quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Catástrofes são evitáveis ou inevitáveis?

Por que chamamos de “catástrofe” os furacões, terremotos, erupções vulcânicas, secas, enchentes, deslizamentos de encostas e tsunamis? Como evitar uma “catástrofe”? 
Para entender o que é uma “catástrofe natural”, vamos definir as duas palavras que formam a expressão: catástrofe, segundo o Novo Dicionário Aurélio da língua portuguesa, é um “acontecimento súbito, de conseqüências trágicas e calamitosas”; natural, segundo o mesmo dicionário, é “referente à natureza; aquilo que é conforme a natureza”.
Furacão Katrina
E então, continua com a mesma opinião? 
As catástrofes naturais são eventos com os quais todas as sociedades convivem. Em alguns lugares elas são muito freqüentes, em outros são relativamente raras; no entanto, em todas as sociedades elas representam um desafio. Só é pertinente referirmo-nos a “catástrofes naturais” quando estas afetam direta ou indiretamente a sociedade de uma forma significativa com danos graves causados a pessoas, a bens (prédios, lavouras, estradas, etc.) e ao ambiente. Elas constituem um processo de ruptura entre o sistema social e natural. Ocorrem desde que a Terra se formou, mas há uma percepção que elas se intensificaram na atualidade. Você também acredita que elas tenham se intensificado? Qual é a sua explicação para isto?

Fonte: Geografia / vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2007. ISBN: 85-85380-35-7
Roselia Maria Soares Loch

Nenhum comentário: