quarta-feira, 4 de novembro de 2015

História de Piraí, Rio de Janeiro - RJ

Histórico do Município: Piraí, Rio de Janeiro - RJ
Gentílico: piraiense

Diversos historiadores fixaram, respectivamente, os anos de 1770 e 1772, como as datas em que se teria erigido a pequena capela de Santana do Piraí, primeiro marco de colonização, em terras do atual Município de Piraí. 

Tudo faz crer que o desbravamento de seu território tivesse sido conseqüencia do trânsito que, desde a segunda metade do século XVI, se verificava no Rio Paraíba, pelo qual se faziam as comunicações entre as "Minas Gerais" e o Rio de Janeiro. 

São tidos como primeiros povoadores de seu solo, sendo ignoradas as datas em que estabeleceram na região pequenas culturas, Quitéria Rodrigues, Domingos Alvares dos Reis Lousada, José Urbano, Antônio Jorge e João Batista Feijó. 

Em 1811, o bispo D.José Caetano resolveu conceder-lhe o predicamento de freguesia curada. Seis anos mais tarde passou à categoria de freguesia perpétua. Em 1837 foi elevada à categoria de Vila com a denominação de Santana do Piraí e grande foi o surto de progresso que se verificou na região principalmente com a cultura do café. 

Formação Administrativa 

Freguesia criada com denominação de Santana do Piraí, por alvará de 17-10-1817, no município de São João do Príncipe depois São João Marcos atual Rio Claro Barra Mansa, e pelos decretos estaduais nº 1 de 08-05-1892 e nº1-A, de 03-06-1892. 
Elevado à categoria de vila com a denominação de Santana do Piraí, pela lei provincial nº96, de 06-12-1837, com território desmembrado dos municípios de São João do Príncipe depois São João Marcos atual Rio Claro e Barra Mansa. Instalado em 11-11-1838. 
Pela lei provincial nº 141, de 12-04-1839 e por decretos nº 1, de 08-05-1892 e nº 1-A, de 03-06-1892, é criado o distrito de São João Batista do Arrozal e anexado à vila de Santana do Piraí. 
Elevado à condição de cidade com denominação de Piraí, pela lei ou decreto provincial nº 2.041, de 17-10-1874.
Pelo decreto nº 155, de 08-12-1890, o município de Piraí adquiriu do município de São João de Príncipe o distrito de São José do Bom Jardim, ex-São José de Cacaria. 
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município, já denominado Piraí é constituído 3 distritos: Piraí, São João Batista do Arrozal e São José do Bom Jardim. 
Pela lei estadual nº 1360, de 21-11-1916, é criado o distrito de Pinheiro e anexado ao município de Piraí. 
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município de Piraí é constituído de 4 distritos: Piraí, Pinheiro, São João Batista do Arrozal e São José do Bom Jardim. 
Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. 
Pelo decreto estadual nº 641, de 15-12-1938, o distrito de São João Batista do Arrozal passou a denominar-se simplesmente Arrozal e o distrito São José do Bom Jardim passou a denominar-se Monumento. 
No quadro fixado para vigorar no qüinqüênio 1939-1943, o município é constituído de 4 distritos: Piraí, Arrozal ex-São João Batista do Arrozal, Monumento ex-São José do Bom Jardim e Pinheiro. 
Pelo decreto-lei estadual nº 1055, de 31-12-1943, é criado o distrito de Santanésia e anexado ao município de Piraí. 
Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 5 distritos: Piraí, Arrozal, Monumento, Pinheiral e Santanésia. 
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 17-1-1991. 
Pela lei municipal nº 307, de 07-11-1991, altera os limites entre os distritos de Piraí, Arrozal e Pinheiral. 
Em "Síntese" de 31-XII-1994, o município é constituído de 5 distritos: Piraí, Arrozal, Monumento, Pinheiral e Santanésia. 
Pela lei estadual nº 2408, de 31-06-1995, desmembra do município de Piraí o distrito de Pinheiral. Elevado à categoria de município. 
Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído de 4 distritos: Piraí, Arrozal, Monumento e Santanésia. 
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica municipal 
Santana do Piraí para Piraí alterado pela lei ou decreto provincial nº 2041, de 17-10-1874.

Fonte: Biblioteca IBGE.

Nenhum comentário: