sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Revolução Industrial

A Revolução Industrial é o processo de transformação da economia agrária, baseada no trabalho manual, em outra, dominada pela indústria mecanizada, que se caracteriza pelo uso de novas fontes de energia e de máquinas, pela especialização do trabalho, pelo desenvolvimento do transporte e da comunicação e pela aplicação da ciência na indústria.

Ela tem início por volta de 1860, na Inglaterra que dispõe de capital acumulado em razão da expansão comercial, da supremacia naval e das jazidas de ferro e carvão. Provoca mudanças profundas na sociedade: a terra deixa de ser a principal fonte de riqueza; a produção em larga escala gera um excedente que, com o tempo, é direcionado para o mercado internacional; a burguesia amplia o seu poder econômico; e o capitalismo se desenvolve. Nascem duas classes opostas: os empresários, donos do capital e dos meios de produção, e os operários que vendem sua força de trabalho em troca de salário.

A Revolução Industrial também muda o caráter do trabalho. O homem se torna um complemento da máquina e passa a receber um salário. A produção é dividida em etapas, e o trabalhador executa uma única tarefa.

No início, os empresários impunham duras condições aos operários, como jornadas de 17 horas, para ampliar a produção e garantir o lucro crescente. Isso provoca revoltas e greves. Surgem organizações que reivindicam melhores condições de trabalho: os sindicatos.

A partir de 1870, tem início a II Revolução Industrial, marcada pelo uso de novas fontes de energia (eletricidade e petróleo), pela substituição do ferro pelo aço e pela criação de linha de montagem, idealizada pelo norte-americano Henry Ford (1863-1947), já no século XX. Ela se espalha para outros países, como os Estados Unidos e o Japão. Criam-se as estratégias de união de empresas para dominar o mercado como trustes e cartéis. 

Fábrica de fiação em Boston, EUA, em 1912.
A III revolução industrial se dá a partir da década de 1950, com a disseminação de empresas multinacionais e da informatização, e surge também a energia nuclear. A indústria se aproxima de centros de pesquisa, criando áreas como microeletrônica, telecomunicações e química fina, e o capital concentra-se ainda mais em um pequeno número de grupos monopolistas, os oligopólios.

Referência Bibliográfica: 
Revolução Industrial - As máquinas que mudaram o mundo. Almanaque Abril. Ano: 2015.

Nenhum comentário: