terça-feira, 30 de junho de 2015

Peru

PERU - País da América do Sul, banhado pelo Oceano Pacífico. Tem fronteiras com o Brasil, Equador, Colômbia, Bolívia e Chile. Seu nome provavelmente se origina do nome de um dos rios que correm no país: Birú ou Perú. Em dialeto local, birú e perú significam "água, rio" (também existem as variações berú, pirú, belú).
Localização: América do Sul
Capital: Lima
Idioma:  Espanhol, Quínchua, Aimará
População:  habitantes
Extensão Territorial:  1.285.220 Km²

Bandeira do Peru
Mapa do Peru
Achados arqueológicos muito recentes dão conta da presença de povos primitivos na região desde 3500 a 3000 a.C. Foi encontrada uma praça erguida com pedras, neste período, em Sechin Bajo, no Vale de Casma, nos arredores da capital peruana. É, talvez, a mais antiga construção urbana do continente americano. Há indícios de que houve diversas civilizações ocupando aquela região, povos estes que se desenvolveram na mesma época que floresceram as civilizações na Mesopotâmia, Egito e Índia.

Antes do início da colonização espanhola, em 1531, o território peruano era o centro da avançada civilização inca. Suas cidades foram rebatizadas com nomes cristãos e reconstruídas como vilas tipicamente espanholas. Algumas tinham edificações e infra-estrutura construídas pelos incas, que logo foram aproveitadas e remodeladas pelos colonizadores europeus. Sob o domínio espanhol, a densidade demográfica da população local caiu drasticamente. Alguns fatores podem ser apontados como causa das mortes: doenças trazidas pelos estrangeiros; matança em larga escala, promovida pelos espanhóis; fome etc. Uma vez estabelecido o Vice-reino do Peru, as incomensuráveis quantidades de ouro e prata retirados dos Andes enriqueceram os invasores, fazendo do Peru a principal fonte de riqueza espanhola em toda a América do Sul.

A cidade de Lima, fundada por Pizarro em 1535, se tornou a capital do vice-reinado. Tornou-se bastante poderosa, com jurisdição sobre toda a América espanhola. A totalidade das riquezas coloniais passava por Lima antes de seguirem caminho rumo à Espanha. Todavia, durante todo este período, os nativos não foram completamente suprimidos. Só no século XVIII houve 14 grandes revoltas nativistas, das quais as mais importantes foram a de Juan Santos Atahualpa (não confundir com o líder inca Atahualpa do qual ele tirou o nome e de quem se dizia descendente), em 1742, e a de Tupac Amaru (outro que também se dizia descendente de príncipes incas), em 1780.
Em que pesem estas revoltas, havia um forte vínculo entre os comerciantes espanhóis e a "aristocracia" criolla (brancos nascidos na América, descendentes de espanhóis ou de outros criollos). Isto fazia com que a população se mantivesse fiel à Espanha.

O Peru alcançou sua independência em 28 de julho de 1821, por intermédio do general José de San Martín y Matorras. Após tornar o país independente, divergiu de Simón Bolívar, que pretendia fazer do Peru uma república, como os outros países que ajudara libertar. San Martín preferia a monarquia, e por isso este renunciou ao título de "protetor do Peru", preferindo se retirar para a Argentina. A república foi proclamada em Lima, em dezembro de 1822, embora o país ainda combatesse focos de resistência de espanhóis. Somente em 1824, Bolívar e o general Antonio José de Sucre com suas tropas conseguiram expulsar os antigos colonizadores.

Em 1835, o ditador boliviano Andrés Santa Cruz tentou unificar o Peru e a Bolívia, mas sem sucesso. Ramón de Castilla governou o país entre 1845 e 1862, dando formas ao Estado peruano moderno.
A partir de 1845, o principal produto de exportação do Peru era o guano: fertilizante produzido pela acumulação de fosfato de cálcio resultante de excremento de aves marinhas. Com o declínio dessa produção, o salitre, encontrado no sul do país, passou a ser a principal fonte de divisas, até a Guerra do Pacífico (1879-1883), travada entre Chile, Bolívia e Peru, com a vitória do primeiro, que se apossou de províncias peruanas produtoras de salitre. No início do Século XX o cobre passou a ser explorado em larga escala no país.

Em 1941, devido às desavenças na formalização da fronteira com o Equador, houve a Guerra Equador-peruana, seguida pela assinatura do Protocolo do Rio. Os dois países voltaram a travar luta numa breve guerra em 1981, e de novo se enfrentaram na Guerra do Cenepa, em 1995. Em 1998 os governos de ambos os países assinaram um tratado que demarcou claramente seus limites.

Fonte: IBGE

Nenhum comentário: