sexta-feira, 17 de julho de 2015

História de Governador Valadares, Minas Gerais - MG

Histórico do Município: Governador Valadares, Minas Gerais - MG
Gentílico: valadarense

No século XIX, o Vale do Rio Doce foi repartido em Divisões Militares como estratégia de guerra ofensiva aos índios Botocudos. As tarefas principais dos quartéis eram ocupar o território, promover a perseguição sistemática dos índios, expulsando-os das margens dos rios, e, principalmente, dar proteção aos colonos e garantir a navegação e o comércio no Rio Doce. Neste contexto de luta é que surgiu a localidade que, mais tarde, deu origem ao distrito de Figueira, atual Governador Valadares.
A primeira ocupação foi em Baguari, onde foi instalado um quartel. Em 1818, um segundo quartel foi levantado poucos quilômetros abaixo, com o nome de Dom Manoel. Em torno deste quartel funcionou o Porto de Canoas, que atendia ao serviço militar e a um pequeno comércio. O lugar recebeu a denominação de Figueira desde os primeiros tempos. Era distrito de Peçanha. Beneficiado pela posição estratégica, podendo escoar a produção proveniente do Vale do Suaçuí e do Santo Antônio, logo se tornou um pequeno entreposto comercial.

Em 1907, foi inaugurada a estação ferroviária da Estrada de Ferro Vitória-Diamantina (Vitória-Minas), na localidade de Derribadinha, às margens do Rio Doce, no lado oposto ao povoado de Figueira. Em torno da estação, formou-se um vilarejo onde se instalaram fornecedores da estrada de ferro e um pequeno movimento comercial. Mas, três anos depois, com a construção da ponte sobre o Rio Doce e a inauguração da estação de Figueira, no dia 15 de agosto de 1910, todo o fluxo dinâmico se transfere e se consolida a posição desta vila como entreposto comercial da região. Com a estrada de ferro, chegaram os comerciantes e expandiram-se as plantações de café e a extração da madeireira de lei.

Dos antigos habitantes do arraial, destacou-se Serra Lima, filho do comandante do Quartel Dom Manoel. A sua história está intimamente ligada ao traçado urbanístico de Governador Valadares. Ele era carpinteiro e trabalhou como auxiliar. A tradição popular atribuiu a Serra Lima a autoria do traçado urbano de Governador Valadares.

No início dos anos 1920, a vida urbana de Figueira girava em torno de umas poucas ruas às margens do rio. Os trilhos da estrada de ferro ficavam à esquerda e o rio passava à direita, no sentido Oeste-Leste. O café e a madeira eram os produtos que sustentavam a receita da Estrada de Ferro Vitória-Minas. Além de receber a produção de café e madeira, destinada à ferrovia, Figueira passou a contar com tropeiros vindos de longe, carregados de toda sorte de mercadorias, como feijão, milho, farinha, rapadura, queijo e toucinho. De volta, levavam o sal, querosene, cortes de tecidos, ferramentas e utensílios diversos.

A pecuária não tinha ainda a expressão que viria a adquirir na década de 40, mas já tinha na invernada a sua característica marcante, ou seja, a engorda do gado para os grandes mercados consumidores. Isso influenciou o tipo-padrão de fazenda que se formou no distrito de Figueira, marcada pela ausência de investimentos nas propriedades rurais e pelas construções modestas e precárias, diferentes da fazenda típica de Minas Gerais. Os fazendeiros residiam na cidade e, muitos deles, também eram comerciantes.

Em 1930, Figueira contava com uma população de 2.103 habitantes e tinha a aparência de um lugarejo pobre, perdido no meio da floresta, que ainda continuava de pé. Porém, não duraria muito tempo, pois tinha se iniciado a era da siderurgia a carvão vegetal e a das serrarias estava próxima. Nos anos 1930, duas obras foram importantes: a abertura das estradas de rodagem de Figueira a Peçanha e a Itambacuri, de onde já havia comunicação com a cidade de Teófilo Otoni. A dinâmica econômica criada pela estrada de ferro possibilitou a inauguração da primeira agência bancária, em 1931.

Em 1935, foi formado o Partido Emancipador de Figueira, destinado a comandar a luta pró-emancipação. Em 31 de dezembro de 1937, finalmente, foi criado o Município de Figueira.


Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Santo Antônio da Figueira, pela Lei Provincial n.º 3.198, de 23-09-1884, e pela Lei n.º 02, de 14-09-1891, subordinado ao município de Peçanha.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o distrito de Santo Antônio da Figueira figura no município de Peçanha.

Assim permanecendo nos quadros de apuração do recenseamento geral de I-IX-1920.

Pela Lei Estadual n.º 843, de 07-09-1923, o distrito de Santo Antônio da Figueira passou a denominar-se simplesmente Figueira e perdeu território para constituir o distrito de Chonin, no mesmo município de Peçanha.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o distrito de Figueira, figura no município de Peçanha.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Elevado à categoria de município com a denominação de Figueira, pelo Decreto-lei Estadual n.º 32, de 31-12-1937, desmembrado de Peçanha. Sede no antigo distrito Figueira. Constituído de 2 distritos: Figueira e Chonin.

Pelo Decreto-lei Estadual n.º 148, de 17-12-1938, o município de Figueira passou a denominar-se Governador Valadares. Pelo mesmo Decreto-lei é criado o distrito de São Félix e anexado ao município de Governador Valadares (ex-Figueira).

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município aparece constituído de 5 distritos: Governador Valadares, Brejaubinha, Chonin, Naque e São Félix.

Pelo Decreto-lei Estadual de 31-12-1943, desmembra do município de Governador Valadares os distritos de Naque e Felicina (ex-São Félix), para formar o novo município de Açucena.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município é constituído de 3 distritos: Governador Valadares, Brejaubinha e Chonin.

Pela Lei n.º 336, de 27-12-1948, é criado o distrito de Alpercata ex-povoado e anexado ao município de Governador Valadares.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 4 distritos: Governador Valadares, Alpercata, Brejaubinha e Chonin.

Pela Lei n.º 1.039, de 12-12-1953, são criados os distrito de Alto de Santa Helena, Baguari, Derribadinha, Penha do Cassiano, São José das Tronqueiras, São Vitor e Vila Matias todos ex-povoado e anexados ao municípios de Governador Valadares.

Em divisão territorial datada de I-VII-1955, o município de Governador Valadares é constituído de 11 distritos: Governador Valadares, Alto de Santa Helena, Baguari, Alpercata, Brejaubina., Chonin, Derribadinha, Penha do Cassiano, São José das Tronqueiras, São Vitor e Vila Matias.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1960.

Pela Lei Estadual n.º 2.764, de 30-12-1962, desmembra do município de Governador Valadares os distritos Alpercata e Vila Matias e elevando à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 9 distritos: Governador Valadares, Alto de Santa Helena, Baguari, Brejaubina., Chonin, Derribadinha, Penha do Cassiano, São José das Tronqueiras e São Vitor.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1993.

Pela Lei n.º 3.742, de 15-06-1993, o distrito de São José das Tronqueiras é extinto.

Pela Lei Municipal n.º 3.765, de 05-08-1993, é criado o distrito de Vila Nova Floresta e anexado ao município de Governador Valadares.

Pela Lei Municipal n.º 3.768, de 09-08-1993, é criado o distrito de Goiabal com a área do extinto distrito de São José das Tronqueiras e anexado ao município de Governador Valadares.

Pela Lei Municipal n.º 3.769, de 09-08-1993, é criado o distrito de Santo Antônio do Pontal e anexado ao município de Governador Valadares.

Pela Lei Municipal n.º 3.779, de 14-09-1993, é criado o distrito de Chonin de Baixo e anexado ao município de Governador Valadares.

Pela Lei Municipal n.º 3.790, de 28-09-1993, é criado o distrito de São José do Itapionã e anexado ao município de Governador Valadares.

Em divisão territorial datada de 1995, o município é constituído de 13 distritos: Governador Valadares, Alto de Santa Helena, Baguari, Brejaubina, Chonin, Derribadinha, Goiabal, Penha do Cassiano, Santo Antônio do Pontal, São José das Tronqueiras, São José do Itapionã, São Vitor e Vila Nova Floresta.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2001.
Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído de 13 distritos: Governador Valadares, Alto de Santa Helena, Baguari, Brejaubina, Chonin, Chonin de Baixo, Derribadinha, Goiabal, Penha do Cassiano, Santo Antônio do Pontal, São José do Itapionã, São Vitor e Vila Nova Floresta.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE Cidades.

Nenhum comentário: