domingo, 5 de julho de 2015

Turquia

TURQUIA - País localizado parte (menor) na Europa Mediterrânea, parte (maior) na Ásia, banhado pelo Mar Negro. Limita-se com oito países: Bulgária a noroeste, Grécia a oeste, Geórgia a nordeste, Armênia, Irã a leste, e Iraque e Síria a sudeste. Além disso, é banhado pelo Mar Negro e pelo Mediterrâneo, ao norte pelo Mar Egeu e a oeste pelo Mar de Mármara. A etimologia do seu nome vem de força, forte, poder no dialeto antigo local. O nome do fundador do império que originou a Turquia pode explicar também o topônimo: Bumin (ou Tu-men). Há registros datados do Século VI d.C. mencionando o povo nômade que habitava naquelas terras como os turk.

Localização: Oriente Médio
Capital: Ankara
Idioma: Turco
População: 75.837.020 habitantes
Extensão Territorial:  783.560 Km²
Bandeira da Turquia
Os atuais turcos, após as profundas miscigenações, já não têm mais nenhum traço dos habitantes originais daquelas terras, que derivavam de chineses, mongóis e hunos. 

A história da Turquia se confunde com a história da Europa e também do continente asiático. As primeiras grandes cidades do mundo nasceram nas planícies da Anatólia no período pré-histórico. Mais tarde, era na costa oeste da Turquia que ficavam algumas das principais cidades da Grécia Antiga, incluindo a antiga cidade de Tróia, que acabaria destruída pelos exércitos gregos. Durante a Antiguidade Clássica, a Turquia estava divida em zonas bem diferentes. A costa oeste, banhada pelo Egeu, era fértil em grandes cidades de origem grega, que serviram de baluarte às conquistas de Alexandre e aos sonhos de Antônio e Cleópatra. O interior turco pertencia a um outro mundo, influenciado pela cultura asiática que predominava na Pérsia antiga. Com a divisão do Império Romano, foi ao redor de Constantinopla (depois Bizâncio e hoje Istambul) que se formou um novo império, tendo na Turquia a sua base mais forte. E assim permaneceu até ao Século XIV, quando o Império Bizantino começou a se desmoronar e uma nova ordem, o Islã, se fortaleceu. A tribo Otomana islâmica tomou o poder aos Seljucidas e, com a conquista de Constantinopla por Maomé II, em 1453, a Turquia se tornou a peça central do Império Otomano. Durante três séculos os turcos foram se expandindo ao longo dos Balcãs, chegando mesmo até aos limites de Viena. A Sublime Porta - como era chamada a corte dos sultões da Turquia - se transformara na nação mais temida do mundo. 

Com o Século XVIII, começou a queda do Império Otomano, e a Turquia foi perdendo importância no jogo político. Depois da crise da Criméia, no Século XIX, a Turquia percebeu que era para sul e não para norte que estava o seu futuro. Foi por essa altura que o seu domínio sobre a Arábia se intensificou. E seria na península arábica que a Primeira Guerra Mundial iria atingir a Turquia. As campanhas de T.E. Lawrence, o Lawrence da Arábia, ajudaram a demolir o sólido Império Otomano. Em 1923 foi instituída a República da Turquia, quando então surgiu a figura de Kemal Ataturk, o presidente que revolucionou por completo o Estado turco. Separou o estado da Igreja, apostou na constituição de um parlamento representativo e trouxe a Turquia para o mundo ocidental. Em 1949, integrou o Conselho Europeu e três anos depois se tornou membro da OTAN.

Desde 1963 que a Turquia está na lista de espera para aderir à União Européia, mas viu a sua candidatura ser recusada sucessivamente. Com os critérios estabelecidos em Copenhagen, em 1993, a candidatura turca ganhou novo vigor e, em 1999, foi-lhe atribuído o estatuto de pré-candidato. Com a subida ao poder do AKP (sigla do Partido da Justiça e Desenvolvimento, em turco), muitos julgavam que era um passo atrás. O partido era de raiz islamita e o seu líder, Recep Erdo' an, um conservador ligado fortemente ao Islã. Mas Erdo' an se revelou um líder pragmático. O seu governo aplicou uma série de medidas, que incluíram duas revisões da Constituição, para se aproximarem o mais possível dos critérios exigidos pela União Européia (UE). Em outubro de 2004, a comissão da UE finalmente deu um parecer positivo sobre o eventual início das negociações rumo à adesão. Agora falta saber o que pensa cada um dos estados membros da república turca.

Vale ressaltar que a Turquia vivenciou uma série de golpes e, a partir dos anos 1970, períodos de instabilidade política e dificuldades econômicas. Por isso, as eleições de 2002, que levaram ao poder central o Partido da Justiça e Desenvolvimento, conservador, chefiado pelo ex-prefeito de Istambul, Recep Tayyip Erdo´an, surpreenderam positivamente as previsões dos analistas internacionais. Em 2005, a União Européia iniciou o processo de negociação com vistas à eventual adesão plena do país, que já é membro associado desde 1964.

Fonte: IBGE

Nenhum comentário: