em várias regiões do planeta, mas com formas de luta muito assemelhadas e consciência de solidariedade mútua.
(B) Empreenderam ocupações de praças e fizeram uso de redes de comunicação, de panfletos e redes sociais, inaugurando um novíssimo espaço institucional para reivindicações e lutas.
(C) Estabeleceram novos pactos sociais a partir do surgimento de novos grupos que compõem a chamada nova classe média, portanto, sem incluir nem a classe alta nem os pobres.
(D) Mostraram preocupação com uma organização horizontal e debates livres e abertos na seleção das pautas e da ação, que tornaram o movimento e as estratégias centralizadas e sistemáticas.
(E) Tiveram como pano de fundo a crise social, econômica e financeira que se arrasta desde 2008, sem discussão mais profunda sobre ideologia e transformação de modelos políticos.

Questão 08 - FUMARC - 2018 - SEE-MG - Professor de Educação Básica - História -
Na explicação das Jornadas de Junho como movimentos plurais, é CORRETO afirmar:
(A) A categorização é de movimentos de caráter essencialmente social, cujas reivindicações são insatisfações com os valores da sociedade, não envolvem, portanto, outras instâncias tradicionais de manifestações, como economia e política.
(B) A formação da pluralidade das reivindicações que se viu nas ruas se vincula essencialmente ao impacto das redes sociais na formação política da sociedade, que substitui claramente a política e a escola nesse processo.
(C) A pluralidade mostrada nas ruas reflete o atual impasse da democracia, principalmente com os avanços da própria democratização, e a fragmentação partidária tem levado grupos com diferentes demandas às ruas.
(D) As diferentes pautas se relacionavam à distinção da ideia de povo, dividido em duas categorias: o povão, que só defende as políticas sociais, e os setores da classe média, insatisfeitos com tais políticas.
(E) As Jornadas confirmam que, com o enfraquecimento dos grupos políticos tradicionais, tais como os sindicatos, partidos e movimentos sociais, o povo tem preferido se representar diretamente na política.

Questão 09 - CESGRANRIO - 2014 - IBGE - Agente de Pesquisas e Mapeamento -
Apesar de tudo, o cidadão comum é o Brasileiro do Ano de 2013. Gente que luta pela existência sem reivindicar medalhas de herói. O ano de 2013 foi um daqueles períodos preciosos em que o homem comum resolveu obrigar todo mundo a ouvir sua voz e tornou-se protagonista. A indignação contra o aumento das passagens e a revolta contra a violência policial foram os estopins. Diferentes gerações assumiram então a condição de manifestantes, exigindo transporte barato, serviços públicos decentes, justiça e direito à livre expressão. IstoÉ, ano 37, n. 2298, 04 dez. 2013, p. 57. Adaptado.
As manifestações mencionadas no texto, ocorridas em várias capitais brasileiras, se referem ao conjunto de protestos de rua denominado
(A) Passeata dos cem mil
(B) Diretas já!
(C) Jornadas de junho
(D) Caras pintadas
(E) Primavera árabe

Questão 10 - UNIFOR 2014.1 - A partir de junho de 2013, ocorreram no Brasil várias manifestações populares, espalhadas por todo o país, que, após o início pacífico, caracterizaram-se pelo emprego de violência e ações de destruição do patrimônio privado e público.
Acerca dessas manifestações, assinale a alternativa CORRETA.
(A) A razão inicial dos protestos foi o volume de engarrafamentos de trânsito nos grandes centros urbanos brasileiros decorrente do aumento do número de ônibus urbanos.
(B) O emprego de redes sociais, como Facebook e Twitter, teve reduzida influência na organização das manifestações populares de junho. (C) Surgidas inicialmente para protestar contra os aumentos das tarifas de transporte coletivo nas grandes cidades brasileiras, as manifestações também foram contra os gastos públicos em grandes eventos esportivos internacionais e a corrupção política em geral.
(D) Black bloc é a denominação dada às unidades policiais, cujos uniformes são da cor preta, empregadas para controlar a violência dos manifestantes mais exaltados.
(E) A forma de surgimento e organização das manifestações noBrasil não tem semelhança com protestos ocorridos em outros países, tais como a Primavera Árabe, no mundo árabe, Occupy Wall St, nos Estados Unidos, e Los Indignados, na Espanha.

GABARITO
01 - E
02 - A
03 - A
04 - A
05 - B
06 - C
07 - A
08 - C
09 - C
10 - C

Nenhum comentário: