segunda-feira, 29 de junho de 2015

Argentina

ARGENTINA - País localizado na América do Sul, em sua parte mais meridional. O topônimo do país se deriva do seu rio principal, o Rio da Prata (Río de la Plata, em espanhol). Quando o espanhol Sebastián Caboto chegou ao estuário daquele rio, em 1526, encontrou, em mãos dos nativos, objetos de prata e imaginou terem sido confeccionados ali na região (na verdade, eram peças tomadas ao português Aleixo Garcia). O gentílico da região inicialmente foi rio-platense, mas, em poema de Barco Centenera, apareceu a palavra Argentina, como derivativo de "Argentinus" (feito de prata, em latim) e essa prevaleceu ao ser criada a Confederación Argentina, em meados do Século XIX.

Localização: América do Sul
Capital: Buenos Aires
Idioma:  Espanhol
População: 41.803.125 habitantes
Extensão Territorial: 2.791.810 Km²

Bandeira da Argentina

Mapa da Argentina
As terras, onde hoje se encontra a Argentina, foram habitadas, em período pré-hispânico por vários grupos indígenas, com destaque especial para os Araucanos, os Querandis, os Guaranis e os Tehuelches. 

Para impedir a ocupação daquela terra pelos portugueses, Sebastião Caboto, e, posteriormente, Pedro de Mendoza navegaram no curso acima do Rio da Prata, instalando algumas povoações. Mendoza fundou Buenos Aires em 1536 como Puerto de Nuestra Señora Santa Maria del Buen Aire. Entretanto, por conta da hostilidade dos índios Querundi, a cidade teve que ser abandonada, sendo fundada novamente em 1580 por Juan de Garay.

Por longo tempo, as terras onde hoje estão a Argentina e o Paraguai foram a mesma província, tendo sido separadas somente em 1617, ficando uma com capital em Buenos Aires e outra, em Assunção.
Em 1776, foi criado o Vice-Reino do Prata, como forma de conter a expansão portuguesa na região. D. Pedro de Ceballos foi o primeiro vice-rei. O porto de Buenos Aires foi beneficiado com a decretação do livre-comércio entre Espanha e suas colônias na América do Sul. A cidade e toda a região cresceu por conta da enorme circulação de mercadorias e da arrecadação de taxas aduaneiras.
Por conta da guerra entre Inglaterra e Espanha, no início do Século XIX, uma frota inglesa tomou Buenos Aires, em junho de 1806. Dois meses depois, os espanhóis a retomaram.

A presença inglesa na província instilou desejo de independência. Desejo este que se espalhou por outras províncias. Com a criação da Junta de Buenos Aires, o poder espanhol foi se reduzindo. A independência só foi proclamada em 1816, no Congresso de Tucumán. Em princípio, tentou-se fazer uma monarquia, mas por falta de candidatos, e por forte pressão da Inglaterra, que, como grande compradora de couro, tornara o país sua área de influência, a idéia de se coroar um nobre estrangeiro não foi aceita. A Argentina tornou-se uma república federalista com a união das diversas províncias do país. Cabe destacar um de seus presidentes, o caudilho Juan Manuel Rosas, que influenciou os chefes das outras províncias a restringirem a importação de produtos ingleses e franceses. Houve guerra na região, inclusive com a participação do Brasil. Em que pese ser um nacionalista, Rosas governava com mão de ferro, cassando direitos civis adquiridos. Na guerra que envolveu três países, Rosas foi derrotado. Com a derrota do ditador, é criada a Confederação Argentina, com a reunião de quase todas as províncias da nação sob a presidência de Bartolomeu Mitre, que, posteriormente, articula a união de todas as províncias. 

Houve um outro conflito na região do Prata em que o país platino esteve envolvido, desta vez ao lado do Brasil e do Uruguai, na Tríplice Aliança contra o Paraguai de Solano López. Em meio ao conflito, Domingos Faustino Sarmiento assumiu a presidência da República e promoveu transformações de base na política e na economia do país platino.

A partir do final do Século XIX, estabeleceu-se um considerável fluxo migratório vindo da Europa, especialmente da Itália. No início do Século XX, Buenos Aires já tinha cruzado a barreira do primeiro milhão de habitantes. Após a crise econômica de 1929, uma série de governos conservadores assumiram o poder na Argentina. Após a II Guerra, Perón foi eleito presidente em 1946, com forte apoio do operariado. Ele governou o país em dois períodos: 1946-1955 e 1973-1974. 

Faleceu no poder em seu segundo período, com sua esposa, Maria Estela de Perón, a vice-presidente, assumindo o governo. Foi deposta por um golpe militar, em março de 1976, com uma Junta Militar assumindo o poder e mergulhando o país em uma era de obscurantismo. Em 1984, Raúl Alfonsin é eleito presidente, pondo fim ao período autoritário na Argentina. Em tempos recentes, o país passou por violenta crise econômica e hoje está retomando o seu crescimento.

Fonte: IBGE

Nenhum comentário: