terça-feira, 20 de novembro de 2018

Mensagem do Dr. Bayamés no Brasil: “Eu nunca vou aceitar asilo político de alguém que criticava médicos cubanos

Formado em 2011, Beritan Torres prestou assistência médica na Venezuela e há 20 meses ingressou no programa brasileiro onde atende uma população “muito carente” de cerca de 4.000 pessoas, residentes no distrito de Giru, pertencentes ao Estado de Minas Gerais.


“Nunca aceite político alguém que criticou a médicos asilo cubana”, disse o Granma médico 31 anos Amauris Beritan Torres, um parceiro de Cuba no Brasil, depois de aprender a partida de Cuba do programa de saúde reconhecido MAIS Medicos, impulsionado pelo governo de Dilma Rousseff.

Em uma resposta através de seu perfil na rede social Facebook para o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, que disse na quarta-feira que seu governo iria oferecer asilo político a médicos cubanos que não querem voltar para casa.

Young disse que estava triste com a notícia, mas para este dilema disse: “Eu até o último dia de trabalho neste país continuará a dar o melhor de mim como médico e como ser humano. Você pacientes, amigos e colegas de trabalho merecem “.

Ele diz que recebeu mensagens de ódio de pessoas que não aceitam que um médico ganhe menos dinheiro do que elas fazem um bom trabalho e que a população ama esse profissional e reivindica suas dúvidas.

Formado em 2011, Beritan Torres fornecido colaboração médica na Venezuela e 20 meses atrás, ele se juntou ao programa brasileiro que aborda a “muito necessária” perto de 4 mil pessoas que vivem no distrito de Giru, pertencente ao Estado de população Minas Gerais.

força médica Granma na região da América Latina somaram 930 profissionais e estavam disponíveis para fornecer ajuda médica há 496, conforme relatado pela TV Digital CNC Leonardo Tapia Garcés cooperação médico-chefe na Direcção Provincial de Saúde.

Segundo o Ministério de Saúde Pública de Cuba, durante 5 anos de trabalho, cerca de 20 mil funcionários cubanos atenderam 113 milhões de 359 mil pacientes, em mais de 3 mil 600 municípios.

A declaração do MINSAP diz que os médicos cubanos cobriram um universo de até 60 milhões de brasileiros na época em que constituíam 80% de todos os médicos participantes do programa. Mais de 700 municípios tiveram um médico pela primeira vez na história.

O programa iniciado em 2013 pelo governo de Dilma Rousseff, visa suprir a falta de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades brasileiras.



Tradução da mensagem originalmente postada em português.

Hoje feriado acordado e meu Facebook e meu Whatsapp com mais mensagens e mais comentários do que normalmente.

Mensagens de amor; também comentários odiosos das pessoas que não aceitam que um médico ganhe menos dinheiro do que eles fazem um bom trabalho e que a população ama esse médico e reivindica suas perguntas.

Fiquei sabendo ontem que Cuba vem de mais médicos e a tristeza está presente porque aqui fiz amigos verdadeiros, excelentes colegas de trabalho, pessoas que sem muita demora fizeram meus dias melhores, outros que também marcaram meus dias no Brasil.

Nostalgia é forte e ninguém imagina alguns dias eu acordei querendo abraçar e beijar a mulher que eu mais amo na minha vida a minha mãe e eu sei como é difícil, que passou 20 meses aqui no Brasil, além do mel e o amor de todas as pessoas que mencionei foi a minha força para seguir e dar o melhor de mim como profissional.

E felicidade porque sei que em breve estarei com minha família que é meu maior tesouro. Mais eu levo para cada pessoa que marcou minha vida aqui no meu coração e nunca vou esquecer de você.

Chorei sim porque não imaginei que receberia tantas demonstrações de amor e amor e sei que todo dia que passa será ainda mais difícil.

Há sempre pessoas que nunca foram a favor do programa Mais Medicos e comentam negativamente, mas acabam fechando a boca das pessoas que são ridicularizadas nas redes.

Até o último dia de trabalho neste país, continuarei dando o meu melhor como médico e como ser humano. Seus pacientes, amigos e colegas de trabalho merecem.

Mas eu sou um patriota e amo meu país e voltarei sim, nunca aceitarei asilo político de alguém que criticou muito os médicos cubanos, nunca o aceitarei.

Abraços.


Fonte: Tudo Para Minha Cuba / CNC TV Granma.

Nenhum comentário: