quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Exercícios de vestibulares sobre Geo-História e Geocartografia

Blog de Geografia - Questões do Enem, vestibulares e avaliações seriadas - com respostas
Assuntos: Bússola, mapas topográficos, mapas, cartografia

1. (Enem) […] Depois de longas investigações, convenci-me por fim de que o Sol é uma estrela fixa rodeada de planetas que giram em volta dela e de que ela é o centro e a chama. Que, além dos planetas principais, há outros de segunda ordem que circulam primeiro como satélites em redor dos planetas principais e com estes em redor do Sol. […] Não duvido de que os matemáticos sejam da minha opinião, se quiserem dar-se ao trabalho de tomar conhecimento, não superficialmente mas duma maneira aprofundada, das demonstrações que darei nesta obra. Se alguns homens ligeiros e ignorantes quiserem cometer contra mim o abuso de invocar alguns passos da Escritura (sagrada), a que torçam o sentido, desprezarei os seus ataques: as verdades matemáticas não devem ser julgadas senão por matemáticos. (Copérnico, N. De Revolutionibus orbium caelestium.)
Aqueles que se entregam à prática sem ciência são como o navegador que embarca em um navio sem leme nem bússola. Sempre a prática deve fundamentar-se em boa teoria. Antes de fazer de um caso uma regra geral, experimente-o duas ou três vezes e verifique se as experiências produzem os mesmos efeitos. Nenhuma investigação humana pode se considerar verdadeira ciência se não passa por demonstrações matemáticas. (Vinci, Leonardo da. Carnets.) O aspecto a ser ressaltado em ambos os textos para exemplificar o racionalismo moderno é:
a) a fé como guia das descobertas.
b) o senso crítico para se chegar a Deus.
c) a limitação da ciência pelos princípios bíblicos.
d) a importância da experiência e da observação.
e) o princípio da autoridade e da tradição.

2. (Enem) Leia o texto a seguir.
O jardim de caminhos que se bifurcam (...) Uma lâmpada aclarava a plataforma, mas os rostos dos meninos ficavam na sombra. Um me perguntou: O senhor vai à casa do dr. Stephen Albert? Sem aguardar resposta, outro disse: A casa fica longe daqui,
mas o senhor não se perderá se tomar esse caminho à esquerda e se em cada encruzilhada do caminho dobrar à esquerda. (Adaptado. Borges, J. Ficções. Rio de Janeiro: Globo, 1997. p. 96.)
Quanto à cena descrita, considere que:
I. o Sol nasce à direita dos meninos;
II. o senhor seguiu o conselho dos meninos, tendo encontrado duas encruzilhadas
até a casa.
Concluiu-se que o senhor caminhou, respectivamente, nos sentidos:
a) oeste, sul e leste.
b) leste, sul e oeste.
c) oeste, norte e leste.
d) leste, norte e oeste.
e) leste, norte e sul.

3. (UFPE) “Existirá algo em todo o mundo conhecido que os mapas e os autores não possam ensinar a um homem de modo tão perfeito como o fariam seus próprios olhos?” Com essa indagação, o Bispo Hall, em 1605, ressaltou a enorme importância que assumem os mapas no ensino de geografia. Sobre esse assunto, pode-se afirmar que:
a) ( ) os mapas topográficos fornecem importantes subsídios para a descrição e para a interpretação do relevo de uma área, constituindo-se, assim, numa ferramenta à análise geomorfológica.
b) ( ) a posição de um lugar qualquer num mapa político de um país é estabelecida a partir das coordenadas geográficas, ou seja, a altitude, a longitude, a latitude e a distância do mar.
c) ( ) o mapa é a representação de um fato do espaço geográfico feita numa proporção definida com o objeto representado; esta proporção denomina-se escala.
d) ( ) os sistemas de projeção são comumente classificados, de acordo com a derivação da projeção de que provêm os mapas, em cilíndricos, cônicos e azimutais.
e) ( ) os mapas de curvas de nível são empregados essencialmente na análise socioeconômica do espaço geográfico e podem ajudar a identificação de zonas de fronteiras agrícolas.
V - F - V - V  -F

4. (PUC-MG) Justificando que um mapa é um meio de informação:
I. Em uma luta armada, a interpretação de um mapa pode indicar o caminho a seguir ou o melhor lugar para se esconder, no caso de uma batalha perdida.
II. O mapa permite conhecer melhor o espaço, um terreno ou uma região, orientando na organização de roteiros de viagens.
III. O mapa é importante para estruturar diferentes formas de planejamento, inclusive para as guerras.
Assinale:
a) se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.
b) se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.
c) se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.
d) se todas as afirmativas estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem incorretas.

5. (UFU-MG) O mapa não é uma simples ilustração. É um meio de comunicação, um instrumento de localização, uma fonte de conhecimento sobre uma determinada realidade. Para o geógrafo francês Yves Lacoste, ler um mapa ou uma carta geográfica significa “saber agir sobre o terreno”. Quanto à representação cartográfica, marque a alternativa correta.
a) Em um mapa de escala de 1 : 200 000, a distância em linha reta entre duas cidades é de 20 cm, o afastamento real entre elas é de 400 km.
b) Quanto maior a escala de um mapa, maior a área representada, o que permite a visualização de maior quantidade de detalhes. Os mapas-múndi são elaborados com escalas grandes como, por exemplo, a escala de 1 : 5 000 000.
c) Nas projeções cilíndricas, os paralelos, retos e horizontais, e os meridianos, retos e verticais, formam ângulos retos. Essas apresentam deformações nas áreas de altas latitudes e conservam as proporções das superfícies próximas ao equador.
d) Na representação do relevo, as cores convencionadas pela Carta Internacional do Mundo (CIM), para mostrar as altitudes, são as batimétricas, que indicam as cotas acima do nível do mar, e as hipsométricas, que indicam as cotas abaixo do nível do mar.

Nenhum comentário: